Reivindique as Bênçãos de Seus Convênios
    Notas de rodapé

    Reivindique as Bênçãos de Seus Convênios

    Ao renovarmos e honrarmos nossos convênios, nossos fardos podem ser aliviados, e podemos ser continuamente purificadas e fortalecidas.

    Irmãs, como é maravilhoso estar com vocês novamente.

    Recentemente conheci uma mulher que estava se preparando para ser batizada. Naquele domingo, ela chegou à Igreja depois de caminhar três quilômetros por estradas enlameadas. Ela foi imediatamente ao toalete, tirou as roupas enlameadas, lavou-se e vestiu roupas dominicais limpas. Na reunião da Sociedade de Socorro, ela contou como havia sido sua conversão. Fiquei tocada com seu imenso desejo de se lavar, tornando-se limpa e pura, por meio do arrependimento e do Sacrifício Expiatório do Salvador e por sua disposição em abandonar a “vida antiga”, a fim de fazer convênios sagrados com nosso Pai Celestial. Ela havia se separado do namorado, estava vencendo o vício para viver a Palavra de Sabedoria, havia deixado de trabalhar aos domingos e perdido a amizade de entes queridos, quando anunciou seus planos de ser batizada. Estava ansiosa para abandonar todos os seus pecados e ser purificada, a fim de sentir o amor redentor do Salvador. Senti-me inspirada naquela manhã por seu desejo de tornar-se tanto física quanto espiritualmente limpa.

    Sabemos que muitas de vocês fizeram sacrifícios semelhantes, ao sentirem o testemunho do Espírito Santo e ansiar por arrepender-se, ser batizadas e tornar-se limpas. Talvez em nenhuma outra ocasião sintamos o divino amor do Salvador de modo tão abundante quanto na ocasião em que nos arrependemos e sentimos Seus braços amorosos nos envolver e nos assegurar de Seu amor e de Sua aceitação.

    Há poucos domingos, ao ouvir a oração sacramental, fiquei comovida pelo modo como o sacerdote pronunciou cada palavra com grande sentimento. Mais tarde, liguei para aquele sacerdote a fim de agradecer a ele por ter tornado o sacramento uma profunda experiência pessoal para mim e para a congregação. Ele não estava em casa, mas sua mãe respondeu: “Oh, ele vai ficar muito feliz por você ter ligado! Foi a primeira vez que ele proferiu a oração sacramental, e temos nos preparado juntos, conversando sobre a importância de tomar o sacramento e de renovar dignamente nossos convênios batismais com o Salvador”. Como amo aquela querida mãe por ensinar seu filho a respeito do poder dos convênios batismais e como ele ajuda os membros da ala a sentir esse poder.

    Outra mãe que conheço se sentou sozinha na Igreja por vários anos, com seus quatro filhinhos. Como raramente podia concentrar-se no Salvador durante o sacramento, ela elaborou um plano. Agora ela procura passar algum tempo a cada sábado recapitulando a semana e pensando em seus convênios e do que precisa se arrepender. “Então”, diz ela, “seja qual for o tipo de experiência que eu venha ter com meus filhos no domingo, estou preparada para tomar o sacramento, renovar meus convênios e sentir o poder purificador da Expiação”.

    Por que o Salvador dá tanta importância ao sacramento, queridas irmãs? Que importância essa renovação semanal de nossos convênios batismais tem em nossa vida? Será que reconhecemos a capacidade que o Salvador tem de purificar-nos completamente a cada semana, quando tomamos o sacramento digna e fervorosamente? O Presidente Boyd K. Packer testificou: “Esta é a promessa do evangelho de Jesus Cristo e da Expiação: (…) de que no final de [nossa] vida, [podemos] passar pelo véu, tendo [nos] arrependido de [nossos] pecados e tendo sido [lavados] e [purificados] pelo sangue de Cristo”.1

    Nossa presidência sente grande alegria quando nossas irmãs e suas famílias fazem e cumprem convênios, mas sentimos grande dor no coração pelas que passam por grandes adversidades na vida devido a seus entes queridos que quebram os convênios. O profeta Jacó, irmão de Néfi, recebeu do Senhor o encargo de falar a seus irmãos a respeito das mulheres e crianças justas de sua época. Testifico que suas palavras foram preservadas especificamente para nossos dias. Ele fala a nós como se o próprio Salvador estivesse falando. Jacó estava “curvado sob o peso de (…) [grande] ansiedade”, ao testificar aos maridos e pais:

    “E também me entristece ter que usar uma linguagem tão forte (…) perante vossas mulheres e vossos filhos, quando muitos têm sentimentos sumamente ternos e castos e delicados perante Deus, o que é agradável a Deus. (…)

    Os soluços do coração deles sobem a Deus contra vós. E (…) muitos corações pereceram, traspassados por profundas feridas”.2

    Para as mulheres e crianças de sua época e as de nossa época, Jacó promete:

    “Confiai em Deus com a mente firme e orai a ele com grande fé; e ele consolar-vos-á nas aflições. (…)

    Levantai a cabeça e recebei a agradável palavra de Deus e banqueteai-vos com seu amor”.3

    Irmãs, presto testemunho da força e do poder da oração, ao expressarmos nossas mais profundas dores e nossos desejos ao nosso Pai Celestial, e das respostas que recebemos ao “banquetear-nos” nas escrituras e nas palavras dos profetas vivos.

    Há quase três anos, um incêndio devastador destruiu o interior do querido e histórico tabernáculo de Provo, Utah. Essa perda foi considerada uma grande tragédia tanto para a comunidade quanto para os membros da Igreja. Muitos se perguntaram: “Por que o Senhor deixou isso acontecer? Sem dúvida, Ele poderia ter impedido o incêndio ou interrompido a destruição que ele causou”.

    Dez meses depois, na conferência geral de outubro de 2011, houve uma manifestação audível de surpresa quando o Presidente Thomas S. Monson anunciou que o tabernáculo quase destruído se tornaria um templo sagrado: uma casa do Senhor! De repente, pudemos ver o que Senhor já sabia! Ele não causou o incêndio, mas permitiu que o fogo destruísse o interior do edifício. Ele viu o tabernáculo como um templo magnífico — uma casa permanente para a realização de convênios sagrados e eternos.4

    Minhas queridas irmãs, o Senhor permite que sejamos testadas e provadas, às vezes até o máximo de nossa capacidade. Vimos a vida de entes queridos — e talvez a nossa própria — ser figurativamente queimada até as cinzas e nos perguntamos por que um Pai Celestial amoroso e carinhoso permitiria que uma coisa assim acontecesse. Mas Ele não nos deixa nas cinzas. Ele Se ergue de braços abertos, ansioso para convidar-nos a vir a Ele. Ele está edificando nossa vida para que se torne um templo magnífico no qual Seu Espírito possa habitar eternamente.

    Em Doutrina e Convênios 58:3–4, o Senhor nos diz:

    “Por agora não podeis, com vossos olhos naturais, ver o desígnio de vosso Deus com respeito às coisas que virão mais tarde nem a glória que se seguirá depois de muitas tribulações.

    Pois após muitas tribulações vêm as bênçãos. Portanto vem o dia em que sereis coroados de muita glória; ainda não é chegada a hora, mas está próxima”.

    Irmãs, testifico que o Senhor tem um plano para a vida de cada uma de nós. Nada que acontece é um choque ou uma surpresa para Ele. Ele conhece todas as coisas e ama a todos nós. Está ansioso para ajudar-nos, consolar-nos e aliviar-nos as dores, se confiarmos no poder da Expiação e honrarmos nossos convênios. As provações e tribulações pelas quais passamos podem ser exatamente aquilo que vai guiar-nos para achegar-nos a Ele e apegar-nos a nossos convênios, de modo que possamos voltar a Sua presença e receber tudo o que o Pai possui.

    No ano passado, precisei e quis sentir o amor do Senhor de modo mais profundo, receber revelação pessoal, quis compreender melhor meus convênios do templo e ter minha carga aliviada. Ao orar especificamente por essas bênçãos, senti o Espírito orientar-me a ir ao templo e a prestar mais atenção a cada palavra das bênçãos proferidas sobre mim. Testifico que, ao prestar mais atenção e procurar exercer minha fé, o Senhor foi misericordioso comigo e me ajudou a aliviar meus fardos. Ele me ajudou a sentir muita paz em relação a orações que não tinham sido respondidas. O Senhor sente-Se obrigado a cumprir Suas promessas quando cumprimos nossos convênios e exercemos nossa fé.5 Venham ao templo, queridas irmãs, e reivindiquem suas bênçãos!

    Desejo abordar outro modo que pode instilar-nos confiança e fé. Às vezes, nós, mulheres, temos a tendência de ser muito críticas em relação a nós mesmas. Nesses momentos, precisamos buscar o Espírito e perguntar: “É isto que o Senhor quer que eu pense a meu respeito ou é Satanás tentando me derrubar?” Lembrem-se da natureza de nosso Pai Celestial, cujo amor é perfeito e infinito.6 Ele deseja edificar-nos, e não abater-nos.

    Como membros da Igreja, às vezes sentimos que precisamos fazer parte de uma “perfeita família SUD” para sermos aceitas pelo Senhor. Com frequência nos sentimos “inferiorizadas” ou como se fôssemos desajustadas no reino, quando não nos enquadramos nessa imagem. Queridas irmãs, no final das contas, o que vai importar para nosso Pai Celestial será o quanto guardamos nossos convênios e o quanto tentamos seguir o exemplo de nosso Salvador Jesus Cristo.

    Testifico que Jesus Cristo é nosso Salvador e Redentor. Graças a Seu Sacrifício Expiatório, podemos tornar-nos limpas a cada semana, ao tomarmos Seu sacramento dignamente. Ao renovarmos e honrarmos nossos convênios, nossos fardos podem ser aliviados, e podemos ser continuamente purificadas e fortalecidas, para que no final de nossa vida sejamos consideradas dignas de receber a exaltação e a vida eterna. Presto testemunho dessas coisas, em nome de nosso amado Salvador, Jesus Cristo. Amém.