Diário: De Maior Valor do que o Ouro
    Notas de rodapé

    Capítulo 13

    Diário: De Maior Valor do que o Ouro

    Nosso diário é valioso para nós pessoalmente e também pode trazer bênçãos para nossa família e todas as gerações futuras.

    Da Vida de Wilford Woodruff

    Em 1835, Wilford Woodruff iniciou seu primeiro diário, “por acreditar que é benéfico rever nossa vida passada e que temos não apenas o privilégio, mas o dever de manter um registro preciso de nossos atos”. Ele escreveu: “é com esse intento que passarei de agora em diante a manter um diário de minhas viagens, para que quando me for pedido, esteja em condições de fazer um relato de minha mordomia”.1 Ele escreveu um diário nos 63 anos que se seguiram, e a última vez que escreveu foi em 31 de agosto de 1898, dois dias antes de sua morte. Seus escritos constituem um registro verdadeiro e fiel de sua vida pessoal e mostram seu amor por sua família, seu interesse pelo que o rodeava, sua diligência ao cumprir seus deveres cotidianos, sua fé em meio a provações e seu testemunho e compreensão do evangelho. Indiretamente, as páginas de seu diário também nos dão acesso à vida de outros membros da Igreja daquela época.

    Além de escrever sobre sua vida pessoal e seu ministério, Wilford Woodruff manteve um registro cuidadoso da história da Igreja. Ele explicou: “Fui inspirado e impelido a manter um diário e escrever sobre assuntos relacionados à Igreja tanto quanto possível. No início, não compreendi o motivo desses sussurros do Espírito, mas entendo agora. Quase sempre que eu ouvia o irmão Joseph ou os Doze pregarem ou ensinarem qualquer princípio, não me sentia à vontade até o escrever. Então, tudo começava a fazer sentido. Eu era capaz de transcrever quase palavra por palavra um discurso de Joseph uma semana depois de proferido. Mas uma vez escrito, tudo era retirado de minha mente. Era um dom de Deus para mim”.2

    Como parte de seu empenho para registrar a história da Igreja, o Presidente Woodruff anotou detalhes importantes de reuniões que freqüentou. Numa reunião, ensinou um princípio que pode aplicar-se tanto aos diários quanto a registros oficiais da Igreja: “Ao atravessarmos a pé um rio de forte correnteza, é impossível tocar duas vezes a mesma água. Da mesma forma, não podemos viver duas vezes o mesmo momento. Quando sairmos por esta porta, o trabalho relativo a esta reunião terá se encerrado para sempre. Jamais passaremos o tempo desta noite novamente. Então, será que não devemos manter registros de nosso trabalho, ensinamentos e dos conselhos que damos nesta reunião? Certamente devemos”.3

    Por meio de seus diários, o Presidente Woodruff deixou uma dádiva durável a seus descendentes e a todos os membros da Igreja. O biógrafo Matthias F. Cowley observou: “A vida de Wilford Woodruff foi repleta de prodígios. Foi uma vida simples na qual ele revelava livremente os sentimentos de seu coração e seus propósitos. Sua franqueza, seu cuidado com os detalhes e sua busca consciente da verdade fizeram dele talvez o melhor cronista de toda a história da Igreja”.4 O élder B. H. Roberts, membro do Primeiro Conselho dos Setenta e conhecido historiador da Igreja, escreveu: “O Presidente Woodruff prestou um serviço de suma importância à Igreja. Seus diários, que ele mantinha de modo regular, metódico e asseado e numa encadernação resistente (…) constituem um original tesouro histórico e documentário de valor inigualável. A Igreja deve a esses diários um registro fidedigno de discursos e pronunciamentos do Profeta da nova dispensação — Joseph Smith — que sem ele, teriam sido perdidos para sempre. O mesmo se deu com os sermões e palavras de Brigham Young e de outros líderes da Igreja e com as atas de importantes reuniões de conselho, decisões, julgamentos, instruções normativas e muitos atos oficiais de natureza particular, sem os quais os historiadores não contariam com informações corretas sobre inúmeros eventos. Por causa de tudo isso, os diários do Presidente Woodruff são de valor inestimável”.5

    Wilford Woodruff's journal

    Nesta página de seu diário, Wilford Woodruff registrou seus sentimentos sobre seu casamento com Phoebe Whittemore Carter.

    Em sua maior parte, as citações deste capítulo foram extraídas dos registros feitos pelo Presidente Woodruff dos sermões que proferiu em reuniões do sacerdócio. Embora ele se dirija aos élderes nessas declarações, seus ensinamentos são valiosos para todos os membros da Igreja.

    Ensinamentos de Wilford Woodruff

    Quando registramos a história de nossa vida, nós mesmos nos beneficiamos, bem como nossa posteridade e a Igreja.

    Os registros e a história desta Igreja e reino serão muito procurados no futuro. Nenhuma dispensação na Terra teve registros de maior interesse do que a atual. (…)

    é verdade que Joseph Smith mantinha registros de sua própria vida e das coisas de alguma forma relacionadas a ele. Ele já faleceu, mas sua vida e seu testemunho agora estão sendo levados ao mundo. (…) O Presidente Young também [tinha] escreventes que [registravam] seus atos cotidianos e de sua vida em geral, o que é correto e bom. Mas será que isso inclui a história de vida e as relações de Deus com os muitos milhares de apóstolos e élderes que estão ou estarão em todo o mundo, em todas as nações existentes sob o céu? Não, certamente não. Assim, élderes de Israel, todos vocês devem escrever sua história e as interações de Deus com vocês em todo o mundo para seu próprio benefício e o de sua posteridade, para o benefício da casa de Israel, dos judeus e gentios e das gerações futuras.6

    Alguns talvez não considerem relevante manter um registro de nosso trabalho ou do trabalho de Deus, mas a meu ver é importante. Do contrário, os profetas não teriam sido inspirados a exortar-nos a sermos fiéis nesse aspecto. O Senhor disse-nos que o que selarmos na Terra será selado no céu e o que registrarmos na Terra será registrado no céu, e o que não for selado ou registrado na Terra não será selado nem registrado no céu. [Ver D&C 128:7–8.] Portanto, parece importante mantermos um registro verdadeiro e fiel de todas as coisas.7

    Alguns podem achar que [manter um diário] envolve muito trabalho. Mas é um esforço que vale a pena, pois traz inúmeros benefícios. Considero os momentos de minha vida que passei escrevendo meu diário e registrando eventos históricos um tempo despendido de modo extremamente proveitoso.8

    Se não houvesse nenhum outro motivo para escrever no diário [a não ser] o privilégio de relê-lo no futuro e permitir que nossos filhos o leiam, apenas isso já compensaria o esforço.9

    Devemos registrar as bênçãos de Deus para nós e nossos atos oficiais na Igreja.

    Todos devem redigir um breve histórico de sua vida, citando seus pais, sua data e local de nascimento, sua religião, a data de batismo e quem realizou a ordenança, a data da ordenação aos diferentes ofícios e quem a fez. Devem incluir também um breve sumário de todas as suas missões e todos os seus atos oficiais e as interações de Deus com eles. Assim, caso morram e os historiadores queiram publicar sua biografia, haverá um ponto de partida. Muitos acham esse assunto maçante e sem importância, mas esta não é minha opinião.10

    Aconselho-os a registrarem todas as suas bênçãos e a preservarem-nas. (…) Exorto-os a fazerem um registro de todos os atos oficiais de sua vida. Se vocês batizarem, confirmarem, ordenarem ou abençoarem qualquer pessoa ou ministrarem aos enfermos, façam um registro disso. (…) Se o poder e as bênçãos de Deus se manifestarem quando vocês forem protegidos de perigos, (…) registrem tais acontecimentos. Façam um relato das interações de Deus com vocês diariamente. Registrei por escrito todas as bênçãos que recebi e não as venderia nem por ouro.11

    Acaso não devemos respeitar Deus o bastante para fazermos um registro das bênçãos que Ele derrama sobre nós e dos atos oficiais que realizamos em Seu nome na face da Terra? Creio que sim.12

    A Presidência da Igreja que nos guia hoje (…) mantém um registro dos atos tanto de Deus quanto dos homens para com ela, (…) atos de interesse para milhões de pessoas nas gerações futuras. Mas será que por isso estão dispensados de escrever os muitos milhares de élderes e sumos sacerdotes e apóstolos que viajaram por tantos anos e edificaram esta Igreja e reino e possuíam os dons do Espírito Santo e assim tinham poder para curar os enfermos, expulsar demônios, abrir os olhos dos cegos, devolver a audição aos surdos, fazer os coxos andarem (…), subjugar espíritos maus e fazer os anjos preservarem-nos dos perigos e da morte? Pergunto: os élderes abençoados com essas coisas deveriam julgar desnecessário registrá-las? Será que não devem deixar por escrito um relato para seus filhos e as gerações futuras? Digo que devem fazê-lo. Acho que o Senhor exige isso de nós, e trata-se de um legado rico e sagrado que nossa posteridade merece.13

    Devemos fazer um registro dos eventos à medida que acontecerem.

    Somos o povo ordenado por Deus para estabelecer Seu reino na Terra, construir Sião e preparar o caminho para a vinda de Jesus Cristo. Então, será que não devemos manter um diário, um registro e um histórico das interações de Deus conosco à medida que se desenrolarem dia após dia diante de nossos olhos? Certamente. (…)

    (…) Em vez de negligenciar esta parte de nosso trabalho, todos que puderem devem manter um diário e registrar os acontecimentos à medida que se descortinarem perante nós no cotidiano. Isso será um legado valioso para nossos filhos e de grande benefício para as gerações futuras, pois lhes transmitiremos um histórico verdadeiro da ascenção e progresso da Igreja e reino de Deus na Terra nesta última dispensação, em vez de deixarmos o terreno aberto para que nossos inimigos redijam uma história falsa da verdadeira Igreja de Cristo.14

    Não somos capazes de avaliar a importância dos acontecimentos à medida que nos sobrevêm, mas sentiremos sua relevância posteriormente. Estamos numa das gerações mais importantes que o homem já viveu na Terra e devemos redigir um relato dessas importantes transações que estão desenrolando-se diante de nós em cumprimento das profecias e revelações de Deus. Há um enorme fluxo de revelações cumprindo-se em nossos dias e, à medida que se descortinam perante nossos olhos, desejamos um registro delas.15

    As crianças devem começar cedo a escrever um diário.

    Desejo dizer a meus jovens amigos que será uma grande bênção para eles e seus filhos se mantiverem um registro diário do que acontecer com eles e a seu redor. Que todos os meninos e meninas ganhem um caderno e escrevam um pouco quase todos os dias.

    Vocês podem indagar: “O que escreverei?” Redijam sobre algo que mereça ser preservado, o que houver de melhor; e se começarem isso enquanto ainda jovens, será bastante fácil quando chegarem à idade adulta. Como será agradável para vocês e seus filhos daqui a trinta, cinqüenta ou oitenta anos sentarem-se e lerem o que aconteceu em sua infância e juventude! Vocês não gostariam de ler o que aconteceu com seu pai, sua mãe e seus avós quando eram jovens e ao longo de sua vida? Contudo, o objetivo não é nem tanto os incentivar a escrever no diário enquanto são jovens, mas sobretudo exortá-los a continuar a fazê-lo depois de tornarem-se homens e mulheres, no decorrer de toda a vida. Isto se faz necessário principalmente na geração em que vocês vivem, pois é a mais crucial que os filhos dos homens já conheceram, e é muito mais importante do que nas demais gerações que vocês comecem cedo a manter um diário e a conservar essa prática ao longo da vida.

    Vocês são os filhos de Sião e seus pais foram chamados por Deus para edificar a Igreja de Cristo e o reino de Deus na Terra nos últimos dias. Logo seus pais estarão mortos e vocês assumirão o lugar deles; serão pais e mães. Vocês, que hoje são meninos, (…) se tornarão profetas, apóstolos e élderes e viverão o bastante para viajar, pregar o evangelho e receber a palavra do Senhor. Então, será necessário manter um diário e fazer um relato escrito dos atos do Senhor para com vocês. (…)

    (…) é um grande prazer para mim e minha família sentar-nos e ler o relato de nossas viagens, por onde passamos e o que fizemos, os atos de Deus para conosco e os bons momentos que vivemos ao lado de nossos amigos. Posso ler em meus diários os bons ensinamentos que ouvi há muitos anos dos Presidentes Joseph Smith, Brigham Young, Heber C. Kimball, os Doze Apóstolos e muitos outros bons élderes e sobre as horas agradáveis que desfrutamos em sua companhia. Se meus amigos jovens começarem a fazer isso e persistirem, futuramente será para eles algo de maior valor do que o ouro.16

    Sugestões para Estudo e Ensino

    Reflita sobre estas idéias ao estudar o capítulo ou preparar-se para ensinar. Há recursos adicionais nas páginas v–ix.

    • Por que os diários do Presidente Woodruff são importantes para a Igreja? (Ver as páginas 127, 129.) O que o Presidente Woodruff diria às pessoas que acham que seus diários jamais farão diferença para outras pessoas?

    • Quais são alguns acontecimentos que marcaram a Igreja no período de sua vida? Como o registro que você fizer desses eventos pode vir a ajudar seus filhos e netos?

    • Estude o primeiro parágrafo da página 129. De que forma as palavras do Presidente Woodruff neste parágrafo se aplicam ao fato de termos um diário? Reflita sobre o impacto de eventos importantes que estejam perdendo-se para as gerações presentes e futuras.

    • Examine o capítulo em busca de diferentes tipos de informações que devemos inserir em nosso diário. De que forma esses registros nos beneficiam pessoalmente? Como beneficiam nossa família?

    • O que você gostaria de saber sobre a vida de seus antepassados? Como isso o orienta quanto ao que escrever em seu diário?

    • Por que é importante escrever sobre os acontecimentos logo depois que eles ocorrerem? (Ver a página 132.) O que podemos fazer para conseguir tempo para escrever um diário?

    • Consulte as páginas 132–134 e examine os conselhos do Presidente Woodruff para as crianças e jovens. Como os pais e avós podem transmitir essas idéias a seus filhos e netos? Como você pode usar essas idéias numa noite familiar ou conselho de família?

    Escrituras Relacionadas: 1 Néfi 1:1; Ômni 1:17; Mosias 1:1–6; Alma 37:1–9; Moisés 6:5–6

    Notas

    1. Diário de Wilford Woodruff, sem data, Arquivos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

    2. Diário de Wilford Woodruff, 17 de março de 1857.

    3. Diário de Wilford Woodruff, 17 de março de 1857.

    4. Wilford Woodruff: History of His Life and Labors As Recorded in His Daily Journals (1964), v.

    5. A Comprehensive History of the Church, volume 6, pp. 354–355.

    6. Diário de Wilford Woodruff, 5 de fevereiro de 1853.

    7. Diário de Wilford Woodruff, 17 de março de 1857.

    8. Diário de Wilford Woodruff, 12 de fevereiro de 1862.

    9. Diário de Wilford Woodruff, 6 de setembro de 1856.

    10. Diário de Wilford Woodruff, 17 de março de 1857.

    11. Diário de Wilford Woodruff, 6 de setembro de 1856.

    12. Diário de Wilford Woodruff, 12 de fevereiro de 1862.

    13. Diário de Wilford Woodruff, 18 de novembro de 1855.

    14. Diário de Wilford Woodruff, 12 de fevereiro de 1862.

    15. Diário de Wilford Woodruff, 6 de setembro de 1856.

    16. “Keep a Journal”, Juvenile Instructor, 1o de janeiro de 1867, pp. 5–6.