A Igreja Hoje
anterior seguinte


Capítulo onze

A Igreja Hoje

Presidente Ezra Taft Benson

Ezra Taft Benson tornou-se Presidente da Igreja após a morte de Spencer W. Kimball. No início de sua administração, ressaltou a grande importância de estudarmos o Livro de Mórmon. Testificou que “o Livro de Mórmon leva os homens a Cristo” e reafirmou a declaração de Joseph Smith de que esse livro constitui a “pedra fundamental de nossa religião e que, seguindo seus preceitos, o homem se aproximaria mais de Deus do que seguindo os de qualquer outro livro”.1

Na conferência de abril de 1986, o Presidente Benson declarou: “O Senhor inspirou Seu servo Lorenzo Snow a dar nova ênfase ao princípio do dízimo, a fim de resgatar a Igreja da insolvência financeira. ( … ) Agora, em nossos dias, o Senhor revelou a necessidade de dar nova ênfase ao Livro de Mórmon. ( … ) E vos prometo que, a partir deste momento, se nos banquetearmos diariamente em suas páginas e agirmos segundo seus preceitos, Deus derramará sobre todo filho de Sião e a Igreja uma bênção tal que ainda não se viu”. ( … ) 2 Milhões de pessoas em todo o mundo aceitaram o desafio e receberam a bênção prometida.

Outro tema relevante foi a importância de evitar-se o orgulho. Na conferência geral de abril de 1989, ele pediu aos membros da Igreja que “[limpassem] o vaso interior, vencendo o orgulho”, o que disse ter sido a causa da destruição da nação nefita. Aconselhou também que “o antídoto para o orgulho é a humildade – a mansidão, a submissão”.3

Enquanto servia como membro do Quórum dos Doze, Ezra Taft Benson teve uma oportunidade incomum de ser um exemplo de vida cristã. Em 1952, com o incentivo do Presidente David O. Mckay, aceitou o cargo de Secretário da Agricultura no governo de Dwight D. Eisenhower, presidente dos Estados Unidos. Essa foi a única vez na história da Igreja em que um membro do Quórum dos Doze trabalhou no gabinete do presidente dos Estados Unidos. Durante seus oito anos de serviço, ganhou amplo respeito no país e no exterior por sua integridade e habilidade em conduzir e pôr em prática os planos da área de agricultura do governo dos Estados Unidos. Teve contato também com líderes de outras nações e abriu portas para representantes da Igreja no mundo inteiro.

Sob a liderança do Presidente Benson, a Igreja fez progressos importantes no mundo todo. Em 28 de agosto de 1987, dedicou o Templo de Frankfurt Alemanha, na República Federal Alemã, um privilégio significativo para ele, que morara em Frankfurt, sede da Missão Européia, quando servira como Presidente dessa Missão, de 1964 a 1965.

O Templo de Freiberg Alemanha, na República Democrática Alemã, foi dedicado em 29 de junho de 1985. Essa dedicação ocorreu após uma série de milagres que tornaram possível sua construção. Na primeira visita que fez à República Democrática Alemã em 1968, o Élder Thomas S. Monson, do Quórum dos Doze, prometeu aos santos: “Se permanecerdes fiéis aos mandamentos de Deus, tereis as mesmas bênçãos de todo membro da Igreja em qualquer outro país”. Em 1975, quando em visita ao país para cumprir uma designação, o Élder Monson foi inspirado a dedicar a terra ao Senhor, dizendo: “Pai, permite que este momento seja o início de um novo dia para os membros de Tua Igreja neste país”. Ele pediu que o desejo dos santos de “obter as bênçãos do templo” fosse atendido. Sua promessa inspirada e a profética oração dedicatória tornaram-se realidade.4

No último dia de março de 1989, os missionários da Igreja tiveram permissão para entrar na República Democrática Alemã. Em 9 de novembro do mesmo ano, a fé e as orações dos santos foram respondidas quando começaram a cair as barreiras entre a Alemanha Oriental e a Ocidental, levando a um aumento de batismos de conversos e à construção de edifícios da Igreja. Um converso teve contato com a Igreja pela primeira vez ao visitar uma capela recém-construída em Dresden, Alemanha, em 1º de maio de 1990. Menos de uma semana depois, foi batizado após receber as palestras missionárias, ler o Livro de Mórmon inteiro duas vezes e adquirir um forte testemunho da veracidade do evangelho.5

Em 24 de junho de 1991, num banquete realizado após um concerto do Coro do Tabernáculo Mórmon em Moscou, o vice-presidente da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas anunciou que a Igreja havia sido oficializada no país. Isso permitiu que a Igreja tivesse congregações em toda essa grande república. Durante a década de 90, várias ex-repúblicas soviéticas e países da Europa Oriental e Central foram dedicados para a pregação do evangelho, incluindo a Albânia, Armênia, Belarus, Bulgária, Estônia, Hungria, Letônia, Lituânia, Romênia, Rússia e Ucrânia. A Igreja está alugando e construindo edifícios em cada um desses países, e muitas pessoas estão ganhando testemunho da veracidade do evangelho. Na dedicação da primeira capela da Polônia desde a Segunda Guerra Mundial, o Élder Russell M. Nelson, do Quórum dos Doze, orou para que a capela servisse como “refúgio de paz para almas atribuladas e abrigo de esperança para aqueles que têm fome e sede de retidão”.6 Essa bênção está sendo cumprida na vida dos santos de muitos países, os quais encontraram a paz e a alegria do evangelho.

Como resultado do enorme crescimento do número de membros da Igreja e da ênfase dada ao trabalho missionário pelo Presidente Benson, ao término de sua administração havia 48.000 missionários servindo em 295 missões da Igreja.

Também durante sua administração, o programa de bem-estar da Igreja começou a oferecer assistência humanitária cada vez maior a membros de outras denominações religiosas em todo o mundo. Essa ajuda visa aliviar sofrimentos e promover autoconfiança a longo prazo. Grandes quantidades de alimentos, roupas, suprimentos médicos, cobertores, dinheiro e outros artigos são distribuídos aos necessitados, e projetos de longo prazo fornecem assistência médica, alfabetização e outros serviços. Esse serviço de solidariedade está atingindo milhares de pessoas hoje em muitas partes do mundo.

Afligido pelas enfermidades da idade avançada e pela morte da amada esposa, Flora, o Presidente Benson faleceu em 30 de maio de 1994, aos 94 anos, tendo cumprido corajosamente sua missão como profeta do Senhor. Seu sucessor foi Howard W. Hunter, que servia, então, como Presidente do Quórum dos Doze Apóstolos.

Presidente Howard W. Hunter

Em sua primeira entrevista à imprensa em junho de 1994, o Presidente Howard W. Hunter definiu alguns temas importantes de sua administração, dizendo: “Convido os membros da Igreja a seguirem com mais atenção o exemplo da vida de Jesus Cristo, especialmente no que tange ao amor, à esperança e compaixão que Ele demonstrou.

Oro para que nos tratemos uns aos outros com mais bondade, paciência, cortesia e perdão”.

Pediu também aos membros da Igreja: “Façam do templo do Senhor o grande símbolo de sua vida e o local supremo de seus mais sagrados convênios. O meu mais profundo desejo é que todos os membros da Igreja se tornem dignos de entrar no templo”.7 Milhares de membros assimilaram essa mensagem e foram abençoados com uma espiritualidade mais profunda.

O Presidente Hunter tinha uma mente muito aguçada e foi de grande valor para a Igreja. No final da década de 70, recebeu uma designação que exigiu toda a sua capacidade. Desempenhou importante papel nas negociações para a compra do terreno do edifício mais importante da Igreja na Terra Santa, bem como na supervisão de sua construção – o Centro para Estudos do Oriente Próximo em Jerusalém, da Universidade Brigham Young. Esse centro situa-se no monte Scopus, uma extensão do monte das Oliveiras. Ele abriga as moradias dos estudantes e as atividades de pesquisas a respeito dessa terra escolhida, de seu povo (judeus e árabes) e dos lugares por onde Jesus e os profetas antigos andaram. Esse centro tem sido uma bênção para aqueles que lá estudam, e sua beleza tem inspirado muitos que o visitam.

O Presidente Hunter desempenhou também um papel importante no desenvolvimento do Centro Cultural Polinésio, localizado junto à Universidade Brigham Young – Havaí em Laie, Havaí. Foi o primeiro diretor desse centro de atrações, de 42 acres, pertencente à Igreja e dirigido por ela, cujo propósito é preservar a cultura polinésia e fornecer emprego a estudantes. Construído em 1963, é uma grande atração que recebe quase um milhão de visitantes por ano. No centro pode-se apreciar a música, a dança, a arte e o artesanato das ilhas polinésias.

Antes de se tornar Presidente da Igreja, o Élder Hunter serviu durante oito anos como presidente da Sociedade Genealógica de Utah, a precursora do atual Departamento de História da Família. Durante esse período, a sociedade patrocinou, em 1969, a primeira Conferência Mundial sobre Registros que, disse ele, “foi muito benéfica para a Igreja e abriu portas para nosso trabalho em todo o mundo”.8 O Presidente Hunter desenvolveu um grande amor por todas as pessoas, vivas e mortas, e freqüentemente ensinava que éramos todos parte de uma grande família. Ficou conhecido por seu amor cristão.

Durante sua vida, o Presidente Hunter enfrentou muitas adversidades. Com força e fé, lutou contra sérios e dolorosos problemas de saúde, a longa doença da primeira esposa, a morte dela e outras dificuldades. Apesar desses obstáculos, serviu ativamente ao Senhor, viajando muito e trabalhando arduamente na administração dos negócios da Igreja. Seu exemplo estava em harmonia com sua mensagem: “Se tiverdes problemas em casa com filhos rebeldes, se sofrerdes reveses financeiros e tensão emocional que ameacem vosso lar e vossa felicidade, se tiverdes que encarar a perda de uma vida ou da saúde, que paz seja com vossa alma. Não seremos tentados acima da nossa capacidade de resistir. Nossas digressões e desapontamentos são o caminho estreito e apertado que conduz ao Senhor”.9

Em 11 de novembro de 1994, o Presidente Hunter presidiu, na Cidade do México, a criação da estaca de número 2.000, um importante marco na história da Igreja. Aos que estavam presentes na ocasião, disse: “O Senhor, por intermédio de Seus servos, realizou este milagre. Esta obra continuará a aumentar sua força e vitalidade. As promessas feitas ao pai Leí e a seus filhos, a respeito de sua posteridade, estão sendo e continuarão a ser cumpridas no México”.10 Durante o tempo em que o Presidente Hunter serviu como Autoridade Geral, a Igreja na América Latina cresceu imensamente. Na época em que se tornou Presidente da Igreja, havia mais de um milhão e meio de santos apenas no México, Brasil e Chile, um número maior de membros do que o existente em Utah na época.

Embora o Presidente Hunter tenha servido como Presidente da Igreja durante apenas nove meses, exerceu uma grande influência sobre os santos, que se lembram dele por sua compaixão, longanimidade e profundo exemplo de vida cristã.

Presidente Gordon B. Hinckley

Quando Gordon B. Hinckley tornou-se Presidente da Igreja, após o falecimento do Presidente Hunter, perguntaram-lhe qual seria o objetivo principal de sua Presidência. Ele respondeu: “Avançar. Sim, nosso tema será continuar a grande obra realizada por nossos antecessores que serviram tão bem, tão admiravelmente e com tanta fé. Sim, edificar valores familiares. Sim, incrementar a educação. Sim, desenvolver a tolerância e a paciência entre o povo em todos os lugares. E proclamar o evangelho de Jesus Cristo”.11

A grande experiência do Presidente Hinckley na liderança da Igreja preparou-o bem para a Presidência. Foi apoiado para o Quórum dos Doze Apóstolos em 1961. A partir de 1981, serviu como Conselheiro na Primeira Presidência com três Presidentes da Igreja –Spencer W. Kimball, Ezra Taft Benson e Howard W. Hunter. Durante alguns desses anos, suas responsabilidades foram extremamente grandes, quando esses Presidentes da Igreja enfrentavam as doenças típicas da idade avançada.

Quando o jovem Gordon B. Hinckley estava em missão na Inglaterra, recebeu um conselho que lhe serviu muito bem durante os anos em que enfrentou enormes responsabilidades. Um tanto desanimado, escreveu uma carta ao pai, dizendo: “Estou desperdiçando meu tempo e seu dinheiro. Não vejo razão para estar aqui”. Depois de algum tempo, recebeu uma pequena carta do pai, que dizia: “Querido Gordon. Recebi sua carta. ( … ) Tenho somente uma sugestão. Esqueça de você mesmo e trabalhe. Com amor, seu pai”.

O Presidente Hinckley comentou a respeito desse momento: “Ponderei sobre sua resposta e, no estudo das escrituras da manhã seguinte, lemos a importante declaração do Senhor: ‘Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará’. (Marcos 8:35) Aquilo me tocou. Essa declaração, essa promessa, juntamente com a carta de meu pai, levou-me a ( … ) ajoelhar e fazer um convênio com o Senhor de que tentaria esquecer de mim mesmo e trabalhar. Considero aquele como sendo o dia decisivo de minha vida. Tudo de bom que me aconteceu desde aquele dia remonta à decisão tomada naquela época”.12

O Presidente Hinckley é bem conhecido por seu irreprimível otimismo, sempre abundante de fé em Deus e no futuro. “‘Tudo estará bem. Continue tentando. Acredite. Seja feliz. Não desanime. Tudo sairá bem.’”13

Quando um repórter lhe pediu que identificasse o maior desafio enfrentado pela Igreja, ele respondeu: “O desafio mais sério que enfrentamos e o mais maravilhoso deles é o desafio do crescimento”. Explicou que o crescimento cada vez maior exige mais edifícios, inclusive mais templos: “Esta é a época mais importante na história da Igreja para a construção de templos. Nunca a construção de templos avançou no ritmo em que hoje avança. Temos 47 templos em funcionamento e 13 outros em construção. Continuaremos a construir templos”.14 O crescimento contínuo da Igreja tornou necessária também a tradução do Livro de Mórmon para muitas línguas.

O Presidente Hinckley teve experiências próprias em relação ao grande crescimento da Igreja. Enquanto assistia à uma conferência de estaca em Osaka, Japão, em 1967, olhou a audiência repleta de jovens e disse: “Vejo em vocês o futuro da Igreja no Japão. E vejo um grande futuro. Nós mal começamos, mas sinto que devo dizer o que venho sentindo há muito tempo: que chegará o dia, e não está distante, em que haverá estacas de Sião neste grande país”.15 No espaço de uma geração, havia 100.000 santos dos últimos dias no Japão, muitas estacas, missões, distritos e um templo.

O Presidente Hinckley interessa-se muito pelo crescimento da Igreja nas Filipinas, onde a primeira estaca foi organizada em Manila em 1973. Duas décadas mais tarde, na época em que se tornou Presidente da Igreja, mais de 300.000 filipinos estavam recebendo as bênçãos do evangelho, inclusive um templo em seu país. O Presidente Hinckley também demonstrou grande preocupação pelo crescimento da Igreja em outras partes da Ásia, incluindo a Coréia, China e sudeste da Ásia.

A espiritualidade de muitos membros na Ásia evidencia-se pela experiência de uma Autoridade Geral, designada para chamar um novo presidente para uma estaca das Filipinas. Após entrevistar vários portadores do sacerdócio, sentiu que deveria chamar para o cargo um homem de mais ou menos vinte e cinco anos. Pediu que o jovem fosse para uma sala adjacente e ficasse algum tempo escolhendo seus conselheiros. O rapaz voltou cerca de 30 segundos depois. A Autoridade Geral pensou que ele não tivesse entendido bem, mas o novo presidente de estaca disse: “Não. Eu soube pelo Espírito do Senhor, um mês atrás, que seria o presidente da estaca. Já escolhi meus conselheiros”.

Não é de admirar que o Presidente Hinckley, que ajudou tanto no estabelecimento da Igreja no mundo, anunciasse durante sua administração: “Nossos especialistas em estatística dizem que, se a tendência atual continuar, no mês de fevereiro de 1996, daqui a poucos meses, haverá mais membros da Igreja fora dos Estados Unidos do que nos Estados Unidos. Cruzar essa linha é algo que tem um significado maravilhoso. Isso representa o fruto de um enorme esforço”.16

Uma das coisas que o Presidente Hinckley mais ressalta em sua administração é a importância de uma vida familiar saudável, especialmente num mundo que muitas vezes não apóia valores familiares. Sob sua orientação, a Primeira Presidência e o Conselho dos Doze expediram uma proclamação especial ao mundo sobre a família, que declara, em parte, o seguinte:

“A família foi ordenada por Deus. O casamento entre o homem e a mulher é essencial para Seu plano eterno. Os filhos têm o direito de nascer dentro dos laços do matrimônio e de ser criados por pai e mãe que honrem os votos matrimoniais com total fidelidade. A felicidade na vida familiar é mais provável de ser alcançada quando fundamentada nos ensinamentos do Senhor Jesus Cristo.( … )

Advertimos que as pessoas que violam os convênios de castidade, que maltratam o cônjuge ou os filhos, ou que deixam de cumprir suas responsabilidades familiares, deverão um dia responder perante Deus pelo cumprimento dessas obrigações. Advertimos também que a desintegração da família fará recair sobre pessoas, comunidades e nações as calamidades preditas pelos profetas antigos e modernos.”17

Durante a conferência geral de abril de 1995, o Presidente Hinckley anunciou que, em 15 de agosto de 1995, os representantes regionais da Igreja, que haviam servido tão bem, seriam desobrigados, criando-se uma nova posição: a de Autoridade de Área. As Autoridades de Área presidem conferências de estaca, reorganizam ou criam estacas, fornecem treinamento para presidentes de estaca, missão e distrito e cumprem outras designações dadas pela Primeira Presidência e pelas respectivas Presidências de Área. Essa nova posição permite que os líderes da Igreja morem e trabalhem mais perto das pessoas que servem e facilita o crescimento cada vez maior da Igreja no mundo todo.

Uma Autoridade Geral explicou qual a melhor forma de um membro apoiar o Presidente Hinckley: “( … ) Ao assumir o santo ofício para o qual foi chamado – profeta, vidente, revelador, Presidente do Sumo Sacerdócio e Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ( … ) a melhor coisa que podemos fazer para apoiá-lo em seu chamado é prosseguir, prosseguir, prosseguir!”18

Notas

  1. Ezra Taft Benson, “O Livro de Mórmon e Doutrina e Convênios”, A Liahona, jul. 1987, p. 84; ver também History of the Church, 4:461.

  2. Ezra Taft Benson, “Uma Sagrada Responsabilidade’, A Liahona, jul. 1986, p. 80.

  3. Ezra Taft Benson, “Acautelai-vos do Orgulho”, A Liahona, jul. 1989, p. 5.

  4. Thomas S. Monson, “Graças a Deus”, A Liahona, jul. 1989, p. 59.

  5. Garold e Norma Davis, “The Wall Comes Down”, Ensign, jun. 1991, p. 33.

  6. Church News, 29 jun. 1991, p. 12.

  7. Howard W. Hunter, Church News, 11 jun. 1994, p. 14; ou Presidente Howard W. Hunter, “O Caminho da Águia”, A Liahona, set. 1994, p. 4.

  8. Eleonor Knowles, Howard W. Hunter (1994), p. 193.

  9. Howard W. Hunter, Conference Report, out. 1987, p. 71; ou Ensign, nov. 1987, p. 60. (Ver A Liahona, jan. 1988, pp. 57-59.)

  10. Church News, 17 dez. 1994, p. 3.

  11. Church News, 18 mar. 1995, p. 10; ou Jeffrey R. Holland, “Presidente Gordon B. Hinckley – Mostrando Real Valor”, A Liahona, jun.1995, Edição Especial, p. 2.

  12. Gordon B. Hinckley: Man of Integrity, 15th President of the Church, videocassete (1994); ou Jeffrey R. Holland, “Presidente Gordon B. Hinckley – Mostrando Real Valor” A Liahona, jun. 1995, Edição Especial, p. 14.

  13. Jeffrey R. Holland, “Presidente Gordon B. Hinckley – Mostrando Real Valor” A Liahona, jun. 1995, Edição Especial, p. 22.

  14. Church News, 18 mar. 1995, p. 10.

  15. Gordon B. Hinckley, “Addresses”, AV 1801; LDS Church Archives.

  16. Presidente Gordon B. Hinckley, “Mantenham o Curso – Guardem a Fé”, A Liahona, jan. 1996, p. 77.

  17. A Primeira Presidência e o Conselho dos Doze Apóstolos, “A Família: Proclamação ao Mundo”, A Liahona, jan. 1996, p. 114.

  18. Jeffrey R. Holland, “Presidente Gordon B. Hinckley – Mostrando Real Valor” A Liahona, jun. 1995, Edição Especial, p. 23.