Manuais e chamados
5. O trabalho de salvação na ala e na estaca
seguinte

“5. O trabalho de salvação na ala e na estaca”, Manual 2, 2019

“5. O trabalho de salvação na ala e na estaca”, Manual 2

5.

O trabalho de salvação na ala e na estaca

Os membros da Igreja de Jesus Cristo foram enviados “a fim de trabalharem em sua vinha para a salvação da alma dos homens” (Doutrina e Convênios 138:56). Esse trabalho de salvação inclui o trabalho missionário dos membros, a retenção de conversos, a ativação de membros menos ativos, o trabalho de templo e história da família e o ensino do evangelho. O bispado dirige esse trabalho na ala, auxiliado por outros membros do conselho da ala.

Embora nessas áreas a maior responsabilidade esteja sobre o bispo, ele pode delegar da seguinte maneira:

  • O líder da missão da ala, se chamado, coordena o trabalho missionário dos membros (ver item 5.1.1).

  • Se não há um líder da missão da ala, um membro da presidência do quórum de élderes assume a função.

  • O líder de templo e história da família da ala, se chamado, coordena o trabalho de templo e história da família (ver item 5.4.1).

  • Se não foi chamado um líder de templo e história da família da ala, um membro da presidência do quórum de élderes assume a função.

  • Um membro da presidência da Sociedade de Socorro pode ajudar com o trabalho missionário dos membros. Outro membro da presidência pode ajudar com o trabalho de templo e história da família.

  • O presidente da Escola Dominical pode ajudar outros líderes da ala a melhorar o ensino e o aprendizado do evangelho.

O bispo pode designar um de seus conselheiros para coordenar a retenção de conversos e o outro para coordenar o trabalho de ativação ou, ainda, designar essas responsabilidades para a presidência do quórum de élderes e a presidência da Sociedade de Socorro. Todo líder do sacerdócio ou de auxiliar ajuda a levar adiante o trabalho de salvação em sua respectiva organização.

5.1

Trabalho missionário dos membros

5.1.1

Bispo e seus conselheiros

O bispo possui as chaves do trabalho de salvação na ala. Com seus conselheiros, ele supervisiona o trabalho missionário dos membros da ala. Contudo, ele pode designar o presidente do quórum de élderes para fazer esse trabalho sob sua supervisão. Geralmente, o presidente do quórum de élderes delega essa responsabilidade a um de seus conselheiros.

O conselheiro do quórum de élderes responsável pelo trabalho missionário dos membros pode desempenhar o papel de líder da missão da ala ou supervisionar um líder da missão da ala. Por inspiração, o bispo decide se deve chamar um líder da missão da ala ou um membro da presidência do quórum de élderes para assumir essa função.

A presidência da Sociedade de Socorro pode seguir o padrão do quórum de élderes, tendo um membro da presidência designado para auxiliar no trabalho missionário dos membros.

O bispo dirige o conselho da ala na preparação e no cumprimento do plano de missão da ala conforme descrito no item 5.1.8.

O bispo e seus conselheiros podem chamar e designar por imposição de mãos outros membros para servir como missionários de ala.

O bispo e seus conselheiros dão prioridade ao trabalho missionário dos membros. Ensinam as doutrinas do trabalho missionário regularmente. Incentivam os membros da ala a trabalharem com os missionários de tempo integral para encontrar, ensinar e batizar pesquisadores. Eles dão o exemplo, procurando e preparando pessoas e famílias para serem ensinadas pelos missionários.

O bispo e seus conselheiros ajudam os potenciais missionários de tempo integral, inclusive as mulheres e os casais, a se prepararem para servir como missionários.

5.1.2

Conselho da ala

O trabalho missionário dos membros é mais eficaz quando os membros do conselho da ala estão plenamente engajados na obra missionária. Nos quóruns e nas auxiliares, eles incentivam os membros a participar do trabalho missionário da seguinte maneira:

  1. Encontrando e preparando pessoas para serem ensinadas.

  2. Auxiliando os missionários quando eles ensinarem (na casa dos membros se possível).

  3. Integrando os pesquisadores.

  4. Preparando-se e preparando os filhos para servir como missionários de tempo integral.

Na reunião do conselho da ala, os membros do conselho desenvolvem e analisam o plano de missão da ala (ver item 5.1.8). Analisam os candidatos ao batismo, outros pesquisadores e outros assuntos da “Ficha de progresso” preparada pelos missionários de tempo integral. Fazem planos para ajudar cada pesquisador a progredir e sugerem pessoas que poderiam servir como irmãos ou irmãs ministradores para os pesquisadores que estão se preparando para o batismo e a confirmação.

O bispo pode também convidar os missionários de tempo integral para comparecer à reunião do conselho da ala.

5.1.3

Líder da missão da ala

Para informações sobre chamar um líder da missão da ala ou um membro da presidência do quórum de élderes para assumir essa função, ver item 5.1.1. O líder da missão da ala, se chamado, deve ser portador do Sacerdócio de Melquisedeque.

A pessoa que assumir a função de líder da missão da ala tem as seguintes responsabilidades:

Ele coordena o trabalho da ala de encontrar, ensinar e batizar pesquisadores. Coordena esse trabalho com o dos missionários de tempo integral e o trabalho dos missionários da ala. Pode participar das reuniões do conselho da ala se convidado. O bispo pode pedir a ele que lidere o debate sobre o trabalho missionário.

Realiza as reuniões de coordenação missionária e dirige o trabalho dos missionários da ala.

Consegue o maior número possível de oportunidades de ensino para os missionários de tempo integral a cada semana.

Organiza a reunião batismal de conversos, auxiliado pelos missionários de tempo integral (ver item 20.3.4).

Ajuda a coordenar a confirmação de membros novos na reunião sacramental.

Participa com os missionários de tempo integral do ensino e da integração dos pesquisadores.

Ajuda a assegurar que, logo após a confirmação, os membros novos, que tenham a idade adequada, recebam uma recomendação de uso limitado para o templo e os membros novos do sexo masculino, conforme a idade, sejam ordenados aos ofícios do Sacerdócio Aarônico.

5.1.4

Missionários de ala

O bispado determina quantos missionários de ala são necessários na unidade. Eles também trocam ideias com o presidente do quórum de élderes e a presidente da Sociedade de Socorro para tomar essa decisão. Os missionários de ala servem sob a direção do bispado e do líder da missão da ala (se chamado; ver item 5.1.1) ou de um membro da presidência do quórum de élderes.

Podem servir como missionários de ala portadores do sacerdócio, mulheres e casais. Eles não precisam ter um companheiro fixo, mas não devem ir sozinhos visitar as pessoas em casa. Um homem e uma mulher não podem fazer visitas como dupla de missionários de ala a menos que sejam marido e mulher.

Os missionários de ala são chamados por um tempo de serviço determinado, como, por exemplo, dois anos. Normalmente, não têm outras responsabilidades na Igreja, exceto suas designações como irmãos e irmãs ministradores, preferencialmente de famílias nas quais nem todos são membros ou de famílias menos ativas. Eles não usam plaquetas de missionário.

Os missionários de ala encontram e preparam pessoas para os missionários de tempo integral ensinarem. Também auxiliam na integração e no ensino de pesquisadores.

Os missionários de ala visitam os membros em casa para incentivá-los a buscar experiências missionárias, identificar pessoas que os missionários possam ensinar e preparar as pessoas para serem ensinadas.

5.1.5

Reunião de coordenação missionária

O líder da missão da ala (se chamado; ver item 5.1.1) ou o membro da presidência do quórum de élderes responsável pelo trabalho missionário da ala conduz uma reunião de coordenação missionária com os missionários de ala e os missionários de tempo integral. Um membro da presidência da Sociedade de Socorro pode ajudar. Essa reunião é realizada regularmente. Se os missionários de tempo integral estiverem a serviço de diversas alas, eles participam da reunião de acordo com suas possibilidades.

Nessa reunião, o líder da missão da ala (se chamado) e os membros das presidências do quórum de élderes e da Sociedade de Socorro responsáveis pelo trabalho missionário coordenam o trabalho dos missionários de tempo integral e dos membros. Eles podem trocar ideias sobre como implementar o plano de missão da ala, marcar o máximo possível de compromissos de ensino para os missionários e providenciar para que haja membros presentes, sempre que possível, quando um pesquisador for ensinado.

5.1.6

Membros e missionários de tempo integral trabalhando em conjunto

O presidente da missão tem as chaves do batismo e da confirmação de conversos. Sob sua direção, os missionários de tempo integral são os principais responsáveis por ensinar os pesquisadores. Os missionários de tempo integral também realizam a entrevista para o batismo e a confirmação de cada candidato e autorizam a realização das ordenanças.

O bispo deve conhecer todos os pesquisadores e acompanhar seu progresso. Embora ele não entreviste os candidatos ao batismo, ele deve conhecê-los pessoalmente antes de serem batizados. Ele também supervisiona o trabalho dos membros da ala na integração dos pesquisadores. É mais provável que os pesquisadores sejam batizados, confirmados e permaneçam ativos se tiverem feito boas amizades com os membros da Igreja.

Normalmente, as duplas de missionários de tempo integral não se separam para trabalhar com os membros da ala. No entanto, eles podem se separar para trabalhar com membros quando for necessário cumprir um grande número de compromissos de ensino. Nesses casos, o líder da missão da ala (se chamado; ver item 5.1.1) ou o membro da presidência do quórum de élderes e da presidência da Sociedade de Socorro responsáveis pelo trabalho missionário se certificam de que os que servem como companheiros dos missionários de tempo integral entendam e aceitem as regras da missão. Esses líderes instruem os membros da ala a nunca deixar um missionário de tempo integral sem um companheiro autorizado.

5.1.7

Reunião batismal e confirmação

A reunião batismal deve ser marcada assim que um pesquisador se comprometer a ser batizado. As reuniões normalmente não devem ser adiadas para depois dessa data a menos que a pessoa não esteja preparada. Batismos de membros da família não devem ser adiados para que o pai possa receber o sacerdócio a fim de realizá-los pessoalmente.

A reunião batismal proporciona uma oportunidade de encontrar e incentivar outros pesquisadores. Os conversos devem ser incentivados a convidar seus familiares, outros parentes e amigos. Os líderes e missionários da Igreja também podem convidar outros pesquisadores que estão sendo ensinados, pesquisadores em potencial e líderes e membros que passarão a trabalhar com os membros novos. Outros membros da ala também podem participar.

Os conversos são confirmados em uma reunião sacramental da ala em que residem, de preferência no domingo seguinte ao batismo.

As diretrizes para a realização de reuniões batismais e confirmações, inclusive para o batismo e a confirmação de crianças de 8 anos de idade, encontram-se no item 20.3.

5.1.8

Plano de missão da ala

Sob a direção do bispo, o conselho da ala desenvolve um plano de missão da ala. O líder da missão da ala (se chamado; ver item 5.1.1) ou um membro da presidência do quórum de élderes pode coordenar esse trabalho. Um membro da presidência da Sociedade de Socorro também pode ajudar a criar e colocar em prática esse plano.

O plano deve ser curto e simples. Deve incluir metas específicas e atividades para ajudar os portadores do sacerdócio e os membros das organizações auxiliares da ala a participarem da obra missionária, da retenção e da ativação. O conselho da ala coordena o plano de missão da ala com os planos dos missionários de tempo integral que trabalham na ala. Os seguintes passos podem ser úteis nesse processo de planejamento:

  1. Levar em conta as necessidades e os recursos da ala (inclusive a disponibilidade de missionários de tempo integral) na obra missionária, na retenção e na ativação realizadas pelos membros.

  2. Estabelecer metas específicas para o trabalho missionário dos membros, para a retenção e a ativação, a serem cumpridas no ano seguinte.

  3. Determinar como cumprir as metas. Os líderes podem planejar meios de elevar a visão e a atitude dos membros com referência ao trabalho missionário. Podem desenvolver ideias para atividades que ajudem os missionários de tempo integral a encontrar, ensinar e batizar mais pesquisadores. Podem também planejar meios de fazer amizade com os membros novos e fortalecê-los, e de melhorar a ativação dos membros menos ativos.

O conselho da ala analisa o plano de missão da ala regularmente e faz alterações quando necessário.

5.1.9

Líderes da estaca

5.1.9.1

Presidente da estaca e seus conselheiros

O presidente da estaca e seus conselheiros dão prioridade ao trabalho missionário. Ensinam regularmente as doutrinas do trabalho missionário e incentivam os membros da estaca a trabalharem com os missionários de tempo integral para encontrar, ensinar e batizar pesquisadores. Dão o exemplo encontrando e preparando pessoas e famílias para os missionários ensinarem.

Em sua entrevista regular com cada bispo, o presidente da estaca pede um relatório sobre o progresso dos pesquisadores da ala daquele bispo.

O presidente da estaca se reúne regularmente com o presidente da missão para coordenar o trabalho dos missionários de tempo integral da estaca. Os assuntos a serem discutidos incluem o número de missionários e o local de trabalho deles, o papel dos membros no trabalho missionário, o auxílio dos missionários no trabalho de retenção e ativação, o auxílio dos missionários no treinamento de membros locais e também as refeições, a moradia e o transporte dos missionários.

5.1.9.2

Sumo conselheiro designado para o trabalho missionário

A presidência da estaca designa um sumo conselheiro com espírito missionário para auxiliar na supervisão do empenho da estaca em encontrar, ensinar, batizar e confirmar pesquisadores. Ele pode conduzir os debates sobre esses assuntos nas reuniões do sumo conselho, nas reuniões do conselho da estaca, nas reuniões de liderança do sacerdócio da estaca e em outras reuniões da estaca.

O sumo conselheiro designado para o trabalho missionário orienta os líderes da missão das alas (se chamados; ver item 5.1.1) e os membros das presidências dos quóruns responsáveis pelo trabalho missionário. Também dá instruções e incentivo contínuos. Com a aprovação do presidente da estaca, ele pode treinar os líderes e os missionários das alas.

5.2

Retenção de conversos

Os membros novos da Igreja precisam do apoio e da amizade dos líderes, dos irmãos e irmãs ministradores e de outros membros. Esse apoio ajuda os membros novos a se tornarem firmemente “convertidos ao Senhor” (Alma 23:6).

5.2.1

Necessidades dos membros novos

A transição para a vida de membro da Igreja é desafiadora para a maioria das pessoas. Frequentemente envolve a aceitação de novos ensinamentos religiosos e um novo estilo de vida. Todos os membros da Igreja, em especial os membros novos, precisam de três coisas para ajudá-los a permanecerem ativos na Igreja: amizade, oportunidades de amadurecer e servir na Igreja, e ser nutridos pela palavra de Deus (ver Morôni 6:4). Sob a direção do bispado, os líderes do sacerdócio e das auxiliares ajudam os membros novos nessas áreas.

5.2.2

Bispo e seus conselheiros

O bispo tem a responsabilidade geral pela retenção de conversos. Ele entrevista os irmãos recém-batizados com pelo menos 11 anos de idade e que vão fazer 12 no ano em que forem ordenados ao ofício adequado do Sacerdócio Aarônico. Os homens que forem dignos de ser batizados e confirmados também são dignos de receber o Sacerdócio Aarônico. O bispo também entrevista os membros novos de 11 anos e que vão fazer 12 durante o ano para receberem uma recomendação de uso limitado para o templo logo depois de serem confirmados. Normalmente, ambas as entrevistas são realizadas uma semana após a confirmação. Para os conversos do sexo masculino, a entrevista para receber uma recomendação de uso limitado para o templo pode ser feita como parte da entrevista para o recebimento do Sacerdócio Aarônico.

Ver o Manual 1, item 3.4.14, para instruções sobre como emitir uma recomendação de uso limitado para membros novos. Ver o Manual 1, item 16.7.2, para instruções sobre como ordenar irmãos batizados e confirmados recentemente.

O conselho da ala ajuda o bispo a preparar os novos membros para participar, onde for possível, de batismos e confirmações vicários por seus antepassados (ver item 5.2.3).

Para ajudar os membros novos a permanecer ativos na Igreja, o bispo e seus conselheiros têm as seguintes responsabilidades. O bispo pode designar um de seus conselheiros ou a presidência do quórum de élderes e da Sociedade de Socorro para liderar esse trabalho sob sua orientação.

Eles supervisionam o trabalho de assegurar que cada membro novo seja integrado.

Asseguram-se de que todo membro novo adulto receba um chamado ou outra oportunidade de servir.

Asseguram-se de que os irmãos com pelo menos 11 anos de idade ou que vão fazer 12 durante o ano sejam ordenados ao devido ofício do Sacerdócio Aarônico logo após sua confirmação, normalmente no prazo de uma semana. Também cuidam para que esses irmãos recebam oportunidades de exercer o sacerdócio. Os homens que forem dignos de ser batizados e confirmados também são dignos de receber o Sacerdócio Aarônico.

O bispo e seus conselheiros supervisionam o trabalho do presidente do quórum de élderes para ajudar os irmãos com 18 anos ou mais a se prepararem para receber o Sacerdócio de Melquisedeque. Os homens com 18 anos ou mais que tiverem sido batizados recentemente são ordenados élderes depois de terem servido como sacerdotes, desenvolvido suficiente entendimento do evangelho e demonstrado sua dignidade. Não há uma exigência específica de tempo de batismo para que o membro seja ordenado.

5.2.3

Conselho da ala

Os membros do conselho da ala dão atenção especial à retenção dos membros novos durante seu primeiro ano como membros da Igreja.

Nas reuniões do conselho da ala, os membros do conselho analisam suas metas para a retenção de conversos conforme determinado no plano de missão da ala (ver item 5.1.8). Discutem o progresso de cada membro novo e identificam áreas em que cada um possa necessitar de mais apoio. Eles podem usar o formulário de “Progresso de membros novos e de membros que voltam à atividade” na Igreja como guia para esse debate. Discutem maneiras de ajudar os membros novos a sentirem o amor dos outros membros, a alegria de servir no reino do Senhor e a paz que advém de se viver de acordo com os princípios do evangelho.

Os membros do conselho da ala debatem como fortalecer os novos conversos. Podem também sugerir maneiras de os membros prestarem serviço, como participar do trabalho de templo e história da família.

5.2.4

Líderes do sacerdócio e das auxiliares

Conforme dirigidos pelo bispado, os líderes do sacerdócio e das auxiliares oferecem oportunidades que ajudem os membros novos a amadurecerem espiritualmente e permanecerem ativos na Igreja. A presidente da Sociedade de Socorro, por exemplo, ajuda as mulheres adultas que se converteram à Igreja. O presidente do quórum de élderes ajuda os homens adultos. Quando mais de um membro da família se filia à Igreja, os líderes do sacerdócio e das auxiliares coordenam seu trabalho nas reuniões do conselho da ala.

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares podem ajudar os membros novos da seguinte maneira:

Eles os ajudam a compreender e aplicar as doutrinas e os princípios ensinados nas lições missionárias.

Asseguram-se de que os membros novos aprendam as práticas básicas da Igreja, tais como prestar testemunho, pagar o dízimo e outras ofertas, viver a lei do jejum, fazer um discurso, realizar ordenanças do sacerdócio, participar do trabalho de história da família, realizar batismos e confirmações em favor dos mortos (onde for possível) e servir como irmãos e irmãs ministradores.

Asseguram-se de que os membros novos tenham acesso às escrituras, às revistas da Igreja e a quaisquer manuais de que necessitem para as classes que frequentarem na Igreja.

Incentivam os novos membros a ter uma recomendação de uso limitado para o templo e a participar, onde for possível, de batismos e confirmações vicários por seus antepassados.

Se os membros novos estiverem em idade de seminário ou instituto, os líderes do sacerdócio e das auxiliares os ajudam a se matricularem.

Quando os membros novos estiverem qualificados para receber as ordenanças do templo, os líderes do sacerdócio e das auxiliares os ajudam a se prepararem, seja por meio de um seminário de preparação para o templo ou de alguma outra maneira.

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares podem designar membros experientes para ajudar a integrar os membros novos. Os líderes podem considerar a possibilidade de escolher para essa tarefa membros que tenham interesses semelhantes aos dos membros novos ou que tenham enfrentado desafios semelhantes.

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares (ou os membros por eles designados) prestam atenção todas as semanas para ver se os membros recém-batizados que pertencem a seu quórum ou sua organização auxiliar estão presentes na reunião sacramental. Eles designam membros a visitar os que não têm frequentado as reuniões e os convidam a comparecer na semana seguinte.

5.2.5

Irmãos e irmãs ministradores

Os irmãos e as irmãs ministradores têm importantes responsabilidades, como a de fazer amizade com os membros novos e cuidar deles. Após consultar o bispo, as presidências do quórum de élderes e da Sociedade de Socorro designam membros dedicados para servirem como irmãos e irmãs ministradores dos membros novos.

Quando autorizados pelo presidente da missão, os missionários de tempo integral podem ajudar a ministrar aos membros novos.

5.2.6

Missionários da ala e missionários de tempo integral

Embora a retenção seja primordialmente uma responsabilidade dos líderes do sacerdócio e das auxiliares da ala, os missionários de ala e os missionários de tempo integral auxiliam nesse trabalho. Os missionários de ala ensinam novamente as quatro primeiras lições missionárias para todos os membros novos (ver Pregar Meu Evangelho, capítulo 3). Eles também ensinam a lição 5. Os missionários da ala podem ser auxiliados pelos missionários de tempo integral quando necessário.

5.2.7

Influência de outros membros da ala

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares incentivam os membros da ala a fortalecerem os membros novos, demonstrando-lhes amor e fazendo amizade com eles. Os membros da ala poderiam convidar os recém-conversos para participar do estudo do evangelho e de noites familiares na casa deles. Poderiam também convidá-los a comparecer às reuniões, aulas e atividades da Igreja com eles, providenciando o transporte se necessário.

5.2.8

Cuidar dos membros novos

A classe de Princípios do Evangelho foi descontinuada. Aos domingos, todos os membros e amigos da Igreja são convidados a participar das aulas e reuniões de quórum com os outros adultos ou jovens da ala.

Os missionários de ala e de tempo integral ensinam as lições do capítulo 3 do manual Pregar Meu Evangelho, tanto antes como depois do batismo. Os irmãos e as irmãs ministradores e outros membros podem assistir a essas aulas para integrar os membros novos.

5.2.9

Líderes da estaca

5.2.9.1

Presidente da estaca e seus conselheiros

Os membros da presidência da estaca supervisionam o trabalho de fortalecimento dos membros novos na estaca. Treinam e incentivam outros líderes para que realizem esse trabalho. São apresentados aos membros novos quando visitam as alas. Ocasionalmente, podem realizar uma reunião para membros novos vinculada à conferência da estaca.

Em suas entrevistas regulares com cada bispo, o presidente da estaca pede um relatório do progresso dos membros novos da ala do bispo.

Em sua reunião regular com o presidente da missão, o presidente da estaca pode apresentar um relatório sobre o progresso dos membros novos na estaca.

5.2.9.2

Sumos conselheiros

O sumo conselheiro designado para a obra missionária pode ajudar a ensinar e integrar os membros novos. Ele trabalha com os líderes da missão das alas (se chamados; ver item 5.1.1) e os membros das presidências dos quóruns responsáveis pelo trabalho missionário. Pode também ajudar os élderes em perspectiva a se prepararem para receber o Sacerdócio de Melquisedeque.

5.2.9.3

Presidências das auxiliares da estaca

As presidências das auxiliares da estaca podem ocasionalmente trabalhar com os líderes das auxiliares das alas no ensino e na integração dos membros novos.

5.3

Ativação

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares da ala se esforçam continuamente para ajudar os membros menos ativos a voltar à atividade na Igreja. O Salvador disse: “A esses deveis continuar a ministrar; porque não sabeis se eles irão voltar e arrepender-se e vir a mim com toda a sinceridade de coração e eu irei curá-los; e sereis vós o meio de levar-lhes salvação” (3 Néfi 18:32).

Os membros menos ativos geralmente ainda acreditam no evangelho, mas podem estar passando por provações difíceis que façam com que não se sintam à vontade para frequentar a igreja. Normalmente, eles têm poucas amizades na Igreja, por isso é menos provável que se sintam entre amigos quando vão às reuniões da ala. Os que voltam à atividade frequentemente o fazem quando veem que algo está faltando em sua vida. Consequentemente, sentem que precisam fazer mudanças em seu modo de vida. Nesses momentos, eles precisam do amor e da amizade de membros da Igreja ativos e atenciosos, que os aceitem como são e que demonstrem sincero interesse por eles.

5.3.1

Bispo e seus conselheiros

O bispo e seus conselheiros têm a responsabilidade geral pela ativação. Eles dirigem o trabalho dos quóruns do sacerdócio e das auxiliares de ajudar os membros menos ativos a reavivarem sua fé e cuidam para que os membros que retornam sejam integrados e tenham apoio. Ajudam os irmãos que retornam a avançarem no sacerdócio e ajudam os irmãos e as irmãs a receberem as ordenanças do templo ou a se tornarem dignos de entrar novamente no templo.

O bispo pode designar um de seus conselheiros ou a presidência do quórum de élderes ou da Sociedade de Socorro para liderar esse trabalho sob sua direção.

5.3.2

Conselho da ala

Sob a direção do bispado, os membros do conselho da ala analisam suas metas de ativação descritas no plano de missão da ala (ver item 5.1.8). Eles fazem recomendações sobre como ministrar aos membros menos ativos de suas respectivas organizações. Estando continuamente atentos às necessidades e circunstâncias dos membros menos ativos, os membros do conselho da ala podem discernir quando as famílias e pessoas estão prontas para aceitar o convite de receberem visitas de membros da Igreja, comparecerem a atividades da Igreja ou participarem de um seminário de preparação para o templo.

Em espírito de oração, o conselho da ala identifica os membros menos ativos com maior probabilidade de voltar à atividade. Também decide quais seriam os líderes e membros que teriam mais sucesso em fortalecer os membros menos ativos e estabelecer um relacionamento pessoal com eles. Se mais de um membro da família for menos ativo, os líderes coordenam seu trabalho nas reuniões do conselho da ala.

As reuniões do conselho da ala regularmente incluem relatórios sobre o progresso desses membros. À medida que alguns membros voltam à atividade ou se recusam a aceitar o convite de retornar, o conselho da ala identifica outros que possam ser receptivos. Os líderes podem usar o formulário de “Progresso de membros novos e de membros que voltam à atividade” na Igreja para acompanhar esse trabalho.

5.3.3

Irmãos e irmãs ministradores

Após consultar o bispo, a presidência do quórum de élderes e a presidência da Sociedade de Socorro designam membros dedicados para servirem como irmãos e irmãs ministradores aos membros menos ativos. Esses líderes concentram seu trabalho nos membros menos ativos com maior probabilidade de aceitar o convite de retornar à atividade.

5.3.4

Missionários de tempo integral e missionários de ala

O líder da missão da ala (se chamado; ver item 5.1.1), o membro da presidência do quórum de élderes e da presidência da Sociedade de Socorro responsável pelo trabalho missionário, os missionários de tempo integral e os missionários de ala ajudam no trabalho de ativação. Ensinar os membros menos ativos pode criar oportunidades de ensinar não membros ou parentes.

5.3.5

Classe de Princípios do Evangelho

A classe de Princípios do Evangelho foi descontinuada. Aos domingos, todos os membros e amigos da Igreja são convidados a participar das aulas e reuniões de quórum com os outros adultos ou jovens da ala.

5.3.6

Líderes da estaca

5.3.6.1

Presidente da estaca e seus conselheiros

Em sua entrevista regular com o bispo, o presidente da estaca pede um relatório do progresso dos membros menos ativos da ala do bispo. O presidente da estaca e o bispo discutem os planos e as metas preparados pelo conselho da ala com relação a esses membros.

Quando o presidente da estaca e o presidente da missão se reunirem para tratar do trabalho missionário, eles também podem conversar sobre a ajuda que os missionários de tempo integral podem dar com os membros menos ativos.

5.3.6.2

Sumos conselheiros

Os sumos conselheiros que trabalham com os líderes do Sacerdócio de Melquisedeque da ala podem ajudar a ensinar e integrar os membros menos ativos. Também podem participar do trabalho de ajudar os élderes em perspectiva a se prepararem para receber o Sacerdócio de Melquisedeque.

5.3.6.3

Presidências das auxiliares da estaca

As presidências das auxiliares da estaca podem ocasionalmente trabalhar com as líderes das auxiliares das alas no ensino e na integração de membros menos ativos.

5.4

Trabalho de templo e história da família

Nos templos, os membros da Igreja recebem ordenanças e fazem convênios sagrados que são essenciais para a exaltação. Os membros da Igreja também vão ao templo para realizar ordenanças em favor de pessoas falecidas que não as receberam.

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares ensinam aos membros da ala quais são suas responsabilidades quanto ao trabalho de templo e história da família e as bênçãos que podem receber conforme explicado nos parágrafos a seguir:

Incentivam os membros a receber suas próprias ordenanças do templo e a ajudar os familiares a receberem as deles. Os líderes ensinam aos membros que o propósito da investidura é preparar as pessoas para a exaltação, e não apenas para o casamento ou uma missão.

Os líderes incentivam todos os membros que receberam a investidura a terem uma recomendação para o templo válida e irem ao templo tão frequentemente quanto as circunstâncias ou as necessidades de sua família permitirem. Eles também incentivam os adultos sem investidura, inclusive os membros novos, a ter uma recomendação de uso limitado para o templo e a ir ao templo frequentemente para serem batizados e confirmados em favor dos mortos. Os líderes não devem estabelecer um sistema de quotas nem de relatório de frequência ao templo. Cada membro determina seu próprio nível de participação no trabalho do templo.

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares ensinam os membros a participar do trabalho de história da família, identificando seus antepassados, pedindo que as ordenanças do templo sejam realizadas por eles se necessário e realizando pessoalmente essas ordenanças no templo se possível.

Os líderes ajudam os membros a compreenderem que não devem pedir que as ordenanças do templo sejam realizadas em favor de pessoas que não sejam parentes seus sem antes receber a aprovação do parente vivo mais próximo da pessoa falecida. Os líderes também ajudam os membros a compreenderem que não devem fazer esse pedido para pessoas famosas que não sejam parentes seus ou para pessoas cujos dados foram compilados em projetos de indexação não aprovados.

Para informações sobre chamar um líder de templo e história da família ou designar um membro da presidência do quórum de élderes para assumir essa função, ver item 5.4.1.

5.4.1

Bispo e seus conselheiros

O bispo possui as chaves do trabalho de salvação na ala. Com seus conselheiros, ele supervisiona o trabalho de templo e história da família na ala. Contudo, ele pode designar o presidente do quórum de élderes para fazer esse trabalho sob sua direção. Geralmente, o presidente do quórum de élderes delega essa responsabilidade a um de seus conselheiros.

O membro da presidência do quórum de élderes responsável pelo trabalho de templo e história da família pode desempenhar o papel de líder de templo e história da família ou supervisionar o trabalho do líder de templo e história da família da ala. Por inspiração, o bispo decide se deve chamar um líder de templo e história da família ou designar um membro da presidência do quórum de élderes para assumir essa função.

A presidência da Sociedade de Socorro pode seguir o padrão do quórum de élderes, tendo um membro da presidência designado para auxiliar no trabalho de templo e história da família.

Com a ajuda dos membros das presidências do quórum de élderes e da Sociedade de Socorro responsáveis pelo trabalho de templo e história da família e do líder de templo e história da família da ala (se chamado), o bispo e seus conselheiros se asseguram de que as doutrinas e as bênçãos do trabalho de templo e história da família sejam ensinadas regularmente nas reuniões da ala.

Ao se reunir com os membros, o bispo os ajuda a se prepararem para receber as ordenanças do templo e se qualificar para continuar a ir ao templo sempre que as circunstâncias permitirem.

O bispo e seus conselheiros incentivam os membros a identificarem seus antepassados e realizarem as ordenanças do templo por eles.

Outras responsabilidades do bispado relacionadas ao trabalho do templo estão explicadas no Manual 1, capítulo 3.

5.4.2

Conselho da ala

Nas reuniões do conselho da ala, os líderes ponderam assuntos referentes ao trabalho de templo e história da família. O líder do trabalho de templo e história da família (se chamado; ver item 5.4.1) ou os membros da presidência do quórum de élderes e da presidência da Sociedade de Socorro designados para o trabalho de templo e história da família podem ser convidados a debater assuntos como os que se seguem:

Discutem maneiras de ajudar as pessoas e as famílias a receber as ordenanças do templo e ir ao templo tão frequentemente quanto as circunstâncias permitirem.

Em espírito de oração, ponderam quais membros da ala podem ser convidados a participar de seminários de preparação para o templo ou a trabalhar com os consultores de templo e história da família.

Discutem maneiras de ajudar os membros a participarem do trabalho de história da família.

Podem discutir maneiras de usar o trabalho de história da família para encontrar pessoas para os missionários de tempo integral ensinarem e encontrar membros novos e membros menos ativos para serem ajudados pelos missionários.

5.4.3

Líder de templo e história da família da ala

Sob a direção do bispo, um membro da presidência do quórum de élderes pode desempenhar o papel de líder de templo e história da família da ala ou supervisionar um portador do Sacerdócio de Melquisedeque que for chamado para essa responsabilidade. Da mesma forma, a presidente da Sociedade de Socorro pode designar uma de suas conselheiras para ajudar com o trabalho de templo e história da família.

O líder do trabalho de templo e história da família (se chamado; ver item 5.4.1) e membros da presidência do quórum de élderes e da presidência da Sociedade de Socorro também coordenam o trabalho dos consultores de templo e história da família. Se a estaca tiver um centro de história da família, esses líderes designam consultores para servir na equipe do centro quando solicitado pelo consultor de templo e história da família da estaca. Se a estaca participar da indexação do FamilySearch, eles recomendam pessoas para trabalhar nesse projeto.

O líder de templo e história da família (se chamado), os conselheiros do quórum de élderes e as conselheiras na presidência da Sociedade de Socorro podem ser convidados a participar das reuniões de conselho da ala quando necessário.

5.4.4

Consultor de templo e história da família

Os consultores de templo e história da família da ala trabalham com o líder do trabalho de templo e história da família (se chamado; ver item 5.4.1) ou com os membros da presidência do quórum de élderes e da presidência da Sociedade de Socorro designados para essa função e têm as seguintes responsabilidades:

Ajudar os membros e os amigos a identificar quem são seus antepassados falecidos e a coletar informações e histórias sobre eles.

Ajudar os membros a preparar os dados para que as ordenanças do templo sejam realizadas em favor dos antepassados falecidos.

Ajudar os membros a participar com sua respectiva família do trabalho de templo e história da família.

Geralmente, eles fornecem auxílio na casa dos membros ou na Igreja.

Ajudar no trabalho de templo e história da família da ala.

Quando designados, servir em um centro de história da família local.

Quando designados, dar aulas de história da família na ala. Essas aulas são dadas fora dos horários das reuniões dominicais regulares.

5.4.5

Cursos e recursos relativos ao templo e à história da família

5.4.5.1

Seminário de preparação para o templo

O seminário de preparação para o templo ajuda os membros a se prepararem para receber as ordenanças e bênçãos do templo. Esse seminário é planejado sob a direção do bispo e é realizado fora do horário das reuniões dominicais regulares, em qualquer outro dia e horário que for mais conveniente para os membros. Esse curso é organizado sob a direção do bispado e pode ser ensinado na capela ou na casa de um membro.

O seminário de preparação para o templo é especialmente útil para os membros novos, os membros menos ativos que voltam à atividade na Igreja e os membros com investidura que não renovaram sua recomendação por um período prolongado. Ele também pode ser útil para os membros ativos que se preparam para receber a investidura.

Sob a direção do bispado, os membros do conselho da ala, auxiliados pelos membros das presidências do quórum de élderes e da Sociedade de Socorro responsáveis pelo trabalho de tempo e história da família, decidem, em espírito de oração, quem devem convidar para o seminário.

O bispado chama um ou mais professores, que podem ser marido e mulher. As instruções e lições para organizar o curso estão em Investidos de Poder do Alto: Seminário de Preparação para o Templo, Manual do Professor. Cada participante deve ter um exemplar do livreto Preparação para Entrar no Templo Sagrado.

5.4.5.2

Curso de história da família

O curso de história da família pode ser dado fora do horário das reuniões dominicais regulares, em um dia e horário que seja mais conveniente para os membros. Esse curso é organizado sob a direção do bispado e pode ser ensinado na capela ou na casa de um membro. O professor geralmente é um consultor ou o líder de templo e história da família. Ele é designado pelo membro da presidência do quórum de élderes e da presidência da Sociedade de Socorro responsável pelo trabalho de templo e história da família. As aulas geralmente são dadas com o objetivo de ensinar na prática como os membros podem descobrir seus familiares, juntar informações sobre eles e, assim, conhecê-los melhor.

5.4.5.3

Acesso aos recursos de história da família na internet

Os recursos de história da família de que a Igreja dispõe na internet ajudam os membros a identificar os próprios antepassados, organizar seus dados e enviar pedidos para que as ordenanças do templo sejam realizadas em favor desses familiares. A maioria desses recursos está à disposição no site de história da família que a Igreja tem na internet, FamilySearch.org.

Nos lugares em que a capela de uma estaca ou ala tiver computadores com acesso à internet, ou em que os programas de história da família estiverem instalados em computadores da estaca ou ala, a presidência da estaca e o bispado se asseguram de que os membros tenham acesso a esses computadores para usá-los em horários convenientes. Os consultores de templo e história da família podem ajudar a agendar a utilização dos computadores e ensinar os membros a usá-los.

Os membros que utilizarem os computadores administrativos da Igreja para o trabalho de história da família não devem ter acesso às informações financeiras nem às informações dos registros de membros.

5.4.6

Líderes da estaca

5.4.6.1

Presidente da estaca e seus conselheiros

O presidente da estaca e seus conselheiros supervisionam o trabalho de templo e história da família na estaca. Asseguram-se de que as doutrinas e bênçãos desse trabalho sejam ensinadas regularmente nas reuniões da estaca.

Quando o presidente da estaca se reunir com os membros, ele deve ajudá-los a se prepararem para receber as ordenanças do templo e a se qualificarem para continuar indo ao templo tão frequentemente quanto as circunstâncias permitirem.

O presidente da estaca e seus conselheiros incentivam os membros a identificarem os próprios antepassados e a cuidarem para que as ordenanças do templo sejam realizadas por eles.

Outras responsabilidades da presidência da estaca referentes ao trabalho do templo estão explicadas no Manual 1, capítulo 3.

5.4.6.2

Sumos conselheiros designados para o trabalho de templo e história da família

A presidência da estaca pode designar um ou mais sumos conselheiros para treinar o líder do trabalho de templo e história da família (se chamado; ver item 5.4.1) e os membros da presidência do quórum de élderes e da presidência da Sociedade de Socorro encarregados do trabalho de templo e história da família. Quando necessário, esses sumos conselheiros também coordenam o trabalho da estaca na indexação do FamilySearch e nos centros de história da família. Eles podem ter a ajuda de um consultor do trabalho de templo e história da família da estaca.

5.4.7

Recursos relativos ao templo e à história da família na estaca

5.4.7.1

Programa de indexação do FamilySearch na estaca

Na indexação do FamilySearch, os participantes utilizam seus computadores para acessar imagens de documentos como, por exemplo, registros de recenseamentos, de igrejas e registros civis. A partir dessas imagens, eles criam índices computadorizados que são disponibilizados em FamilySearch.org.

Qualquer pessoa, inclusive quem não é membro da Igreja, pode fazer a indexação do FamilySearch sozinha. Contudo, a presidência da estaca pode concluir que seria benéfico para os membros da estaca trabalharem juntos em um programa de indexação. Esse trabalho pode proporcionar oportunidades de serviço aos membros menos ativos ou que estão confinados a sua moradia. Os jovens também podem participar.

Para informações sobre como estabelecer um programa de indexação do FamilySearch, ver o Guia Administrativo de História da Família disponível em ChurchofJesusChrist.org.

5.4.7.2

Centros de história da família

Algumas estacas têm centros de história da família, cuja principal função é a de ajudar os membros da Igreja a identificar seus antepassados e providenciar o que for preciso para que as ordenanças do templo sejam realizadas por eles. Pessoas da comunidade também são convidadas a utilizar os recursos dos centros de história da família.

Esses centros oferecem acesso aos registros de história da família que a Igreja tem em microfilme, a computadores de história da família e a recursos da internet como o FamilySearch, além de oferecer treinamento sobre como realizar o trabalho de história da família.

Para mais informações sobre os centros de história da família, ver o Guia Administrativo de História da Família disponível em ChurchofJesusChrist.org.

5.5

Ensino do evangelho

Jesus Cristo é o Mestre dos mestres. Os membros da Igreja que foram chamados e designados para servir como professores recebem um encargo e uma responsabilidade sagrados de seguir Seu exemplo e ajudar os filhos de Deus a fortalecer a fé no Pai Celestial e no Salvador e de se tornarem mais semelhantes a Eles. Aqueles que são chamados como professores devem ensinar com o poder e a autoridade de Deus.

O ensino eficaz do evangelho ajuda a aumentar o testemunho e a fé das pessoas no Pai Celestial e em Jesus Cristo. Ele fortalece os membros para se empenharem em viver de acordo com os princípios do evangelho. Quando a palavra de Deus é ensinada com vigor espiritual, ela tem “um efeito mais poderoso sobre a mente do povo do que (…) qualquer outra coisa” (Alma 31:5). Os líderes do sacerdócio e das auxiliares incentivam o ensino eficaz em suas respectivas organizações e se lembram de que os membros da Igreja assistem às reuniões em busca do vigor, da paz e da inspiração proporcionados pela palavra de Deus.

5.5.1

Bispo e seus conselheiros

O bispo e seus conselheiros ensinam o evangelho pelo poder do Espírito e pelo exemplo pessoal. Eles dirigem o trabalho realizado pelo conselho da ala de assegurar que o ensino na ala seja edificante e doutrinariamente correto.

5.5.2

Conselho da ala

Sob a direção do bispado, os membros do conselho da ala se reúnem regularmente para deliberar sobre como melhorar o ensino e aprendizado do evangelho na ala. O bispo pode convidar o presidente da Escola Dominical para tratar desses assuntos e oferecer treinamento.

5.5.3

Líderes do sacerdócio e das auxiliares

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares se empenham para ensinar o evangelho de modo eficaz. Também são responsáveis pela tarefa de melhorar o aprendizado e o ensino em sua respectiva organização. Nesse trabalho, eles se aconselham com a presidência da Escola Dominical.

5.5.3.1

Recomendar membros para servir como professores

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares encaminham ao bispado as recomendações de membros da ala a serem chamados para servir como professores em sua respectiva organização. Os líderes devem recomendar professores que se esforçarão para preparar aulas que inspirem os alunos a viver de acordo com os princípios do evangelho. Para isso, eles seguem os princípios descritos nos itens 19.1.1 e 19.1.2.

5.5.3.2

Como orientar os professores recém-chamados

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares se reúnem individualmente com cada professor recém-chamado de sua organização, de preferência antes da primeira aula do professor. Nessas reuniões, os líderes orientam os professores com base nos princípios descritos em Ensinar à Maneira do Salvador. Os líderes também dão apoio aos professores da seguinte maneira:

Ajudam o professor a conhecer os alunos se necessário. Entregam ao professor uma lista dos alunos da classe e o incentivam a aprender o nome deles. Também incentivam o professor a desenvolver um relacionamento atencioso com os alunos.

Ajudam o professor a entender como usar o manual Ensinar à Maneira do Salvador. Entregam a cada professor um exemplar desse manual e fazem uma breve exposição para lhe dar uma ideia geral de seu conteúdo.

Quando necessário, ajudam o professor a aprender a preparar uma aula. Entregam ao professor os materiais curriculares aprovados para sua classe e lhe explicam como usá-los.

Convidam o professor para participar das reuniões de conselho dos professores (ver item 5.5.7).

5.5.3.3

Dar apoio contínuo aos professores

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares desenvolvem um relacionamento atencioso e prestativo com os professores. Depois da reunião inicial de orientação, os líderes se reúnem regularmente com cada professor para saber do que necessitam, discutir as necessidades dos alunos e estudar os princípios explicados nesta seção. Eles incentivam os professores a estabelecerem metas de acordo com o artigo intitulado “Elaborar um plano para melhorar o ensino”, nas páginas 24–27 do manual Ensino, Não Há Maior Chamado.

5.5.3.4

Assegurar-se de que o ensino seja edificante e doutrinariamente correto

Os líderes do sacerdócio e das auxiliares observam cuidadosamente o ensino e aprendizado nas classes dominicais e em outras aulas. Os líderes que não frequentam regularmente cada classe, como os membros da presidência da Escola Dominical e da presidência da Primária, combinam com os professores e assistem às aulas ocasionalmente. Com base em suas observações, os líderes conversam com os professores sobre como melhorar o aprendizado nas classes.

Os líderes se certificam de que os professores usem as escrituras, os ensinamentos dos profetas modernos e os materiais curriculares aprovados conforme explicado nas Instruções para o Currículo vigentes. Eles ajudam os professores a entender como complementar o material curricular com as revistas da Igreja, particularmente as edições das conferências gerais da Liahona.

5.5.4

Professores e líderes

Ao ensinarem o evangelho, os professores e líderes são guiados pelos seguintes princípios.

5.5.4.1

Amar as pessoas que ensinar

Os professores e líderes demonstram amor e preocupação sincera por seus alunos. Aprendem o nome dos alunos. Analisam os dados de frequência para estar cientes dos alunos que não frequentam regularmente. Entram em contato com esses membros fora da classe para incentivá-los a participar.

5.5.4.2

Ensinar pelo Espírito

Os professores e líderes buscam a orientação do Espírito Santo para preparar e dar as aulas. Buscam essa orientação orando e reconhecendo humildemente sua dependência do Senhor. Durante a aula, convidam o Espírito a estar presente, prestando testemunho das doutrinas que ensinam.

5.5.4.3

Ensinar a doutrina

Os professores e líderes usam as escrituras, os ensinamentos dos profetas modernos e os materiais curriculares aprovados para ensinar as doutrinas do evangelho e prestar testemunho delas. Os materiais curriculares aprovados para cada classe ou quórum estão listados nas Instruções para o Currículo vigentes. Quando necessário, os professores e líderes complementam o material curricular com as revistas da Igreja, particularmente as edições das conferências gerais da Liahona.

5.5.4.4

Incentivar o aprendizado diligente

Os professores e líderes incentivam os alunos a serem responsáveis por seu próprio aprendizado do evangelho como indivíduos, na família e durante as aulas. Incentivam os alunos a levarem consigo para as aulas suas próprias escrituras, onde isso for possível. Os professores e líderes dão aos alunos oportunidades de participar ativamente dos debates e convidam os alunos a viver o evangelho e receber as bênçãos prometidas.

5.5.5

Presidente da Escola Dominical da ala e seus conselheiros

Os membros da presidência da Escola Dominical da ala servem como recurso para ajudar outros líderes no empenho de reforçar o ensino e o aprendizado do evangelho. Podem ser convidados a ajudar os líderes na tarefa de orientar, instruir e dar apoio contínuo aos professores.

5.5.6

Recursos impressos e online para o ensino e o aprendizado

Para ajudar os membros a melhorar o ensino e o aprendizado do evangelho, a Igreja oferece duas publicações: Ensinar à Maneira do Salvador e o Guia de Ensino. Esses recursos estão disponíveis em formato impresso, em ChurchofJesusChrist.org e no aplicativo Biblioteca do Evangelho. Outros recursos também estão disponíveis em ChurchofJesusChrist.org.

5.5.7

Reuniões de conselho dos professores

O conselho da ala, com o auxílio da presidência da Escola Dominical, supervisiona as reuniões de conselho dos professores. Na maioria dos casos, um membro da presidência da Escola Dominical dirige as reuniões. Outros membros da ala podem ser designados para dirigir as reuniões ocasionalmente. Para mais informações, ver Ensinar à Maneira do Salvador.

Cada ala deve realizar trimestralmente uma reunião de conselho de professores na qual possam trocar ideias sobre os princípios de como ensinar à maneira do Salvador. Os professores participam das reuniões de conselho dos professores trimestralmente durante o horário das aulas de 50 minutos. As reuniões de conselho são realizadas de acordo com a seguinte programação:

  • Os professores do sacerdócio, da Sociedade de Socorro e das Moças podem participar no primeiro ou no terceiro domingo conforme determinado pelos líderes locais.

  • Os professores da Escola Dominical podem participar no segundo ou no quarto domingo conforme determinado pelos líderes locais.

  • Os professores da Primária podem participar em qualquer domingo conforme determinado pela presidência da Primária e da Escola Dominical. Se necessário, os professores da Primária podem se reunir separadamente dos outros professores para se aconselharem a respeito das necessidades específicas relacionadas ao ensino de crianças. Mais de um conselho de professores da Primária pode ser realizado durante o trimestre a fim de que eles não se ausentem das aulas da Primária todos ao mesmo tempo.

  • Em unidades pequenas, pode ser difícil realizar as reuniões de conselho dos professores durante as reuniões dominicais regulares. Nessas unidades, as reuniões de conselho dos professores podem ser feitas trimestralmente em uma reunião de conselho da ala ampliada que inclua todos os professores. Ou podem ser feitas fora dos horários das reuniões dominicais regulares.

5.5.8

Presidente da estaca e seus conselheiros

O presidente da estaca e seus conselheiros ensinam o evangelho pelo poder do Espírito e pelo exemplo pessoal. Eles dirigem o trabalho de assegurar que o ensino na estaca seja edificante e doutrinariamente correto.