2021
Uma doutrina gloriosa
anterior próximo

Mulheres da Restauração

Uma doutrina gloriosa

Que todos sintamos a mesma empolgação vivenciada por Vilate Kimball ao saber que poderia ser batizada por seus ancestrais.

Ilustração: Toni Oka

Em outubro de 1840, Vilate Kimball, com 34 anos de idade, escreveu uma carta para seu esposo, élder Heber C. Kimball, do Quórum dos Doze Apóstolos. “O presidente [Joseph] Smith apresentou um novo e glorioso assunto (…) que tem dado um novo ímpeto à Igreja”, escreveu Vilate para Heber, que estava servindo sua segunda missão na Grã-Bretanha. O assunto do ensinamento de Joseph Smith nessa ocasião era o batismo por aqueles que não tiveram a oportunidade de ser batizados em vida.

“Joseph recebeu uma explicação mais completa sobre o assunto por meio de revelação”, relatou ela. “Os membros desta Igreja têm o privilégio de ser batizados por seus parentes que tenham falecido antes de este evangelho vir à luz.” Vilate comemorou o recebimento da revelação, pois, ao realizar esses batismos por procuração em favor de familiares falecidos, “agimos como agentes por eles e lhes damos o privilégio de ressurgir na manhã da Primeira Ressurreição”.

A família Kimball havia se mudado de Nova York para estar com os santos em Kirtland, Ohio, e depois eles se mudaram para Far West, Missouri. Apenas um ano depois, em 1839, eles precisaram fugir do Missouri com outros milhares de santos dos últimos dias para escapar da perseguição nas mãos de turbas violentas. Estabeleceram seu lar em Nauvoo, a centenas de quilômetros de onde sua jornada havia começado.

Apesar de sua chegada a Nauvoo ter acontecido em circunstâncias difíceis, a carta de Vilate para seu esposo em outubro de 1840 estava repleta de empolgação. “Quero ser batizada por minha mãe”, exclamou. “Pensei em esperar até você voltar, mas, da última vez que Joseph falou sobre o assunto, aconselhou todos a se apressarem para libertar seus amigos do cativeiro o mais rápido possível. (…) Assim, vemos que todos terão uma chance. Não é uma doutrina gloriosa?”

Vilate foi uma das primeiras mulheres a ser batizada pelos mortos em Nauvoo.