Liahona
Minhas dúvidas e o amor de Cristo
Notas de rodapé

Hide Footnotes

Tema

Apenas digital: Jovens adultos

Minhas dúvidas e o amor de Cristo

Descobri que ver minhas dúvidas como “dificuldade de entendimento” me ajuda a seguir em frente com fé em Cristo.

No fim de um devocional com o presidente Russell M. Nelson para jovens adultos, ele nos abençoou “para sermos capazes de discernir o certo do errado, as leis de Deus e as opiniões conflitantes do mundo”. Ele nos abençoou “com poder para detectar as trapaças do adversário (…) [e] com mais capacidade de receber revelação”.1 Que grande bênção para nós, jovens adultos! Tenho tido minhas próprias experiências sobre como receber revelação a respeito de dúvidas.

Sou uma pessoa naturalmente curiosa que geralmente pensa demais sobre tudo. Questionar e ansiar por respostas sempre fizeram parte de minha natureza, e a verdade sempre foi muito importante para mim. Mas, com o passar dos anos, às vezes me senti sozinha ou envergonhada por ter perguntas e até dúvidas sobre o evangelho e a Igreja. Afinal, as escrituras nos dizem para “não duvidar” (Doutrina e Convênios 6:36). E o Salvador perguntou a Pedro: “Homem de pouca fé, por que duvidaste?” (Mateus 14:31.)

Perceber a dificuldade de entendimento

A certa altura, minha fé parecia desoladora. No entanto, Deus pôde me ensinar uma bela lição ao ler o Livro de Mórmon. Depois que Cristo pregou aos nefitas, Ele percebeu uma coisa. Ele disse: “Percebo que sois fracos, que não podeis compreender todas as palavras que o Pai me ordenou que vos dissesse nesta ocasião” (3 Néfi 17:2).

Senti como se Cristo estivesse falando aquelas palavras para mim. Eu também sentia que era fraca e não conseguia compreender tudo o que Ele queria que eu soubesse. A reação de Cristo diante dessa fraqueza tocou meu coração: Cristo viu o amor dos nefitas e, embora eles fossem fracos demais para entender Suas palavras, Ele ministrou a eles e os amou de maneira que conseguiram entender.

Nos momentos em que me sinto muito fraca, muito cansada ou fragilizada demais para entender as palavras de Cristo, Ele me abençoa com compaixão e entendimento. Seu amor é o que me dá forças para seguir em frente e para continuar a buscar as verdades que anseio descobrir.

Sentir o amor de Cristo enquanto buscamos a verdade

Se você está tendo dificuldade para entender uma verdade ou doutrina agora, não se preocupe. Não há problema algum em ter dificuldade de entender coisas difíceis ou ter perguntas ou receios que o façam ponderar a essência de suas crenças. Enquanto estiver buscando a verdade, lembre-se de que Deus entende você, que Ele o ama e fica feliz quando você usa seu arbítrio para buscar luz. Não há nada para se envergonhar disso. O élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos, disse: “Foi justamente a luta contra as trevas e o desespero e a busca pela luz que iniciaram esta dispensação. E é isso que a sustém e que há de suster vocês”.2

Podemos saber a verdade de todas as coisas por meio do poder do Espírito Santo (Morôni 10:5), mas raramente isso acontece de imediato ou necessariamente quando queremos. Em vez disso, aprendemos “linha sobre linha, preceito sobre preceito” (2 Néfi 28:30). Conhecemos a verdade no tempo do Senhor. Ele sabe quando estamos prontos para o conhecimento, e Ele sabe pelo que precisamos passar antes de recebê-lo.

Sou grata por um Deus que nos ensinará em nossas fraquezas e que permitirá que primeiro tenhamos esperança, depois acreditemos e que por fim conheçamos. Sei que podemos conhecer a verdade por meio de revelação pessoal, assim como prometeu o presidente Nelson. O Pai Celestial Se importa com nossas perguntas e vai nos guiar para encontrarmos as respostas. Às vezes, Sua resposta é para mudar nosso coração, para que possamos ver as coisas sob uma luz nova e, às vezes, só temos que ser pacientes e fiéis, e “[preparar] a mente para amanhã” para que Ele nos ensine depois (ver 3 Néfi 17:3).

Sei que não importa qual seja o conhecimento que ainda não temos, podemos continuar com esperança e fé, na esperança de que tudo será revelado um dia. Até lá, podemos continuar a nos aproximar de Cristo, que vê nossas fraquezas e segue nos amando da mesma maneira.