Liahona
Lucy usou seus dons espirituais
Notas de rodapé

Hide Footnotes

Tema

As primeiras mulheres da Restauração

Lucy usou seus dons espirituais

Tal como Lucy Mack Smith, cada um de nós pode receber revelação. Todos temos dons espirituais exclusivos que podem abençoar nossa família e a Igreja.

Ilustração: Toni Oka

Era outubro de 1838, e Lucy Mack Smith agarrou as mãos de seus filhos Hyrum e Joseph antes de serem levados. As autoridades governamentais tinham ordenado que os santos fossem expulsos da região. Vários líderes da Igreja foram presos por soldados, e um tribunal marcial ilegal os condenou ao fuzilamento. Lucy se perguntou se algum dia iria revê-los.

O que poderia ajudar uma mãe a suportar uma provação dessa natureza? Anos mais tarde, Lucy relembrou aquele momento e recordou que foi fortalecida por uma mensagem de consolo recebida “pelo dom da profecia”: “Que teu coração seja confortado a respeito de teus filhos, eles não serão feridos por seus inimigos”.1

Essa experiência deu a Lucy e à sua família “um consolo que superou todo o conforto terreno”.

A família Smith e muitas outras famílias de santos dos últimos dias foram expulsas do Missouri. Depois de encontrar refúgio no estado vizinho de Illinois, Lucy e Joseph Smith Sr. tentaram obter informações sobre seus filhos, mas não encontraram respostas. O Espírito novamente falou dando paz à alma de Lucy, dizendo-lhe que Hyrum e Joseph chegariam na noite seguinte.

O bispo Edward Partridge, que estava com Lucy quando ela recebeu essa revelação, expressou dúvida: “Sempre acreditei em você antes, mas não vejo nenhuma perspectiva de cumprimento dessa profecia; mas, se assim for, nunca mais contestarei sua palavra”.

Ao dormir naquela noite, Lucy teve uma visão de seus filhos fracos e famintos viajando pelas pradarias. Lucy se preparou para quando eles voltassem para casa — e eles realmente chegaram no dia seguinte. Descreveram uma jornada que correspondia exatamente ao que ela tinha visto. Depois disso, o bispo Partridge disse que reconheceria para sempre Lucy “como uma verdadeira profetisa”.