A Liahona
    Ministrar por meio da história da família
    Notas de rodapé
    Theme

    Princípios para ministrar como o Salvador

    Ministrar por meio da história da família

    tree branches

    Ajudar alguém com sua história da família é um modo vigoroso de ministrar. Ao ligar as pessoas a seus antepassados por meio de histórias e detalhes sobre a família, você acaba preenchendo lacunas no coração delas que muitas vezes elas nem sabiam que tinham (ver Malaquias 4:5–6).

    Seja alguém que é membro a vida inteira ou alguém que nunca ouviu falar do evangelho restaurado de Jesus Cristo, todos os filhos de Deus têm o anseio de conhecer algo a respeito de onde vieram.

    Geralmente não leva muito tempo para deixar uma impressão profunda e duradoura conforme demonstrado nas histórias a seguir.

    Encontrar a família a mais de 9 mil metros

    Recentemente, num voo de volta para casa, vi-me ao lado de Steve, que me contou parte de sua história pessoal. Ele se formou no Ensino Médio, alistou-se no exército dos EUA como especialista em comunicações aos 18 anos de idade e logo começou a trabalhar na Casa Branca, dando suporte de comunicações para o presidente dos Estados Unidos. Dos 18 aos 26 anos, serviu a dois presidentes norte-americanos. Suas histórias eram fascinantes!

    “Steve”, disse eu, “você tem que escrever essas histórias para sua posteridade! Eles precisam ter essas histórias em primeira mão, do seu ponto de vista”. Ele concordou.

    Depois, o Espírito me inspirou a perguntar o que ele sabia a respeito de seus antepassados. Steve sabia muita coisa do lado de sua mãe, inclusive a história de como sua família tinha jantado com Abraham Lincoln quando ele estava fazendo campanha pelo país, na eleição presidencial de 1860, nos EUA.

    No entanto, conhecia muito pouco sobre o lado paterno. Ele tinha muita vontade de conhecer mais. Peguei meu celular e abri o aplicativo do FamilySearch. “Steve, podemos encontrar sua família agora mesmo!”

    Conectei o celular ao Wi-Fi do avião. Coloquei o aparelho sobre a mesinha à minha frente para que ambos pudéssemos vê-lo. Pesquisamos a Árvore Familiar. Em minutos, estávamos os dois olhando para a certidão de casamento de seu bisavô com sua bisavó.

    “São eles!”, exclamou ele. “Lembrei-me agora do sobrenome dela!”

    Sentimo-nos imbuídos de um espírito de entusiasmo. Trabalhamos na criação de perfis para seus antepassados menos conhecidos nos 45 minutos que se seguiram. Ele me pediu que lhe prometesse que continuaríamos a pesquisar juntos no Colorado. Trocamos informações de contato quando o avião estava aterrissando.

    Lá estávamos nós, voando a mais de 9 mil metros de altura, com um pequeno dispositivo na mão, procurando um homem e uma mulher que se casaram havia cem anos e que estavam perdidos para ele e sua família. Incrível! No entanto, nós os encontramos. Famílias foram interligadas. Histórias foram lembradas. Tivemos um sentimento de gratidão pela tecnologia e pelas ferramentas. Foi um verdadeiro milagre.

    Jonathan Petty, Colorado, EUA

    Uma nova família ao seu redor

    women hugging

    ILUSTRAÇÃO: JOSHUA DENNIS; IMAGEM DE FUNDO E DO TELEFONE CELULAR: GETTY IMAGES

    Maria tinha ficado menos ativa por mais de 20 anos. Uns meses atrás, passamos algumas horas com ela em casa, pesquisando a família dela em recenseamentos e outros registros. Em certo ponto, ela caiu em pranto, exclamando: “Aprendi mais sobre minha família em duas horas do que eu sabia sobre ela durante toda a minha vida!”

    No final de nossa reunião, apresentamos a ela o recurso Parentes ao Meu Redor, do aplicativo Árvore Familiar. Acabamos descobrindo que meu marido e eu éramos parentes distantes de Maria. Ela novamente rompeu em lágrimas, dizendo que achava estar sozinha. Nunca soubera que tinha familiares na região. Algumas semanas depois, Maria foi falar com nosso bispo. Ela está se empenhando para preencher os requisitos para entrar no templo e conheceu muitos “novos” primos em nossa ala!

    Carol Riner Everett, Carolina do Norte, EUA

    Receita para ministrar como o Salvador

    Ashley, uma irmã a quem ministro, e eu temos um livro de receita de nossas respectivas avós. O dela é de sua bisavó, e o meu é um livro que compilei quando herdei a caixa de receitas da vovó Greenwood depois que ela morreu.

    Ashley e eu escolhemos uma receita cada uma de nossos livros de receitas e nos reunimos depois do trabalho, certa noite, para tentar prepará-las. Ela escolheu uma receita de bolo de baunilha, e nós a preparamos primeiro e a colocamos no forno. Eu escolhi um molho rosé para batata frita, que é um petisco que não pode faltar em todas as festas da família Greenwood. A filha de Ashley, Alice, ajudou-nos a provar os pratos. Depois, como Ashley não queria que seus filhos comessem todo o bolo, cortou-o em pedaços e os levou para as irmãs a quem ela ministra.

    A meu ver, a melhor parte da nossa noite de receitas foi que, ao cozinharmos e assarmos os pratos, conversamos sobre todos os assuntos referentes à ministração: as dificuldades que ela enfrentava e as minhas. Mas também conversamos sobre nossas avós e mães, o que foi uma experiência muito terna para nós duas.

    Jenifer Greenwood, Utah, EUA

    Maneiras específicas de ajudar

    A história da família pode abrir portas para oportunidades de ministração quando nada mais parece conseguir. Aqui vão algumas ideias para você experimentar.

    • Ajude-os a fazer o upload de fotos de familiares no FamilySearch.

    • Ajude-os a gravar e fazer o upload de arquivos de áudio de histórias da família, em especial as que correspondem às fotos.

    • Crie um gráfico em leque ou outro documento de história da família que possa ser impresso e dado de presente.

    • Ensine maneiras de compilar a própria história deles, fazendo um diário de um modo que lhes seja divertido e interessante. Diário em áudio? Diário de fotos? Blogs com vídeos? Há muitas opções para os que preferem não usar um formato padrão de diário.

    • Vá ao templo com eles a fim de realizar ordenanças pelos antepassados. Ou se ofereça para realizar ordenanças para os familiares deles caso eles tenham mais nomes do que podem fazer por si mesmos.

    • Reúnam-se para compartilhar tradições de família.

    • Façam juntos um curso de história da família.