A Liahona
    Como conversar com meus filhos sobre saúde mental?
    Notas de rodapé
    Theme

    Como conversar com meus filhos sobre saúde mental?

    image of child with storm clouds in their mind

    Ilustrações: David Green

    Cinco maneiras de iniciar uma conversa

    • Sentimentos incômodos fazem parte da vida. Não há problema em sentir raiva, tristeza ou preocupação algumas vezes. Esses sentimentos nem sempre significam que você fez algo errado.

    • Sabe como os médicos ajudam quando você quebra uma perna? Há também pessoas que podem ajudar com pensamentos e sentimentos de frustração. Devemos pedir ajuda quando precisamos.

    • Os erros fazem parte de nosso aprendizado e crescimento aqui na Terra. Ninguém é perfeito! O Pai Celestial nos ama mesmo quando cometemos erros. Ele quer que todos continuemos tentando.

    • Algumas atividades, como respirar fundo, conversar com alguém, praticar esportes ou desenhar, podem ajudá-lo a se sentir melhor quando estiver chateado. Não devemos fazer coisas que prejudiquem a nós mesmos, outras pessoas ou animais.

    • Às vezes as pessoas se sentem frustradas ou têm pensamentos perturbadores que não desaparecem. Algumas pessoas têm outros problemas com a maneira como sua mente funciona. Não é culpa delas. Devemos ser gentis e prestativos com todos e tratá-los como Jesus Cristo faria.

    Dicas de conversa

    • É importante fazer perguntas aos seus filhos sobre os pensamentos e sentimentos deles e, depois, ouvir atentamente. As perguntas podem incluir: Com o que você tem se preocupado ultimamente? Que mudanças estão ocorrendo em sua vida? Você tem notado algum sentimento novo ultimamente? Você tem alguma pergunta que queira fazer a alguém?

    • As perguntas de seus filhos são importantes. Elas podem ajudá-lo a saber o que seus filhos estão prontos a aprender. Em vez de despejar tudo o que você sabe sobre determinado assunto de uma só vez numa criança, responda à pergunta com informações simples. Depois, peça-lhes que respondam. Se eles não tiverem mais perguntas, talvez o básico seja o suficiente por enquanto. Se eles tiverem mais perguntas, talvez estejam prontos para mais detalhes.

    • Evite entrar em discussões com seu filho sobre os sentimentos que ele externar mesmo que esses sentimentos não correspondam à sua percepção da situação.

    • Às vezes, escrever é mais fácil do que falar. Se as conversas não estiverem indo bem, tente pedir ao seu filho que escreva ou faça um desenho sobre como ele se sente.

    Ideias de atividades

    • Para crianças pequenas, desenhe rostos para representar diferentes sentimentos e ajude seus filhos a identificá-los.

    • Reúna ideias com seus filhos e faça uma lista de atividades para usar quando eles estiverem chateados.

    • Pense em alguém que esteja triste ou enfrentando algum tipo de dificuldade. O que sua família pode fazer para demonstrar amor a essa pessoa?

    • Leia e converse sobre histórias da revista Liahona em que os membros da Igreja enfrentaram provações com fé em Deus.

    Preciso de ajuda!

    Se você sentir que as emoções e o comportamento de seu filho estão fora de controle ou se a saúde mental dele estiver em risco, entre em contato com um profissional de saúde mental. (Há um artigo a seguir com dicas sobre esse processo.) Seu bispo pode ajudá-lo a entrar em contato com os Serviços Familiares ou outros recursos de aconselhamento em sua área. Você é amado e não está sozinho!