Criados à Sua imagem
    Notas de rodapé

    Jovens adultos

    Criados à Sua imagem

    Nosso corpo não foi criado para ser exposto, elogiado ou julgado por padrões distorcidos de aparência. Foi criado para que possamos ter a vida eterna.

    woman looking at herself in a compact hand mirror

    Fotografias: Getty Images

    Na era digital, somos bombardeados por mensagens que dizem que nosso corpo não é bom o suficiente a menos que tenha determinado tamanho ou forma. Algumas postagens nas mídias sociais parecem sugerir que devemos ingerir apenas shakes verdes feitos com ingredientes orgânicos e correr 15 quilômetros por dia para conseguir alcançar o corpo “perfeito” e, assim, ser adorados por amigos, familiares e até mesmo desconhecidos.

    Muitos de nós sentem vergonha do que consideramos ser imperfeições em nosso corpo. Sentimos que, uma vez que não conseguimos ser perfeitos — já que não nos parecemos com algum modelo do Instagram —, não somos dignos de amor e aceitação.

    No entanto, nada poderia estar mais longe da verdade. Nosso corpo é uma dádiva de Deus. Ele não foi criado para ser exposto, elogiado ou julgado por padrões distorcidos de aparência. Foi criado para que possamos ter a vida eterna.

    Verdades divinas

    Na vida pré-mortal, o Pai Celestial apresentou Seu plano de salvação aos espíritos no céu. Como parte de Seu plano, receberíamos um corpo para vivenciar as experiências da mortalidade na Terra. Com nosso corpo físico, usaríamos nosso arbítrio para aprender o evangelho e receber as ordenanças que nos permitiriam voltar a viver com Ele como seres ressuscitados.

    Então, colocando o plano em prática: “Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou, macho e fêmea os criou” (Gênesis 1:27). Uma vez que o Pai Celestial tem um corpo de carne e ossos (ver Doutrina e Convênios 130:22), receber seu próprio corpo lhe proporciona o potencial de se tornar como Ele. O corpo físico não é apenas uma embalagem inconveniente para nosso espírito, mas é necessário para nossa salvação e exaltação.

    Não somos chamados a manter determinado peso ou a obedecer a ideais de beleza de determinada sociedade. Somos chamados a servir a Deus e nos tornarmos mais semelhantes a Jesus Cristo. Somos chamados a proclamar o evangelho, criar uma família justa para o Senhor e seguir o caminho do convênio para voltar ao nosso Pai Celestial.

    Mentiras de Satanás

    Se ter um corpo é uma bênção tão grande, por que tantas pessoas têm problemas com a imagem corporal ou são obsessivas com a aparência física? Por que tantas pessoas olham o próprio corpo com repulsa, em vez de demonstrarem amor e atenção pelo que receberam?

    Nosso corpo é um privilégio e uma dádiva. Um motivo pelo qual Satanás nos influencia a ter dificuldades para amar e apreciar nosso corpo talvez seja o fato de ele não ter um. Ele rejeitou o plano de salvação e foi expulso do céu, sem nunca poder vivenciar as grandes alegrias ou dores da mortalidade. Ele pode nos tentar a pensar que nosso corpo não é bom o suficiente, que precisamos chegar a extremos perigosos ou pouco saudáveis para alcançar os padrões de “beleza” do mundo. Quando acreditamos que devemos ser perfeitamente atraentes a fim de sermos dignos de amor, nosso ponto de vista se torna desequilibrado e o adversário pode sussurrar pensamentos de inadequação, indignidade e ódio em nossa mente.

    Satanás gostaria que esquecêssemos que fomos criados à imagem de nossos Pais Celestiais e que nosso valor eterno não depende de nossa aparência. O adversário sabe que, se nos concentrarmos em nosso corpo, desviaremos a atenção das coisas mais importantes: nossos valores, nossos relacionamentos com as pessoas e nosso relacionamento com Deus. O adversário quer que nos preocupemos tanto com nossa aparência ou nosso peso a ponto de nos esquecermos do trabalho que fomos chamados a fazer para cumprir o plano de felicidade.

    Investidos de poder

    Nosso corpo é uma dádiva de Deus e é essencial em nosso objetivo de progredir no caminho do convênio. Entender que ter um corpo é um privilégio negado àqueles que escolheram o plano de Lúcifer em vez de seguir o Pai Celestial e Jesus Cristo é incrivelmente fortalecedor. Precisamos de nosso corpo para receber as ordenanças do templo, onde também podemos aprender as belas verdades sobre o propósito e o potencial de nosso corpo. Nossa participação física nas ordenanças do sacerdócio é necessária para nos preparar para a vida eterna. É por isso que precisamos realizar o trabalho do templo pelos mortos, cujo espírito atualmente está separado do corpo. Eles não podem fazer isso por si mesmos.

    Perceber que grande privilégio é ter um corpo pode minimizar as inseguranças que talvez tenhamos sobre nosso corpo e substitui-las por gratidão.

    woman making a heart with her thumb and index fingers

    Uma doce reunião

    Algum dia, cada um de nós também vai morrer. Nosso corpo ficará temporariamente separado de nosso espírito até ressuscitarmos. Quando ressuscitarmos, todos os membros, fios de cabelo e juntas de nosso corpo físico “serão [restaurados] na sua própria e perfeita estrutura” (Alma 40:23). Imagino que essa seja uma doce reunião quando tocarmos, sentirmos, cheirarmos, ouvirmos e vermos com força e vigor renovados. Imagino-me aproximando-me de minha família, de braços abertos para abraçá-los. Não me imagino me preocupando com as estrias que surgiram devido a meu rápido crescimento ou com a camada extra de gordura em minha cintura. Essas coisas não existirão. Imagino que conseguiremos ver a nós mesmos e aos outros da maneira como o Salvador nos vê, e em nosso corpo nos reuniremos com Deus (ver 2 Néfi 9:4).

    Nosso corpo nos foi dado para que cumpramos a medida de nossa criação e recebamos uma coroa de glória na presença de Deus, o Pai (ver Doutrina e Convênios 88:19). Isso só é possível por causa da Expiação e Ressurreição de Jesus Cristo, que nos redime da morte e do pecado. Se usarmos nosso corpo para realizar o trabalho que fomos chamados a fazer, em vez de nos concentrar em nossa aparência física, conseguiremos alcançar melhor nosso pleno potencial nesta vida e na próxima.