O Espírito de Equipe Une os Membros do Quórum
    Notas de rodapé

    O Espírito de Equipe Une os Membros do Quórum

    Uma das grandes notícias que virá da África no meio deste ano refere-se ao futebol. Mas não é a respeito da Copa do Mundo.

    Os principais times de futebol do mundo todo estão-se apresentando este mês na África do Sul, esperando vencer a Copa do Mundo. Os integrantes das equipes dependem uns dos outros, dos treinadores e dos fãs para chegarem às finais. É palpável o espírito de equipe existente entre os jogadores e os torcedores de cada país. Isso pode ser sentido no ar.

    Mas, nenhum membro das equipes será mais leal para com os outros, seus treinadores e seus admiradores do que os membros do quórum de sacerdotes da Ala Kagiso, Estaca Soweto África do Sul, ainda que não estejam participando da Copa do Mundo. Há pouco mais de um ano, cinco desses rapazes conheceram a Igreja por meio de seu treinador de futebol que, por sua vez, era um recém-converso. Eles estão agora no coração de outro “time”— o quórum de sacerdotes — e trabalhando com outro “treinador”— o bispo — enquanto vivem diariamente o evangelho e preparam-se para servir como missionários de tempo integral.

    O Treinador Solomon Foi Sábio

    Da mesma forma que muitas outras pessoas na África do Sul, Solomon Eliya Tumane gosta muito de futebol. Ele passa horas incontáveis toda semana treinando o Clube de Futebol Hurricanes. Gosta de seus jogadores e se regozija com suas vitórias. Por sua vez, eles o admiram e respeitam. Assim, quando o Treinador Solomon se filiou à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, seus jogadores ficaram curiosos.

    “Ele vinha direto da aula do instituto para o treino”, disse Siyabulela Manyakanyaka, de dezessete anos, conhecido por “McDonald”. “Podíamos ver as escrituras e as revistas da Igreja em sua mochila; assim, começamos a fazer-lhe perguntas e, em resposta, ele lia para nós”, disse Thapelo Benjamin Sesinyi, de dezessete anos.

    “Eu me sentia ansioso por ensinar a esses jovens, pois os amava muito”, diz o treinador Solomon. “Quero que sigam o caminho certo. Eu disse a um deles: ‘Seria bom para você ler as escrituras’; assim, todos começaram a ler as escrituras. Apreciaram tanto, que lhes ensinei a respeito da oração. Então, certo dia, eles me surpreenderam. Cheguei cedo para o treino e estava tirando uma soneca, quando eles me acordaram e disseram: ‘Treinador, precisamos visitar sua igreja’. Esse foi um dia do qual nunca me esquecerei. Naquele momento, soube que estavam no caminho certo”.

    Com a Aprovação

    Mas o treinador não podia continuar sem a aprovação dos pais. Ele foi à casa de cada jogador, perguntar se não havia problemas em convidá-los para ir à Igreja. Os pais concordaram. “Fomos à igreja três semanas seguidas”, lembra-se Thapelo. “Queríamos aprender cada vez mais.” Assim, o treinador pediu a permissão dos pais novamente. Desta vez foi para que estudassem com os missionários de tempo integral. Uma vez mais os pais concordaram.

    “Os missionários deram um exemplar do Livro de Mórmon a cada um de nós”, disse McDonald. “Eles nos disseram que o lêssemos e orássemos a respeito, pois ele era verdadeiro, e assim fizemos. Eu orei, li e descobri que o Livro de Mórmon é verdadeiro”. Assim aconteceu com outros jogadores que foram, então, batizados e confirmados. Cinco dos membros do time são agora santos dos últimos dias.

    Objetivos do Evangelho

    A maioria das equipes estabelece metas para a próxima temporada, mas esses seis jovens Hurricanes também miram outra meta num futuro não muito distante. Com a orientação do bispo Bongani Mahlubi, a quem consideram um treinador espiritual, estão-se preparando para o serviço missionário de tempo integral.

    “Eles são uma grande força para nossa ala”, diz o bispo. “São parte de um grande time de portadores do Sacerdócio Aarônico e de Melquisedeque de todo o mundo. Esses rapazes fazem tudo juntos: vão para a escola, jogam futebol, frequentam o seminário e juntos servem no sacerdócio. Se chamo um rapaz para perguntar-lhe se pode ajudar, tenho a ajuda de todos os cinco”. McDonald diz que os rapazes do quórum de sacerdotes estudam regularmente o manual Pregar Meu Evangelho, e Thapelo acrescenta que, além de convidar amigos para ir à Igreja, os membros do quórum procuram os que não frequentam mais. “Estamos, de muitas formas, aprendendo agora a ser missionários”, diz ele.

    “Muitas vezes ouvimos esses jovens falarem na reunião de testemunhos”, diz o bispo. “Muitas vezes prometem ao Treinador Solomon que servirão em uma missão de tempo integral.” Não há nada que faça seu treinador de futebol mais feliz. “Mal posso esperar que sirvam”, diz Solomon.

    A união, o conhecimento do evangelho e a orientação relativa ao serviço, são, todas, partes de um regime sólido de treinamento para futuros missionários. E, além disso, esses rapazes já desenvolveram uma grande vontade de trabalhar juntos fazendo o bem. Assim como os times de futebol que competem pela Copa do Mundo, eles dependem uns dos outros, dos treinadores e dos fãs (inclusive dos membros da ala, das famílias e dos amigos) para fazer com que realizem seu “campeonato”. Com esse tipo de espírito de equipe, seus objetivos serão alcançados.

    Os colegas de time, Siyabulela “McDonald” Manyakanyaka, Thapelo Sesinyi, Emmanuel Pebe e Lawrence Tsetse afiliaram-se à Igreja, em parte devido ao exemplo de seu treinador, Solomon Tumane (ao centro).

    Fotografias: Richard M. Romney