2002
Alguns Ensinamentos Básicos Extraídos da História de Joseph Smith
anterior próximo

Alguns Ensinamentos Básicos Extraídos da História de Joseph Smith

A conversão é um processo pessoal e espiritual. Cada um deve examinar esses princípios sozinho.

A história de Joseph Smith foi escrita para que soubéssemos dos fatos relativos à restauração da Igreja nestes últimos dias. A essência da história é uma demonstração de confiança nas promessas do Senhor e uma fonte de alegria e certeza para todos os que crêem.

Já tive oportunidade de lê-la muitas vezes e em diferentes situações. Fiquei impressionado com ela quando criança; serviu-me de guia e fonte de força quando era adolescente; partilhei-a com coragem e entusiasmo quando jovem, ao servir como missionário e, até hoje, ainda fico atônito ao lê-la e sinto-me profundamente grato por ela. Desde que Joseph Smith recebeu a Primeira Visão, esse fato tem sido uma bênção e um dom de fé para todo o crente sincero; é um convite aberto para aqueles que procuram a verdade e um desafio permanente para o incrédulo.

Para aqueles que ainda não são membros da Igreja, sugiro que leiam o testemunho de Joseph Smith com a mente aberta e real intenção. Vocês sentirão sua sinceridade e conhecerão a respeito do estabelecimento da Igreja, de como foi restaurada de modo miraculoso!

Embora haja um amplo conteúdo espiritual nessa história fascinante, limitarei meus comentários à exposição de cinco princípios que, assim como ajudaram o jovem profeta, ajudarão vocês a conhecerem a Deus.

Princípio 1: Ter o desejo sincero de conhecer a verdade

Joseph Smith tinha um desejo profundo de conhecer a Deus e de fazer Sua vontade. Vocês podem ter o mesmo desejo, e o próprio Deus pode guiá-los até a verdade. Quando vocês reconhecerem a verdade, façam tudo o que puderem para viver de acordo com ela.

Princípio 2: Saber a importância da leitura das escrituras

Joseph Smith conhecia as escrituras porque as estudava. Ele disse: “Li um dia na Epístola de Tiago, primeiro capítulo, versículo cinco, o seguinte: E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada.” JS—H 1:11

Durante seu curto ministério, Joseph Smith também recebeu muitas outras revelações importantes que foram resultado de sua leitura das escrituras. Vocês precisam estudá-las para poderem aproximar-se de Deus, que é a fonte de toda a verdade.

Princípio 3: Saber o valor da oração

O jovem Joseph disse:

“Finalmente cheguei à conclusão de que teria de permanecer em trevas e confusão, ou fazer como Tiago aconselha, isto é, pedir a Deus. (…)

Era a primeira vez na vida que fazia tal tentativa, pois em meio a todas as ansiedades que tivera, jamais havia experimentado orar em voz alta. (…)

Ajoelhei-me e comecei a oferecer a Deus os desejos de meu coração.” (…)

Descobrira ser verdadeiro o testemunho de Tiago: que um homem que necessitasse de sabedoria podia pedi-la a Deus e obtê-la, sem ser repreendido.” (JS—H 1:13–15, 26)

Nosso Pai Celestial, como um pai perfeito, conhece todas as necessidades espirituais e materiais que vocês têm e quer abençoá-los, e por isso lhes deu o mandamento de procurá-Lo e de pedir coisas a Ele.

Joseph descobriu a verdade porque orou. Em nossa época, milhões de membros da Igreja também testificam da realidade da restauração porque, seguindo esse conselho, pediram ao Senhor com fé. Vocês têm o mesmo direito de receber uma resposta para suas orações porque um testemunho é um dom de Deus dado somente àqueles que pedem com real intenção. Experimentem, e a promessa se cumprirá.

Princípio 4: Descobrir a bênção da meditação

Joseph Smith meditava muito. Ele pensava, analisava, comparava e tentava achar respostas para o que lia nas escrituras. Ele disse:

“Durante esses dias de grande alvoroço, minha mente foi levada a sérias reflexões e grande inquietação; (…)

Muitas vezes disse a mim mesmo: Que deve ser feito? Quem, dentre todos esses grupos está certo, ou estão todos igualmente errados? Se algum deles é correto, qual é, e como poderia sabê-lo? (…)

Jamais uma passagem de escritura penetrou com mais poder no coração de um homem do que essa, naquele momento, no meu. Pareceu entrar com grande força em cada fibra de meu coração. Refleti repetidamente sobre ela.” (JS—H 1:8, 10, 12)

Meditar sobre verdades eternas significa pensar e fazer perguntas a si mesmo repetidas vezes: “Como posso saber?”, “Como os outros souberam?”

Como vocês podem saber essas coisas? Por favor, reflitam seriamente nisso.

Princípio 5: Experimentar a alegria de ir à igreja

Em seu desejo de conhecer a verdade, Joseph Smith visitou várias denominações religiosas em sua comunidade. Sobre essa experiência com Deus, o Pai, e Seu Filho, Jesus Cristo, ele descreveu claramente as instruções que recebeu a respeito de outras igrejas:

“Perguntei aos Personagens que estavam na luz acima de mim qual de todas as seitas estava certa (pois até aquele momento jamais me ocorrera que todas estivessem erradas) e a qual me unir. (…)

Não era meu dever unir-me a qualquer das seitas, mas continuar como estava até nova orientação.” (JS—H 1:18, 26)

Todos nós precisamos conhecer o reino de Deus na Terra e receber um testemunho de sua verdade. Vamos à Igreja para sentir o Espírito, aprender Sua doutrina, renovar nossos convênios e receber as ordenanças de salvação e exaltação para voltar à presença de Deus com nossa família. Vocês são gentilmente convidados a ir à Igreja e ver por si mesmos todas essas coisas.

A conversão é um processo pessoal e espiritual. Cada um deve examinar esses princípios sozinho. Não é suficiente fazer uma mera tentativa, com dúvidas, temores e falta de confiança. Deus nos promete, devido à Sua misericórdia, que responderá nossas petições de acordo com nossa sinceridade. Apenas aqueles que procuram com real intenção receberão sua resposta, como um dom de Deus, por intermédio do Espírito Santo.

O Espírito Santo também é chamado de Consolador e é aquele que testifica. A Ele devemos nosso conhecimento e nosso testemunho de que Cristo é o Filho de Deus.

Depois que forem batizados, se permanecerem dignos e fiéis a seus convênios, vocês receberão a orientação constante do Espírito Santo por meio de sussurros, idéias, sentimentos, sonhos e avisos.

A história e as escrituras contam-nos a respeito de pessoas que ouviram, conversaram ou obtiveram de alguma outra forma a evidência da existência de Deus e de Seu plano de salvação. Entretanto, muitas delas não permaneceram fiéis a suas convicções.

Aprendemos com isso que não é o que sabemos por intermédio dos nossos sentidos físicos, mas a influência do Espírito Santo, que nos permite entender os propósitos de Deus e segui-Los.

Quando as pessoas aprendem esses princípios básicos e param de praticá-los, elas perdem a luz e a orientação que as ajudam a entender Deus e Seus profetas. O sinal visível disso é que elas mesmas se afastam, tornam-se menos ativas ou até entram em discórdia com a Igreja. Outro sinal, não visível, é que param de praticar um ou mais dos cinco princípios que mencionei:

  1. Eles não têm mais o desejo sincero de saber toda a verdade;

  2. Não lêem mais as escrituras;

  3. Não oram;

  4. Não meditam sobre as verdades eternas;

  5. Não vão mais à Igreja.

É maravilhoso que numa época de grande confusão religiosa, embora não tivesse ainda 15 anos, em meio à oposição, até mesmo perseguição, Joseph Smith paciente e diligentemente demonstrou obediência e mostrou-nos um modo simples, porém eficaz de nos aproximarmos mais de Deus.

Esse processo exige que aprendamos preceito sobre preceito, um pouco aqui e um pouco ali, até que desenvolvamos fé e uma compreensão clara do nosso potencial divino. (Ver 2 Néfi 28:30.)

É nossa responsabilidade valorizar, dia após dia, as impressões que sentimos por meio do Espírito, aplicando constantemente esses cinco princípios.

É minha oração que assim façamos sempre, em nome de Jesus Cristo. Amém.