2002
Caridade: O Amor Perfeito e Eterno
anterior próximo

Caridade: O Amor Perfeito e Eterno

À medida que pensarmos e agirmos cada vez mais como Ele, os atributos do homem natural desaparecerão e serão substituídos pelo coração e mente de Cristo.

Queridos irmãos e irmãs, desejo mais do que nunca neste momento prestar testemunho, meu testemunho pessoal, do amor de Deus por mim, por vocês e por toda a humanidade. Quem seria realmente capaz de expressar sua total gratidão em reconhecimento ao amor de Deus? Como tenho sido abençoado há tantos anos por estar com vocês e por sentir o puro amor de Cristo que vocês transmitem. Tenho uma grande dívida para com vocês e para com Deus.

Definição de caridade

O Senhor disse que caridade é “o puro amor de Cristo”1, é “a maior alegria para a alma”2, “a maior de todas as dádivas de Deus”3, “o amor perfeito, (…) eterno”4.

Como a caridade é algo difícil de descrever, é mais fácil reconhecê-la quando buscamos exemplos na vida de pessoas que a possuem.

  • Vemos a caridade numa avó idosa e inválida que assina um jornal vespertino, sabendo que isso fará com que seu neto, entregador de jornais, venha à sua casa todos os dias onde ela, tendo-o ao seu lado de joelhos, o ensinará a orar.

  • A caridade é demonstrada também na mãe que, em tempos de duras economias e escassez de carne, parece gostar só das asas do frango, para perplexidade de todos os outros membros da família.

  • A caridade manifesta-se no homem que sofre uma punição publicamente, mas que mesmo assim a aceita com humildade.

Não é uma característica comum a todos esses exemplos de caridade a atitude altruísta, o fato de essas pessoas nada esperarem em troca? Todos os nossos atributos divinos parecem brotar da caridade, e ela por sua vez abrange a todos.5 Qualquer homem pode ter o dom do amor, mas a caridade só é concedida aos que são verdadeiros seguidores de Cristo.6

O próprio poder de Deus encontra-se em Seus atributos de santidade.7 O poder do sacerdócio é mantido por esses atributos.8 Nós buscamos essas qualidades, especialmente a caridade, o puro amor de Cristo.9

As coisas que destroem o amor e a paz

Contudo, o demônio existe, o destruidor desse amor, que o substitui por raiva e hostilidade.10 Meu amigo, William, sentia-se assim: hostil. Parecia que qualquer coisa que acontecesse era culpa do Senhor — uma doença, a morte de alguém, uma criança rebelde, uma fraqueza pessoal, uma oração “não respondida” — tudo isso endureceu-lhe o coração. Sua raiva interior, que podia explodir a qualquer momento, foi direcionada a Deus, ao próximo e a si mesmo. De seu coração emanava descrença, teimosia, orgulho, contenda, falta de esperança, de amor e de orientação. Era um homem muito infeliz.

Essas coisas que destroem a paz11 cegaram William para os sentimentos de Deus por ele. Ele não conseguia perceber, tampouco sentir o amor de Deus. Ele não via, especialmente nos momentos difíceis, que Deus o estava abençoando ricamente, mesmo assim. Em vez disso, retribuía o amor com raiva. Será que todos nós já não nos sentimos dessa maneira vez ou outra? Mesmo quando menos merecíamos, Ele nos amou muito. Sem dúvida, Ele nos amou primeiro.12

Sofrimento com propósito — a caridade nos fortalece

Minha amiga cristã, Betty, era exatamente o oposto. Ela enfrentou muitas das mesmas dificuldades que William, mas como sentia o amor de Deus, suportou a tribulação em nome do Salvador13, participou da natureza divina14 e assim desenvolveu fé e amor mais profundos por Deus, além de ter ganhado força para lidar com qualquer problema que porventura surgisse.

Seu amor pelos outros cresceu. Parecia até que ela já perdoava as pessoas com antecedência. Ela aprendeu como fazer as pessoas sentirem seu amor. Aprendeu que amor compartilhado é amor multiplicado.

Por fim, aprendeu a amar mais a si mesma, sendo mais bondosa, gentil e longânima. Parou de lutar pela auto-estima e passou a amar a si mesma do modo como Deus a amava. A imagem de si mesma tornou-se a de Cristo.

Reconhecer, receber e transmitir o amor de deus

Como então podemos “[revestirmo-nos mais] do vínculo da caridade, (…) da perfeição e da paz”?15 Gostaria de dar-lhes três sugestões:

1. Reconheçam Seu Amor. “Rogai (…) com toda a energia de vosso coração”16 por esse dom. Façam isso com humildade e coração contrito e vocês ficarão cheios da esperança e do amor do próprio Espírito Santo. Ele revelará o Cristo a vocês.17

Faz parte do dom da caridade ser capaz de reconhecer o mão de Deus e sentir Seu amor em tudo o que nos cerca. Haverá momentos em que não será fácil perceber o amor de Deus por nós em todas as experiências que temos porque Ele é um Doador perfeito, anônimo. Vocês levarão a vida toda para desvendar Sua mão e os dons que Ele derramou sobre vocês, porque Ele tem um jeito pessoal, simples e humilde de nos conceder essas dádivas maravilhosas.

Reflitam comigo por um momento nos grandiosos dons a seguir: as glórias de toda a criação18, a terra, o céu; o amor e a alegria; Suas atitudes de misericórdia, perdão e inumeráveis respostas à orações; a dádiva dos entes queridos e finalmente, o maior de todos os dons — o dom que o Pai nos deu: Seu Filho que expiou por nós, o Perfeito em caridade, o próprio Deus do amor.19

2. Recebam Seu Amor com Humildade. Sejam gratos pelo dom, especialmente por Aquele que fez a doação.20 A verdadeira gratidão é a capacidade de ver, sentir e até mesmo receber amor com humildade.21 A gratidão é uma forma de retribuir o amor de Deus. Reconheçam Sua mão, digam-Lhe isso, expressem seu amor a Ele.22 Quando vocês realmente conhecerem o Senhor, verão que há uma relação profunda e sagrada edificada na confiança. Saberão que Ele entende sua angústia23 e vontade com compaixão e sempre responde a vocês com amor.

Recebam-no. Sintam esse amor. Não é suficiente saber apenas que Deus ama vocês. O dom é para ser sentido continuamente, dia após dia.24 Será um motivador divino por toda a sua vida. Arrependam-se. Removam toda e qualquer imundice de sua vida25, inclusive a raiva. Recebam uma remissão contínua de seus pecados26 e vocês dominarão todas as suas paixões e se encherão de amor.27

3. Transmitam Seu Amor. As respostas do Senhor a nós são sempre cheias de amor. Não deveria nossa atitude para com Ele ser bondosa, mostrando nosso verdadeiro amor? Ele concede graça (ou bondade) por graça, atributo por atributo. À medida que nossa obediência for maior, receberemos mais graça (ou bondade) pela graça que retribuímos a Ele.28 Vocês não podem recebê-Lo inteiramente até que sejam como Ele.29

Quando um homem primeiro emerge seus pensamentos em amor e transmite esses sentimentos a Deus, ao homem, ou a si mesmo, uma porção maior desse atributo certamente virá do Espírito. Isso ocorre com todos os atributos divinos. Os sentimentos justos gerados por um homem parecem preceder aqueles gerados pelo Espírito. A menos que você esteja sentindo amor, não poderá transmitir o verdadeiro amor a outras pessoas. O Senhor nos disse que nos amássemos uns aos outros como Ele nos amou30, por isso, lembrem-se: para serem amados, amem de todo o coração.31

Os frutos do dom da caridade

Irmãos e irmãs, como testemunha especial de Cristo, presto testemunho mais uma vez do extraordinário amor de Deus por todos nós individualmente. Se magnificarmos esse dom de Deus, teremos um coração novo, um coração puro, bem como amor e paz sempre crescentes. À medida que pensarmos e agirmos cada vez mais como Ele, os atributos do homem natural desaparecerão e serão substituídos pelo coração e mente de Cristo.32 Nós nos tornaremos como Ele, e então realmente O receberemos.33

O profeta do Senhor ama vocês, como todos esses Irmãos. Que o Senhor nos abençoe para que “o afeto do [nosso] coração seja posto no Senhor para sempre.34 “Que [nossas] cargas sejam leves pela alegria em seu Filho”35 é minha oração em nome de Jesus Cristo. Amém.

Notas

  1. Morôni 7:47.

  2. Ver 1 Néfi 11:22–23; 8:10–12.

  3. 1 Néfi 15:36.

  4. Morôni 8:17.

  5. “Existe uma virtude, atributo ou princípio que, se tratado com atenção e praticado pelos santos, resulta em salvação para milhares e milhares de pessoas. Refiro-me à caridade, ou amor, da qual procede o perdão, a longanimidade, a bondade e a paciência.” [Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Brigham Young (1995), pp. 217–218.]

  6. Ver Morôni 7:48. Há alguma diferença entre a caridade e o amor? O Senhor Se refere a eles inúmeras vezes separadamente, como em D&C 4:5. Alguns dizem que caridade é amor mais sacrifício — uma mistura dos dois. Talvez a caridade esteja para o amor como a fé para a crença. Tanto a fé como a caridade exigem ação, trabalho e sacrifício. A caridade abrange Seu amor por nós, nosso amor por Ele e amor cristão pelas outras pessoas.

  7. Ver D&C 84:19–24.

  8. Ver D&C 121:41–46.

  9. “Um homem cheio do amor de Deus não se contenta em abençoar apenas sua família, mas corre o mundo inteiro, desejoso de abençoar toda a raça humana.” (Joseph Smith, citado em A Liahona, janeiro de 1998, p. 91.)

  10. Quando passamos por um sofrimento real em nossa vida, o diabo está sempre presente para fermentar o coração do homem com raiva, enquanto o Senhor continuamente emana amor. No mesmo sofrimento “muitos se [tornam] insensíveis (…) e muitos [são] abrandados em virtude de suas aflições.” (Alma 62:41) Que exemplo maravilhoso de como reagir à adversidade!

  11. Alguns sentimentos que destroem o amor e a paz incluem, mas não se limitam aos que se seguem: Medo, perfeccionismo, inveja, insubordinação, dúvida, raiva, ciúme, domínio injusto, descrença, impaciência, julgamento, mentira, orgulho, contenda, murmúrio, competição, incentivo a sentimentos negativos, busca de louvor. Tudo isso refere-se ao homem natural, não ao homem de Cristo.

  12. Ver I João 4:19.

  13. Ver D&C 138:13. Minha amiga sabia que o sofrimento poderia ajudá-la das seguintes formas: Ela seria provada (ver Abraão 3:24–25; D&C 98:13–14); aprenderia a escolher o bem ou o mal (2 Néfi 2:18) ; saberia que as bênçãos vêm após as tribulações (ver D&C 58:2–4); aprenderia obediência, paciência e fé (D&C 105:6; Mosias 23:21; Romanos 5:3–5); obteria perdão dos pecados (ver Helamã 15:3; D&C 132:50, 60; 95:1).

  14. Ver II Pedro 1:1–8.

  15. D&C 88:125.

  16. Morôni 7:48.

  17. Ver Morôni 8:25–26; Romanos 5:5; 2 Néfi 26:13.

  18. Ver Moisés 6:63; Alma 30:44.

  19. Ver 1 João 4:8.

  20. Ver D&C 88:33.

  21. Ver Alma 5:26.

  22. Ver Alma 26:16; Morôni 10:3.

  23. Ver D&C 133:52–53.

  24. Ver Alma 34:38.

  25. Ver I João 2:15–17.

  26. Ver Mosias 4:11–12.

  27. Ver Alma 38:12.

  28. Ver D&C 93:12–13, 20.

  29. Ver I João 3:1–3.

  30. Ver João 13:34; D&C 112:11.

  31. “Acautelar-se contra o orgulho e não procurar superar uns aos outros, mas obrar pelo bem de cada um.” (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, sel. Joseph Fielding Smith [1976], p. 151.)

  32. Ver I Coríntios 2:16; II Coríntios 10:5.

  33. “O homem realmente grande é aquele que é verdadeiramente cristão. O que você pensar de Cristo com toda a sinceridade em seu coração determina o que você é e determinará em grande parte os seus atos. (…) Escolhendo-O como nosso ideal, desenvolvemos em nós o desejo de ser como Ele, de ter Sua amizade.” (David O. McKay, Conference Report, abril de 1951, pp. 93 e 98.) Se você pensar em Cristo o bastante, começará a agir como Ele. Se você agir como Ele tempo suficiente, irá tornar-se exatamente como o Senhor.

  34. Alma 37:36.

  35. Alma 33:23.