2002
A Igreja Oferece Consolo e Ajuda Humanitária após os Ataques Terroristas
Notas de rodapé
Tema

A Igreja Oferece Consolo e Ajuda Humanitária após os Ataques Terroristas

Os líderes da Igreja ofereceram mensagens de paz e consolo após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 em Nova York, Washington, D.C. e na Pensilvânia. Cinco santos dos últimos dias perderam a vida nos ataques.

Carolyn Meyer-Beug, 48, membro da Ala Santa Mônica II, Estaca Los Angeles Califórnia Santa Mônica, e a mãe, Mary Alice Wahlstrom, 75, da Ala Kaysville 17, Estaca Kaysville Utah Leste, estavam a bordo do primeiro avião que atingiu o World Trade Center na Cidade de Nova York. As duas mulheres estavam voltando para casa depois de levarem as filhas gêmeas da irmã Beug para a faculdade.

Ivhan Luis Carpio Bautista, 24, do Ramo Richmond Hill III, Distrito Richmond Hill Nova York, trabalhava em um restaurante do 107º andar de um dos edifícios do World Trade Center quando os ataques ocorreram. Ele planejara tirar o dia 11 de setembro de folga por ser seu aniversário, mas depois concordara em substituir um colega.

Brady Howell, 26, membro da Ala Crystal City, Estaca Mount Vernon Virgínia, e Rhonda Rasmussen, 44, da Ala Lake Ridge II, Estaca Mount Vernon Virgínia, morreram no ataque ao Pentágono em Washington, D.C. O irmão Howell, funcionário do governo, porém civil, trabalhava para a Marinha dos Estados Unidos. A irmã Rasmussen trabalhava como analista de orçamentos para o Departamento da Marinha. O marido, com quem estava casada há 26 anos também trabalhava no edifício, mas saiu ileso.

Pouco depois de ouvir a respeito dos ataques, a Primeira Presidência emitiu um comunicado expressando “profundo pesar por aqueles cujos entes queridos, amigos e conhecidos foram mortos ou feridos nos atos de violência insensatos de hoje. Oferecemos nossas orações em prol das vítimas inocentes desses ataques maldosos. Pedimos a nosso Pai Celestial que guie o Presidente [dos E.U.A.], [George W.] Bush e seus assessores na resposta a esses incidentes devastadores.

Unimo-nos a outros em orações para que a paz e o amor do Salvador nos console e guie durante este momento difícil”.

Na noite de 11 de setembro, o Presidente Gordon B. Hinckley falou durante um concerto do Coro do Tabernáculo Mórmon que se transformou em uma reunião em homenagem às vítimas. “Apesar de ser um momento sombrio”, disse o Presidente da Igreja, “e muito embora possamos estar envolvidos pelas nuvens de medo e ira, ainda podemos sentir a solene e maravilhosa presença do Salvador. É para Ele que nos voltamos nestas circunstâncias”.

O Presidente Hinckley transmitiu mensagens semelhantes de fé e consolo tanto quando participou do programa Larry King Live como na reunião em memória às vítimas no Tabernáculo de Salt Lake no dia 14 de setembro, dia em que o Presidente Bush estabeleceu como sendo um dia nacional de oração e recordação. “Não podemos trazer os mortos de volta”, disse o Presidente Hinckley, mas podemos “pedir a nosso Pai Celestial que leve consolo e alívio àqueles que têm sofrido tanto”. Ele expressou também a esperança de que o Pai Celestial apressasse o dia em que os homens converteriam as espadas em arados e “[não aprenderiam] mais a guerrear”. (Ver Isa. 2:4.) Também participando dessa reunião em memória às vítimas, estavam a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos, outras Autoridades Gerais e o Coro do Tabernáculo. A reunião foi transmitida para as capelas da Igreja nos Estados Unidos.

Em 20 de setembro o Presidente Hinckley e outros 26 líderes religiosos reuniram-se com o Presidente Bush na Casa Branca a convite do presidente dos Estados Unidos. “Jamais me senti tão forte”, disse o Presidente Bush, “e essa força vem de Deus”. Ele pediu que as pessoas orassem pela segurança da nação e para que ele fosse abençoado com sabedoria, força e clareza de pensamento.

Quando o Presidente Bush pediu que as pessoas lá reunidas se pronunciassem, o Presidente Hinckley declarou: “Quero que saiba, sr. Presidente, que o apoiamos. Oramos pelo senhor. Nós amamos esta ‘nação guiada por Deus’”.

Por solicitação da Primeira Presidência, as unidades da Igreja nos Estados Unidos realizaram uma reunião especial em homenagem às vítimas no domingo 16 de setembro. Por todo o mundo, os membros da Igreja estenderam a mão com amor e serviço aos que haviam perdido seus entes queridos. Muitos membros receberam em sua casa e nas capelas as pessoas que ficaram em dificuldades em Nova York e em aeroportos.

Os fundos de ajuda humanitária que a Igreja doou para a Cruz Vermelha americana foram usados amplamente para contribuir nos trabalhos de busca e resgate, com abrigos e alimentos de emergência e em outras necessidades. A sede local da Cruz Vermelha em Salt Lake usou parte do dinheiro para ajudar viajantes em dificuldade em Salt Lake City a conseguirem alimento e abrigo. Uma ajuda adicional foi também dada às famílias de vítimas na cidade de Nova York.

Em 9 de outubro, a Primeira Presidência aprovou a distribuição de cobertores, kits de higiene, suprimentos médicos e kits de recém-nascidos para os refugiados afegãos.