2010–2019
“Anda Comigo”
anterior próximo

“Anda Comigo”

Nossa ordenação ao sacerdócio é um convite do Senhor para andarmos com Ele, para fazer o que Ele faz e servir como Ele serve.

Meus queridos irmãos do sacerdócio, meu propósito hoje é tanto tranquilizá-los quanto fortalecê-los em seu serviço no sacerdócio. De certa forma, esse propósito é semelhante ao que imagino que o Salvador teve quando o jovem rico perguntou: “Que bem farei para conseguir a vida eterna?” (Mateus 19:16.) Talvez vocês tenham vindo a esta conferência como esse jovem foi ao Senhor, querendo saber se seu serviço tem sido aceitável. E, ao mesmo tempo, podem estar sentindo que há mais coisas a serem feitas — talvez muitas coisas! Oro para que eu seja capaz de transmitir a amorosa aprovação do Senhor por aquilo que já fizeram e dar-lhes um vislumbre, como encorajamento, do que vocês ainda podem realizar, com a ajuda Dele, como portadores de Seu santo sacerdócio.

Foi dito ao jovem rico que vendesse tudo o que tinha, desse aos pobres e seguisse o Salvador. Talvez o progresso futuro de vocês não exija isso, mas vai requerer algum sacrifício. Seja como for, espero que minha mensagem não os faça “[retirarem-se] tristes”, como fez o jovem rico (ver Mateus 19:20–22). Em vez disso, confio que vão “[seguir seu] caminho, rejubilando-[se]” (D&C 84:105) porque querem melhorar e acreditam que são capazes de fazê-lo.

Mesmo assim, é natural sentir-se um pouco inadequado se considerarmos o que o Senhor nos chamou para fazer. Na verdade, se vocês me disserem que se sentem perfeitamente capazes de cumprir seus deveres do sacerdócio, eu ficaria preocupado, porque significa que vocês não os entendem. Por outro lado, se me disserem que sentem vontade de desistir porque a tarefa está muito além de sua capacidade, então gostaria de ajudá-los a entender como o Senhor magnifica e fortalece os portadores de Seu sacerdócio para que façam coisas que jamais poderiam realizar sozinhos.

Isso é verdade tanto para mim, no meu chamado, como para vocês, no seu. Nenhum de nós consegue cumprir os deveres do sacerdócio, e cumpri-los bem, contando apenas com a própria sabedoria e os próprios talentos. Isso porque esta obra não é nossa — é do Senhor. Portanto, a única maneira de ser bem-sucedido é confiar Nele, seja você um diácono recém-chamado com a tarefa de tornar a ordenança do sacramento mais espiritual ou um jovem mestre familiar designado pelo Senhor para amar e ensinar uma família que não conhece e que parece não querer seu amor ou sua ajuda; ou ainda um pai que sabe que deve presidir sua família em retidão, mas talvez não saiba bem como fazer isso, e parece que não tem muito tempo porque as crianças estão crescendo rápido e o mundo parece cruel e hostil.

Por isso, se você se sente um pouco sobrecarregado, considere isso um bom sinal. Significa que você tem noção do tamanho da confiança que o Senhor deposita em você. Mostra que você tem uma pequena compreensão do que o sacerdócio realmente é.

Há bem poucas pessoas no mundo que possuem essa compreensão. Até aqueles que conseguem dar uma definição razoável da palavra podem não a compreender de verdade. Existem algumas escrituras que, pelo seu intrínseco poder espiritual, podem aumentar nossa reverência pelo santo sacerdócio. Aqui estão algumas dessas escrituras:

“O poder e autoridade do (…) Sacerdócio de Melquisedeque (…) é possuir as chaves de todas as bênçãos espirituais da igreja —

Ter o privilégio de receber os mistérios do reino do céu, de que se lhes abram os céus, de comunicar-se com a assembleia geral e igreja do Primogênito; e usufruir a comunhão e presença de Deus, o Pai, e de Jesus, o mediador do novo convênio.

O poder e autoridade do (…) Sacerdócio Aarônico (…) é possuir as chaves do ministério de anjos” (D&C 107:18–20).

“Em suas ordenanças [do sacerdócio] manifesta-se o poder da divindade. (…)

Pois, sem isso, nenhum homem pode ver o rosto de Deus, o Pai, e viver” (D&C 84:20, 22).

“Este sumo sacerdócio sendo segundo a ordem de seu Filho, ordem essa que existia desde a fundação do mundo ou, em outras palavras, sem começo de dias nem fim de anos, sendo preparado de eternidade a toda eternidade segundo sua presciência em todas as coisas” (Alma 13:7).

“Pois Deus, tendo jurado a Enoque e a sua semente com um juramento por si próprio, que todo aquele que fosse ordenado segundo essa ordem e esse chamado teria poder, pela fé, para derrubar montanhas, dividir os mares, secar as águas, desviá-las de seu curso;

Para desafiar os exércitos das nações, dividir a terra, quebrar todos os grilhões, permanecer na presença de Deus; fazer todas as coisas segundo a vontade dele, de acordo com as suas ordens, subjugar principados e poderes; e isso pela vontade do Filho de Deus, que existia desde antes da fundação do mundo” (Tradução de Joseph Smith, Gênesis 14:30–31, no Guia para Estudo das Escrituras).

Uma das reações que podemos ter diante dessas extraordinárias e inspiradoras descrições do poder do sacerdócio é presumir que elas não se aplicam a nós. Outra maneira de reagirmos é fazer perguntas ao nosso próprio coração, indagando à nossa alma: Alguma vez já senti que os céus me foram abertos? Será que alguém usaria a frase “ministração de anjos” para descrever meu serviço no sacerdócio? Será que levo “o poder da divindade” à vida daqueles a quem sirvo? Alguma vez já removi montanhas, desafiei exércitos, quebrei grilhões ou subjuguei poderes mundanos, mesmo que figurativamente, a fim de cumprir a vontade de Deus?

Esse tipo de introspecção sempre traz uma sensação de que poderíamos fazer mais no que diz respeito a servir a Deus. Espero que também lhes traga um sentimento de querer fazer mais — um desejo de participar mais plenamente na miraculosa obra do Senhor. Ter esses sentimentos é o primeiro passo para tornarem-se o tipo de homem que o serviço no sacerdócio deve produzir.

O próximo passo é descrito numa conversa entre Jeová e Enoque. Sabemos que Enoque foi um profeta que possuía grande poder, que estabeleceu Sião em meio a grande iniquidade. Mas, antes de se tornar um poderoso profeta, Enoque considerava-se “apenas um menino (…) lento no falar” e odiado por todos (Moisés 6:31). Ouçam as palavras que o Senhor usou para encorajar Enoque. Estas palavras também são para vocês, que foram chamados para ministrar aos outros como portadores do sacerdócio:

“E o Senhor disse a Enoque: Vai e faze o que te ordenei e homem algum te ferirá. Abre tua boca e ela encher-se-á e dar-te-ei palavras, pois toda carne está em minhas mãos; e farei o que me parecer adequado. (…)

Eis que meu Espírito está sobre ti; portanto, todas as tuas palavras justificarei; e as montanhas fugirão diante de ti e os rios desviar-se-ão de seu curso; e tu permanecerás em mim e eu, em ti; portanto, anda comigo” (Moisés 6:32, 34).

Irmãos, nossa ordenação ao sacerdócio é um convite do Senhor para andarmos com Ele. E o que significa andar com o Senhor? Significa fazer o que Ele faz e servir como Ele serve. Ele sacrificou o próprio bem-estar para abençoar os necessitados, portanto isso é o que tentamos fazer. Parece que Ele reparou particularmente nas pessoas que foram negligenciadas e até marginalizadas pela sociedade, e devemos tentar fazer da mesma forma. Ele testificou destemidamente, mas também com amor, sobre a verdadeira doutrina que recebeu de Seu Pai, mesmo que fosse impopular, e devemos fazer o mesmo. Ele disse a todos: “Vinde a mim” (Mateus 11:28), e nós dizemos a todos: “Vinde a Cristo”. Como portadores do sacerdócio, somos Seus representantes. Agimos, não por nós, mas por Ele. Falamos, não as nossas palavras, mas as Dele. As pessoas a quem servimos passam a conhecê-Lo melhor por causa de nosso serviço.

Assim que aceitamos o convite do Senhor — “Anda comigo” —, a natureza do serviço no sacerdócio muda. Ela se torna ao mesmo tempo mais elevada e nobre, mas também mais realizável, porque sabemos que não estamos sozinhos. Senti isso de modo extraordinário quando o Presidente Thomas S. Monson colocou as mãos sobre minha cabeça há nove anos e me abençoou quando comecei a servir em meu chamado atual. Naquela bênção, ele citou estas palavras do Salvador: “E quem [te] receber, lá estarei também, pois irei adiante de [ti]. Estarei à [tua] direita e à [tua] esquerda e meu Espírito estará em [teu] coração e meus anjos ao [teu] redor para [te] suster” (D&C 84:88).

Depositei minha confiança nessa promessa muitas vezes e tenho visto seu cumprimento de muitas maneiras ao longo dos meus 72 anos de serviço no sacerdócio. Aconteceu quando me tornei portador do Sacerdócio Aarônico com a designação de distribuir o sacramento. Apavorado com a possibilidade de cometer um erro, saí da capela antes de a reunião começar e orei desesperado para que Deus me ajudasse. Recebi uma resposta. Senti que o Senhor estava comigo. Senti Sua confiança em mim e, então, senti confiança em fazer a minha parte na Sua obra.

Aconteceu de novo quando eu servia como bispo. Recebi um telefonema de uma mulher que cometera um erro grave e agora estava diante de uma decisão difícil e que mudaria sua vida. Ao conversar com ela, senti que tinha a solução para o seu problema, mas também senti claramente que eu não deveria dar-lhe a solução — ela precisava encontrá-la sozinha. As palavras que disse a ela foram: “Acho que Deus vai lhe dizer o que você deve fazer se você perguntar a Ele”. Depois ela me contou que perguntou a Ele, e Deus realmente lhe respondeu.

Em outra ocasião, quando era bispo, recebi um telefonema, dessa vez, da polícia. Disseram-me que um motorista bêbado tinha batido o carro, destruindo a porta de entrada de um banco. Quando o motorista desnorteado viu o segurança com uma arma apontando para ele, gritou: “Não atire! Sou mórmon!”

Descobriram que o motorista embriagado era membro de minha ala, batizado recentemente. Enquanto aguardava para falar com ele na sala do bispo, planejei o que dizer para que ele sentisse remorso pelo modo como tinha quebrado seus convênios e envergonhado a Igreja. Mas, ao me sentar e olhar para ele, ouvi em minha mente uma voz, tão clara como se alguém estivesse falando comigo, dizendo: “Vou deixar que você o veja como eu o vejo”. Então, por um breve momento, toda a sua aparência se transformou para mim. O que vi não foi um jovem desnorteado, mas um filho de Deus nobre e cheio de luz. De repente, senti o amor do Senhor por ele. Aquela visão mudou nossa conversa. E me mudou.

Aprendi lições importantes com essas experiências, andando com o Senhor ao fazer Seu trabalho. Gostaria de compartilhar três delas com vocês. A primeira é que Deus conhece até o diácono mais recente e mais jovem e vai ajudá-lo. Vocês jamais precisam sentir que são limitados ou insignificantes demais para que Ele note sua existência e o serviço que estão prestando em Seu nome.

A segunda lição é que a obra do Senhor não é apenas para solucionar problemas; é para edificar as pessoas. Por isso, ao andar com Ele, prestando serviço no sacerdócio, talvez vocês notem que às vezes o que parece ser a melhor solução não é aquela que o Senhor prefere porque ela não permite que as pessoas cresçam. Se vocês escutarem, Ele vai ensinar-lhes Seus caminhos. Lembrem-se de que a obra e glória do Senhor não é simplesmente gerenciar uma organização eficiente, mas “levar a efeito a imortalidade e vida eterna do homem” (Moisés 1:39). Afinal de contas, é por isso que Ele dá a autoridade do Seu sacerdócio a homens imperfeitos como vocês e eu e nos convida a participar de Sua obra. Nosso progresso é a sua obra!

Agora, a terceira lição: Andar com o Senhor prestando serviço no sacerdócio vai mudar a forma como vocês veem as pessoas. Ele vai ensinar-lhes a ver com os olhos Dele, o que significa ver além das aparências, olhar para o coração (ver 1 Samuel 16:7). É assim que o Salvador foi capaz de ver Simão, não como um pescador impulsivo, mas como Pedro, uma rocha sólida, o futuro líder de Sua Igreja (ver Lucas 5:1–11). É dessa maneira que Ele foi capaz de ver Zaqueu, não como um corrupto coletor de impostos, como as pessoas o viam, mas como um filho de Abraão honesto e íntegro (ver Lucas 19:1–9). Se vocês andarem com o Senhor por tempo suficiente, vão aprender a ver todos como filhos de Deus com potencial ilimitado, seja qual for o passado que essa pessoa tenha tido. E se continuarem a andar com o Salvador, vão desenvolver outro dom que Ele possuía: a capacidade de ajudar as pessoas a ver esse potencial em si mesmas e assim se arrependerem.

Meus queridos irmãos no sacerdócio, de muitas maneiras, somos como os dois discípulos que caminhavam na estrada de Emaús, naquele primeiro domingo de Páscoa. Era a manhã da Ressurreição, mas eles ainda não tinham certeza de que havia uma ressurreição ou até mesmo do que ela significava. Eles “[esperavam] que fosse ele [Jesus de Nazaré] o que redimisse Israel”, mas eram “tardos de coração para crer” em tudo o que as escrituras ensinavam a respeito da ressurreição. Enquanto iam pelo caminho, conversando, “o próprio Jesus se aproximou, e ia com eles; Mas os olhos deles estavam impedidos de o reconhecerem” (ver Lucas 24:13–32).

Testifico que, quando trilhamos o caminho do serviço no sacerdócio, o Salvador Jesus Cristo anda conosco, pois é o Seu caminho, Sua estrada. Sua luz está adiante de nós e Seus anjos ao nosso redor. Talvez não tenhamos um entendimento completo do que é o sacerdócio ou de como exercê-lo da maneira como o Senhor o faz. Mas, se prestarmos bastante atenção àqueles momentos em que nosso coração “[ardeu] em nós” (Lucas 24:32), nossos olhos podem ser abertos e veremos Sua mão em nossa vida e em nosso serviço. Testifico que O conheceremos melhor trabalhando com Ele e servindo-O na grande obra de trazer salvação aos filhos de Deus. “Pois como conhece um homem o mestre a quem não serviu e que lhe é estranho e que está longe dos pensamentos e desígnios de seu coração?” (Mosias 5:13.) Jesus Cristo é nosso Mestre. Esta é Sua Igreja. O sacerdócio que temos é o Seu sacerdócio. Que cada um de nós decida andar com Ele e perceba como Ele anda conosco.

Presto meu solene testemunho de que Jesus é o Cristo, o Senhor ressuscitado. Testifico que o sacerdócio que Ele nos confiou é o poder para falar e agir em Seu nome. Somos filhos de um Pai Celestial amoroso que responde nossas orações e envia o Espírito Santo para nos fortalecer em todas as responsabilidades do sacerdócio que temos a bênção de ter. Joseph Smith viu o Pai e o Filho. Ele recebeu as chaves do sacerdócio que foram passadas ao Presidente Thomas S. Monson, que as utiliza hoje. Presto testemunho disso em nome de Jesus Cristo. Amém.