2010–2019
Aos Amigos e Pesquisadores da Igreja
anterior próximo

Aos Amigos e Pesquisadores da Igreja

Se pagarem o preço da revelação, humilharem-se, lerem, orarem e arrependerem-se, os céus se abrirão e vocês saberão, como eu sei, que Jesus é o Cristo.

Em uma tarde de sexta-feira, em 16 de setembro de 1988, na capela da Ala Vicente López em Buenos Aires, Argentina, fui batizado e me tornei membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Um bom amigo, Alin Spannaus, batizou-me naquele dia, e senti-me feliz, mais leve e ansioso para aprender mais.

Hoje gostaria de compartilhar algumas das lições que aprendi no meu caminho rumo ao batismo — espero que tais lições possam ajudar aqueles que estão ouvindo e que ainda não são membros da Igreja. Oro para que seu coração seja tocado pelo Espírito, assim como o meu foi.

Primeira: Conhecer os Missionários

Por que uma pessoa sem grandes desafios, necessidades ou dúvidas estaria interessada em conhecer os missionários e ouvir suas lições? Bem, no meu caso foi amor — amor por uma moça, uma moça chamada Renee. Eu me apaixonei e queria me casar com ela. Ela era diferente e tinha padrões diferentes da maioria das moças que eu conhecia. Mas apaixonei-me por ela e a pedi em casamento — e ela disse não!

Fiquei confuso. Pensei que eu era um bom partido! Eu era bonito, tinha 24 anos de idade, era formado e tinha um ótimo emprego. Ela falou de suas metas, de casar-se apenas com alguém que poderia levá-la ao templo, de ter uma família eterna — e ela recusou o meu pedido. Eu queria continuar o relacionamento, então concordei em ouvir os missionários. Essa é uma boa razão para conhecer os missionários? Bem, era uma boa razão para mim.

Quando conheci os missionários pela primeira vez, não entendi muito do que disseram e, para dizer a verdade, talvez não tenha prestado muita atenção neles. Meu coração estava fechado para uma nova religião. Eu queria apenas provar que estavam errados e ganhar tempo para convencer Renee a se casar comigo de qualquer forma.

Atualmente posso dizer que meus filhos serviram e estão servindo missão, e entendo os sacrifícios que esses rapazes e essas moças fazem para pregar o evangelho de Jesus Cristo. Hoje gostaria de ter prestado mais atenção ao Élder Richardson, ao Élder Farrell e ao Élder Hyland, os missionários maravilhosos que me ensinaram.

Assim, como minha primeira lição, eu digo a vocês, amigos e pesquisadores da Igreja: quando conhecerem os missionários, por favor, deem a devida atenção; eles estão doando anos importantes da vida deles especialmente para vocês.

Segunda: Ir à Igreja

A primeira vez que fui à igreja, ouvi muitas palavras que não fizeram sentido para mim. Quem eram as Abelhinhas? O que era o Sacerdócio Aarônico? O que era a Sociedade de Socorro?

Se esta é a primeira vez que vocês vieram à igreja e estão se sentindo confusos com algo que vocês não entendem, não se preocupem! Eu também me senti assim. Entretanto, ainda me lembro das impressões e dos novos sentimentos de paz e de alegria que senti. Eu não sabia disso naquele momento, mas o Espírito Santo estava sussurrando em meus ouvidos e em meu coração: “É verdade”.

Quero colocar essa lição usando apenas uma frase: se vocês estão confusos, não se preocupem; lembrem-se dos sentimentos que vivenciaram; eles vêm de Deus.

Terceira: Ler o Livro de Mórmon

Após muitos encontros com os missionários, eu não estava progredindo muito. Senti que não havia recebido uma confirmação da veracidade do evangelho.

Certo dia, Renee me perguntou: “Você está lendo o Livro de Mórmon?”

Respondi: “Não”. Eu estava ouvindo os missionários, já não era o suficiente?

Com lágrimas nos olhos, Renee me garantiu que sabia que o Livro de Mórmon era verdadeiro e explicou que, se eu quisesse saber se era verdadeiro, a única maneira era — adivinhem — lendo! E depois, perguntando.

Leiam, ponderem em seu coração e “[perguntem] a Deus, o Pai Eterno, em nome de Cristo, (…) com um coração sincero e com real intenção, tendo fé em Cristo” (Morôni 10:4) se o Livro de Mórmon é verdadeiro e se esta é a Igreja verdadeira.

Portanto, usando apenas uma frase, a terceira lição é: quando receberem estas coisas — o Livro de Mórmon — e forem exortados a ler e a perguntar a Deus se elas são verdadeiras, por favor, apenas o façam!

Última Lição: Arrepender-se

A última experiência que eu gostaria de compartilhar é sobre o arrependimento. Depois de haver terminado de receber todas as lições missionárias, ainda não estava convencido de que precisava mudar algo em minha vida. Foi o Élder Cutler, um missionário jovem e confiante, com um espanhol limitado, que um dia disse: “Joaquin, vamos ler juntos Alma 42 e vamos incluir o seu nome ao ler”.

Achei que fosse tolice, mas fiz o que o Élder Cutler pediu e li o versículo 1: “E agora, meu filho [Joaquin], eu percebo que existe algo mais que te preocupa e que não podes compreender”. Ah! O livro estava falando para mim.

E lemos o versículo 2: “Agora, meu filho [Joaquin], eis que te explicarei isto”, e depois a Queda de Adão foi descrita.

E depois, no versículo 4: “E assim vemos que foi concedido um tempo ao homem [Joaquin] para que se arrependesse”.

Continuamos lendo devagar, versículo por versículo, até que chegamos aos três últimos. Naquele momento, fui atingido por uma força poderosa. O livro falou diretamente para mim, e comecei a chorar enquanto lia: “E agora, [Joaquin,] meu filho, eu desejo que não te preocupes mais com essas coisas e que deixes apenas teus pecados te preocuparem, com aquela preocupação que te levará ao arrependimento” (versículo 29).

Percebo agora que eu esperava receber uma revelação sem pagar o preço. Até aquele momento, eu nunca havia realmente falado com Deus, e a ideia de falar com alguém que não estava presente parecia tola. Tive de me humilhar e fazer o que estava sendo pedido de mim, mesmo que, em minha mentalidade mundana, parecesse algo tolo.

Naquele dia, abri meu coração para o Espírito, desejando me arrepender e quis ser batizado! Antes daquele momento, eu tinha pensado no arrependimento como algo negativo, associado somente ao pecado e à transgressão, mas, de repente, vi o arrependimento sob uma ótica diferente — como algo positivo que iluminou meu caminho para o crescimento e para a felicidade.

O Élder Cutler está aqui hoje, e quero agradecer-lhe por ter aberto meus olhos. Cada decisão que tomei em minha vida desde aquele momento foi influenciada por aquele dia em que me humilhei, orei por perdão e a Expiação de Jesus Cristo em meu favor tornou-se parte de minha vida.

Logo, usando apenas uma declaração, a última lição é: vivenciem o arrependimento; nada nos aproxima mais do Senhor Jesus Cristo do que o desejo de mudar.

Meus queridos pesquisadores, amigos da Igreja, se vocês estão ouvindo, vocês estão muito perto de alcançar a maior alegria. Vocês estão perto!

Deixem-me convidá-los, com toda a energia de meu coração e das profundezas de minha alma: vão e sejam batizados! É a melhor coisa que vocês farão. Mudará sua vida e também a vida de seus filhos e de seus netos.

O Senhor me abençoou com uma família. Casei-me com Renee e temos quatro filhos lindos. E devido ao meu batismo, eu posso, como o antigo Profeta Leí, convidá-los a partilhar do fruto da árvore da vida, que é o amor de Deus (ver 1 Néfi 8:15; 11:25). Posso ajudá-los a vir a Cristo.

Portanto, pensem em minhas experiências e (1) levem os missionários muito a sério, (2) vão à igreja e lembrem-se dos sentimentos espirituais, (3) leiam o Livro de Mórmon e perguntem ao Senhor se ele é verdadeiro, e (4) vivenciem o arrependimento e sejam batizados.

Testifico a vocês que, se pagarem o preço da revelação, humilharem-se, lerem, orarem e arrependerem-se, os céus se abrirão e vocês saberão, como eu sei, que Jesus é o Cristo. Ele é o meu e o seu Salvador. Em nome de Jesus Cristo. Amém.