2010–2019
Bênçãos do Templo

Bênçãos do Templo

Ao frequentarmos o templo, ali podemos ter uma dimensão de espiritualidade e um sentimento de paz.

Meus amados irmãos e irmãs, sinto-me extremamente grato por estar com vocês nesta bela manhã de Páscoa quando nossos pensamentos se voltam para o Salvador do mundo. Expresso meu amor e meus cumprimentos a cada um de vocês e oro para que nosso Pai Celestial inspire minhas palavras.

Esta conferência marca os sete anos desde que fui apoiado como Presidente da Igreja. Foram anos atarefados, repletos não apenas de alguns desafios, mas também de incontáveis bênçãos. Entre as mais agradáveis e sagradas dessas bênçãos tem sido minha oportunidade de dedicar e rededicar templos.

Mais recentemente, em novembro passado, tive o privilégio de dedicar o belo e novo Templo de Phoenix Arizona. Estiveram comigo o Presidente Dieter F. Uchtdorf, Élder Dallin H. Oaks, Élder Richard J. Maynes, Élder Lynn G. Robbins e Élder Kent F. Richards. Na noite da véspera da dedicação, uma maravilhosa celebração cultural foi realizada na qual mais de 4 mil de nossos jovens do distrito do templo se apresentaram esplendidamente. No dia seguinte, o templo foi dedicado em três sagradas e inspiradoras sessões.

A construção de templos é um indício bem claro do crescimento da Igreja. Temos atualmente 144 templos em funcionamento no mundo inteiro, com 5 em reforma e mais 13 em construção. Além disso, 13 templos que foram previamente anunciados estão em vários estágios de preparação antes do início de sua construção. Neste ano, antecipamos a rededicação de 2 templos e a dedicação de 5 novos templos que estão programados para serem concluídos.

Nos últimos dois anos, ao concentrarmos nossos esforços em terminar templos que foram previamente anunciados, decidimos adiar os planos para quaisquer outros templos adicionais. Nesta manhã, tenho o prazer de anunciar três novos templos que serão construídos nos seguintes lugares: Abidjan, Costa do Marfim; Porto Príncipe, Haiti; e Bangcoc, Tailândia. Que bênçãos maravilhosas estão reservadas para os nossos membros fiéis nessas áreas e, de fato, em qualquer lugar onde os templos estejam localizados em todo o mundo.

O processo de determinação das necessidades e de identificação de locais para novos templos está em andamento, porque desejamos que o máximo de membros possível tenha a oportunidade de frequentar o templo sem grandes sacrifícios de tempo e recursos. Como fizemos no passado, vamos mantê-los informados à medida que as decisões forem tomadas a esse respeito.

Ao pensar nos templos, meus pensamentos se voltam para as muitas bênçãos que recebemos neles. Ao entrarmos pelas portas do templo, deixamos para trás as distrações e confusões do mundo. Dentro desse sagrado santuário, encontramos beleza e ordem. Há descanso para a alma e alívio das preocupações de nossa vida.

Ao frequentarmos o templo, ali podemos ter uma dimensão de espiritualidade e um sentimento de paz que transcendem qualquer outro sentimento vivenciado pelo coração humano. Captamos o verdadeiro significado das palavras do Salvador, quando disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou. (…) Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”.1

Tal paz pode permear qualquer coração — corações que estejam atribulados, que estejam sobrecarregados pela dor, corações que se sentem confusos ou corações que pedem ajuda.

Soube recentemente, em primeira mão, de um jovem que foi ao templo com seu coração a pedir por ajuda. Muitos meses antes, ele havia recebido seu chamado para servir missão na América do Sul. Contudo, seu visto atrasou tanto que ele foi redesignado para uma missão nos Estados Unidos. Embora estivesse decepcionado por não poder servir na área de seu chamado original, trabalhou, no entanto, arduamente em sua nova designação, determinado a servir da melhor forma que pudesse. Ficou desanimado, porém, devido a experiências negativas que teve com missionários que lhe pareciam mais interessados em se divertir do que em compartilhar o evangelho.

Poucos meses mais tarde, aquele rapaz sofreu um grave problema de saúde que o deixou parcialmente paralisado, tendo que ser enviado de volta para casa em licença médica.

Alguns meses depois, o rapaz estava completamente curado, e sua paralisia havia desaparecido. Ele foi informado de que poderia novamente voltar a servir como missionário, uma bênção pela qual havia orado diariamente. A única notícia decepcionante foi a de que retornaria à mesma missão que havia deixado, na qual sentia que a conduta e a atitude de alguns missionários deixavam a desejar.

Ele tinha ido ao templo buscar consolo e a confirmação de que poderia ter uma boa experiência como missionário. Seus pais também oraram para que aquela visita ao templo proporcionasse a ajuda de que seu filho precisava.

Quando o jovem entrou na sala celestial, depois da sessão, sentou-se numa poltrona e começou a orar pedindo orientação a seu Pai Celestial.

Pouco depois, um rapaz chamado Landon também entrou na sala celestial. Ao entrar, seu olhar foi imediatamente atraído para o rapaz sentado na poltrona, de olhos fechados, obviamente orando. Landon recebeu a inconfundível inspiração de que deveria conversar com aquele rapaz. Hesitando em interromper, porém, decidiu esperar. Após vários minutos, o rapaz continuava orando. Landon soube que não poderia adiar mais a inspiração. Aproximou-se do rapaz e gentilmente tocou-lhe o ombro. O rapaz abriu os olhos, mais surpreso do que incomodado. Landon disse baixinho: “Senti que deveria conversar com você, mesmo sem saber muito bem o motivo”.

Ao começarem a conversar, o jovem abriu o coração a Landon, explicando sua situação e terminando com seu desejo de receber algum consolo e incentivo em relação à sua missão. Landon, que havia retornado de uma missão bem-sucedida apenas um ano antes, falou a respeito de suas próprias experiências de missão, dos desafios e das preocupações que havia enfrentado, da maneira como se voltou para o Senhor pedindo ajuda e das bênçãos que havia recebido. Suas palavras foram reconfortantes e consoladoras, e seu entusiasmo pela missão, contagiante. Por fim, à medida que os medos do rapaz se dissiparam, ele se sentiu em paz. Teve profunda gratidão ao se dar conta de que sua oração tinha sido respondida.

Os dois jovens oraram juntos, e então Landon se preparou para sair, feliz por ter dado ouvidos à inspiração que recebera. Ao se levantar para sair, o rapaz perguntou a Landon: “Onde você serviu sua missão?” Até aquele ponto, nenhum deles havia mencionado ao outro o nome da missão onde tinham servido. Quando Landon respondeu dizendo o nome de sua missão, lágrimas brotaram nos olhos do rapaz. Landon tinha servido na mesma missão para a qual o rapaz estaria retornando!

Numa carta recente para mim, Landon contou que, ao se despedirem, o rapaz lhe dissera: “Eu tinha fé que o Pai Celestial me abençoaria, mas nunca poderia imaginar que Ele me enviaria alguém que tinha servido em minha própria missão para me ajudar. Agora sei que tudo ficará bem”.2 A humilde oração de um coração sincero tinha sido ouvida e atendida.

Meus irmãos e irmãs, em nossa vida, teremos tentações, provações e dificuldades. Se frequentarmos o templo sagrado e recordarmos os convênios que lá fizermos, conseguiremos suportar melhor as provações e vencer essas tentações. No templo, encontramos paz.

As bênçãos do templo são inestimáveis. Uma pela qual sou grato todos os dias de minha vida é aquela que minha amada esposa, Frances, e eu recebemos ao nos ajoelharmos em um altar sagrado e fazermos convênios que nos uniram por toda a eternidade. Não há bênção mais preciosa para mim do que a paz e o consolo que recebo do conhecimento que tenho de que ela e eu estaremos juntos novamente.

Que nosso Pai Celestial abençoe a todos nós para que tenhamos em nós o espírito da adoração no templo, sejamos obedientes aos Seus mandamentos e sigamos cuidadosamente os passos de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. Testifico-lhes que Ele é o nosso Redentor. Ele é o Filho de Deus. Ele é Aquele que saiu do sepulcro na primeira manhã de Páscoa, trazendo Consigo o dom da vida sem fim para todos os filhos de Deus. Neste belo dia, ao comemorarmos aquele acontecimento memorável, ofereçamos orações de gratidão por Suas maravilhosas e grandiosas dádivas para nós. Que assim seja, é minha humilde oração em Seu santo nome. Amém.

Notas

  1. João 14:27.

  2. Correspondência pessoal de Thomas S. Monson.