“A Responsabilidade É Sua”
    Notas de rodapé

    “A Responsabilidade É Sua”

    Nós os convocamos para mobilizar os quóruns do sacerdócio e responder aos desafios financeiros e de emprego que os membros enfrentam.

    Meus queridos irmãos do sacerdócio, nos últimos anos temos testemunhado muitas emergências e desastres naturais em todo o mundo. Entre outros, tem havido furacões, incêndios gigantescos, terremotos e um tsunami devastador.

    A Igreja socorreu as vítimas desses e de outros desastres de maneira maravilhosa. Grupos de membros têm-se mobilizado com rapidez para ajudar os necessitados. Todos se sentiram bem por saber que estavam abençoando a vida de outros com seu serviço.

    Muitas vezes, pessoas que não são de nossa fé — membros de outras igrejas, organizações de caridade, governos e a imprensa — comentam sobre a rapidez com que a Igreja consegue mobilizar tantos voluntários prontos para ajudar. Eles sempre perguntam como conseguimos. A resposta é simples: “Estamos preparados, estamos organizados, temos empatia e somos caridosos”. Em geral, alguns telefonemas das autoridades presidentes para os líderes locais são suficientes para mobilizar centenas e até milhares de pessoas para que socorram seus irmãos e irmãs que sofrem.

    Nesta noite, desejo falar sobre outro desafio que podemos enfrentar, e irmãos, a responsabilidade é sua. Não se trata de um desastre natural, mas seus efeitos são reais e são sentidos em todo o mundo. E, embora estejamos otimistas em relação ao futuro, continuamos — como fazemos há décadas — a aplicar o princípio de sermos guardiões de nosso irmão.

    O Élder Robert D. Hales observou recentemente: “A tempestade econômica que por muito tempo vem ameaçando o mundo abateu-se agora sobre nós. O impacto desse desastre econômico sobre os filhos de nosso Pai Celestial requer hoje, mais do que nunca, uma perspectiva do evangelho sobre o bem-estar”.1 O desemprego e as ondas da tormenta financeira estão afligindo cada estaca e cada ala em toda a Igreja. Imagino que elas já tenham sido sentidas por todos nós, de um jeito ou de outro, seja pessoalmente, seja por terem atingido familiares próximos ou distantes, ou mesmo conhecidos.

    Irmãos, não existe organização mais capaz de responder aos desafios da humanidade do que o sacerdócio do Deus Altíssimo. Temos a organização. Presidentes de estaca, bispos, presidentes de quóruns de élderes e líderes de grupos de sumos sacerdotes — nós os convocamos para mobilizar os quóruns do sacerdócio e responder aos desafios financeiros e de emprego que os membros enfrentam. Considerem isso sua responsabilidade pessoal. Esta é a hora de nos unirmos, animar-nos e ajudar àquelas famílias de nossos quóruns que podem estar em dificuldades.

    Há oportunidades em profusão e é sua a oportunidade e a responsabilidade de administrar os recursos do Senhor. Entre os membros do quórum devem existir aqueles que sabem de alguma oportunidade de trabalho, outros que sabem preparar um currículo e ajudar na preparação para uma entrevista. Independente de título ou capacidade, haverá uma irmandade determinada a suportar suas cargas mutuamente.

    O Presidente Monson conta a história de um executivo aposentado chamado Ed que agia exatamente como os membros dos quóruns devem agir. Certa ocasião, o Presidente Monson conversava com o Ed e perguntou-lhe:

    — Ed, qual o seu chamado na Igreja?

    Ele respondeu:

    —Tenho o melhor chamado da ala. Minha responsabilidade é ajudar os desempregados a encontrarem emprego fixo. Este ano já ajudei 12 irmãos a obterem um bom emprego. Nunca fui tão feliz em toda a minha vida!

    O Presidente Monson acrescentou: “O baixinho, a quem chamávamos afetuosamente de ‘Edinho’, parecia muito mais alto naquela noite, com olhos brilhantes e a voz trêmula. Ele demonstrava seu amor ajudando os necessitados, restaurando a dignidade humana e abrindo portas para aqueles que não saberiam abri-las sozinhos”.2

    Há muitas maneiras pelas quais os bispos e membros dos quóruns podem ajudar a aliviar o sofrimento e a ansiedade dos desempregados. A oficina Phil Automecânica, de Centerville, Utah, é um testemunho do que a liderança do sacerdócio e um quórum são capazes de realizar. Phil era membro de um quórum de élderes e trabalhava como mecânico em uma oficina local. Infelizmente, a oficina passou por dificuldades econômicas e tiveram de despedi-lo. Ele sentiu-se arrasado com o que aconteceu.

    Ao ouvir o problema, o bispo dele, Leon Olsen, e a presidência do quórum de élderes debateram, em espírito de oração, diversas maneiras de ajudar Phil a se reerguer. Afinal, ele era membro de um quórum, um irmão, e precisava de ajuda. Concluíram que Phil tinha competência para ter seu próprio negócio. Um dos membros do quórum ofereceu uma velha garagem que talvez pudesse ser usada como oficina. Outros membros do quórum conseguiram angariar as ferramentas e os produtos necessários para equipar a nova oficina. Quase todos ajudaram, ainda que apenas limpando a velha garagem.

    Contaram ao Phil o que tinham em mente e, então, apresentaram o plano aos membros do quórum. A garagem foi limpa e reformada, as ferramentas providenciadas, tudo foi organizado. A oficina Phil Automecânica foi bem-sucedida e depois mudou-se para um local melhor e permanente — tudo porque os irmãos de seu quórum o ajudaram numa época de crise. Os quóruns do sacerdócio podem e devem fazer diferença.

    Muitas alas e estacas já chamaram especialistas de empregos para dar apoio aos bispos e líderes de quóruns. Não hesitem em pedir a ajuda deles.

    Em muitas áreas da Igreja, criamos centros de recursos de empregos. Aqueles que trabalham nesses centros foram treinados para ajudá-los a resolver as necessidades de emprego no quórum, na ala e na estaca. O relacionamento deles com empregadores vai ajudar no desenvolvimento de carreiras e empregos.

    As lojas de descontos das Indústrias Deseret da Igreja oferecem emprego e estudos a pessoas de todas as origens. Os portadores de necessidades especiais têm a oportunidade de fazer reabilitação, treinamento e de conseguir emprego. Onde existem, as Indústrias Deseret podem ser um instrumento valioso.

    Bispos, as irmãs têm seu papel nesse trabalho. Devido à situação econômica, muitas mães têm a necessidade de ajustar o orçamento doméstico. Algumas estão até achando necessário trabalhar fora. As irmãs da Sociedade de Socorro, dotadas de um coração especialmente compassivo, podem ajudar. Elas podem ajudar a identificar os necessitados. Podem ensinar, cuidar das criancinhas, consolar, confortar e incentivar. Podem fazer muita diferença.

    Desejo agora dizer algo a vocês que podem no momento estar desempregados. A responsabilidade de encontrar trabalho e de melhorar o emprego é sua. Vocês podem obter orientação contínua do Senhor por meio do jejum e da oração regulares. Seus líderes do quórum, bispos, especialistas e centros de recursos de emprego vão ajudá-los. Pode ser, no entanto, que os líderes do sacerdócio não saibam de sua situação. Comuniquem-se com eles! Informem a eles que estão à procura de trabalho. E vocês, bispos e líderes do sacerdócio, mãos à obra, e façam com que a irmandade do sacerdócio participe dessa maravilhosa oportunidade de ser um quórum de verdade, uma irmandade, guardadores do seu irmão.

    O Presidente Gordon B. Hinckley, quando era membro do Quórum dos Doze Apóstolos, disse:

    “Fico satisfeito, meus irmãos, ao saber que há experiência, conhecimento e força suficientes em todo quórum do sacerdócio para ajudar seus membros por meio da administração apropriada desses recursos.

    (…) É obrigação do quórum do sacerdócio movimentar as forças e os recursos que darão apoio contínuo ao membro necessitado para que possa prover para si e para sua família.”3

    Em outubro de 1856, durante a conferência geral, o Presidente Brigham Young ficou sabendo que duas companhias de carrinhos de mão, as companhias Martin e Willie, tinham-se atrasado e enfrentavam a neve nas planícies do oeste americano. Ele chegou ao púlpito e, como profeta de Deus, declarou:

    “Muitos de nossos irmãos e irmãs estão nas planícies com carrinhos de mão, (…) e eles devem ser trazidos para cá; devemos enviar ajuda a eles. (…) Esta comunidade deve enviar ajuda e trazê-los para cá (…).

    Esta é minha religião; este é o ditame do Espírito Santo que possuo, ou seja, salvar o povo (…).

    Digo-lhes que toda a sua fé, crença e profissão de fé não salvarão uma alma sequer no reino celestial de Deus, a menos que coloquemos em prática os princípios que estou-lhes ensinando agora. Vão e tragam aqui aquelas pessoas que estão nas planícies!”4

    Como resultado da convocação do Presidente Young, carroções puxados por mulas, condutores, farinha e outros suprimentos foram imediatamente enviados para resgatar as pessoas presas nas planícies.

    Irmãos, a responsabilidade é sua. A responsabilidade é nossa. Que o Senhor nos abençoe com o mesmo sentimento de urgência para responder hoje ao chamado de resgatar nosso povo dos desafios econômicos, assim como Ele abençoou os que resgataram as companhias de carrinhos de mão, é a minha oração, em nome de Jesus Cristo. Amém.

    1. Robert D. Hales, “A Gospel Vision of Welfare: Faith in Action”, Basic Principles of Welfare and Self-Reliance (livreto, 2009), p.1.

    2. Ver Thomas S. Monson, “Ao Resgate”, A Liahona, julho de 2001, p. 59.

    3. Gordon B. Hinckley, “Welfare Responsibilities of the Priesthood Quorums”, Ensign, novembro de 1977, pp. 85–86.

    4. Brigham Young, Deseret News, 15 de outubro de 1856, p. 252.