2000–2009
Um Vidente Escolhido
Notas de rodapé
Tema

Um Vidente Escolhido

Mesmo que Joseph Smith tivesse sido o conduíte de apenas uma dessas revelações divinas, isso já bastaria para assegurar sua grandiosidade como profeta.

A partir de 1820, Joseph Smith sofreu, continuamente, uma série de acusações, sendo sempre inocentado ao final. O padrão ainda é o mesmo.

Conforme havia sido profetizado, os tolos zombam dele, o inferno se enfurece contra ele, e seu nome é “considerado bom e mau”. (Joseph Smith—História 1:33) Toda essa comoção preocupa inutilmente umas poucas pessoas que parecem preferir roer os ossos velhos no quintal, em vez de entrar e participar do resplandecente banquete da revelação, impedindo-as de dar a devida atenção à missão de Joseph como “um vidente escolhido”. (Ver 2 Néfi 3:6–7.)

Conforme ensinou a experiência de Amon, um vidente tem o poder de traduzir registros antigos e “um vidente é maior que um profeta”. Mas, disse Amon, “um vidente é também (…) profeta”. (Ver Mosias 8:11–16.) Assim chamado, Joseph tornou-se “um grande benefício para seus semelhantes”. (Mosias 8:18)

O tradutor “escolhido” trouxe à luz, pelo “dom e poder de Deus” (D&C 135:3), o Livro de Mórmon, algo tangível, que pode ser comprovado. Para todos os que lhe derem ouvidos, esse livro é um maravilhoso acréscimo a um cânone de escrituras que se supunha estar completo há muito tempo.

Na própria página de rosto do livro há uma declaração de que seu papel é o de “convencer” os mortais de que Jesus é o Cristo. (Ver também 2 Néfi 25:18.) Numa época de descrença e equívocos a respeito dessa realidade de primordial importância, o papel persuasivo desse livro é da maior importância! Quão pungente é essa promessa!

O Livro de Mórmon será proclamado ao mundo dos “telhados das casas”. (2 Néfi 27:11) Mesmo negligenciado, ele continuará a ser um forte convite a todos “enquanto durar a Terra”. (2 Néfi 25:22)

Não admira que “os confins da Terra [indaguem] a respeito do (…) nome [José]”. (D&C 122:1) Outras profecias consoladoras declaram também que inimigos de Joseph “serão confundidos”, e que o povo do Profeta não “se voltará contra [ele]” pelo testemunho de traidores. (Ver 2 Néfi 3:14; D&C 122:3.)

Como o Presidente Faust lembrou-nos ontem, Joseph disse, a respeito de suas próprias imperfeições: “Eu nunca disse que eu era perfeito; mas não há nenhum erro nas revelações que ensinei”. (Andrew F. Ehat e Lyndon W. Cook, The Words of Joseph Smith, [1980], p. 369)

Ironicamente, o jovem Joseph Smith foi ao bosque simplesmente querendo saber a que igreja deveria filiar-se, e não com a intenção de ser chamado como vidente, revelador, tradutor e profeta. (Ver D&C 21:1.) No bosque e subseqüentemente, muitas outras bênçãos se seguiram! As revelações e traduções resultantes não foram meras especulações, ou pensamentos para reflexão, ou mesmo epigramas, mas, sim, manifestações divinas declaradas com autoridade.

A quantidade de revelações e traduções é enorme, tornando insuficiente a expressão “vidente escolhido”. Mas o que nos surpreende não é apenas o imenso volume de revelações que Joseph recebeu, as quais vêm sendo transmitidas à humanidade atualmente, mas também a existência de coisas assombrosas entre elas.

Por intermédio de diversas revelações e traduções temos, por exemplo, a descrição de um universo distante, que estava muito além dos conhecimentos de astrofísica da década de 1830, um cosmo contendo “mundos incontáveis”, sendo também informados de que “seus habitantes são filhos e filhas gerados [por] Deus”. (Moisés 1:33; D&C 76:24)

Na antiguidade, a imensidão da posteridade de Abraão foi comparada à areia do mar: uma promessa impressionante. (Ver Gênesis 22:17.) As revelações e traduções da Restauração, admitem a possibilidade de o universo ser extremamente vasto, assim, não é de se surpreender que, de acordo com as últimas estimativas dos cientistas, o número de estrelas do universo seja de “aproximadamente 70 sextilhões (…) havendo mais estrelas no céu do que grãos de areia em todas as praias e desertos da Terra”. (Allison M. Heinrichs, “The Stellar Census: 70 Sextillion”, Los Angeles Times, 26 de julho de 2003. Ver também Carl Sagan, Cosmos, 1980, p. 196)

Temos também revelações e traduções a respeito do propósito central de Deus de “levar a efeito a imortalidade e vida eterna do homem”, dando-nos garantias divinas e concisas. (Ver Moisés 1:39.) Os planos de Deus para o desenvolvimento da alma não mudaram. Esses planos foram explicados à antiga Israel, que passou 40 anos no deserto “para te humilhar, e te provar, para saber o que estava em teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não”. (Deutero-nômio 8:2) Portanto, os discípulos de hoje podem compreender por que nossa fé e paciência são às vezes testadas: Para que sejamos preparados para voltar a nosso lar. (Ver Mosias 23:21.)

Irmãos e irmãs, não passamos muitas horas em nossa vida sem ter que decidir, repetidas vezes, “para onde nos voltar” e se armaremos nossas tendas de frente para Sodoma ou para o templo sagrado. (Ver Gênesis 13:12; Mosias 2:6.)

Deus não Se distrai com um hobby em algum lugar do universo. Somos o Seu principal propósito e preocupação. Que grande contraste em relação aos que acreditam que o homem vive num “universo inconsciente”, (Bertrand Russell, “A Free Man’s Worship”, Mysticism and Logic and Other Essays [1917], p. 50) “um universo (…) sem um mestre”. (Albert Camus, the Myth of Sisyphus and Other Essays, trad. Justin O’Brien [1955], p. 123)

Temos também revelações sobre nossa longevidade como filhos espirituais de Deus, porque “o homem também estava no princípio com Deus”, uma declaração acompanhada de outros vislumbres da natureza eterna do homem. (Ver D&C 93:29.) Essas manifestações e as profundas implicações dessas declarações são importantes, desafiando, por exemplo, o conceito de que o homem foi criado instantaneamente “do nada”.

Outra realidade revelada pelo fato de termos estado com Deus “no princípio” é a de que “você é você mesmo” já há muito tempo. Por isso, o Apóstolo João estava correto ao escrever que “[Deus] nos amou primeiro”. (Ver I João 4:19.) Da mesma forma, em meio à agitação da vida mortal, aprendemos quem realmente são os outros mortais: nossos irmãos e irmãs espirituais, e não cargos, rivais nem inimigos. Além disso, devemos ter uma consideração especial pela santidade da vida humana.

Por mais “assombrosas” que elas sejam, essas revelações e traduções constituem, em especial, uma resposta às mais profundas questões e anseios da humanidade. Elas reestruturam nossa compreensão do que é natureza de Deus, falam do universo e também de nossa identidade e do sentido da vida! O que poderia ser mais pessoal do que essas declarações breves, mas abrangentes?

Mesmo que Joseph Smith tivesse sido o conduíte de apenas uma dessas revelações divinas, isso já bastaria para assegurar sua grandiosidade como profeta. Apesar de Deus querer dar-nos “tudo o que tem”, ainda padecemos de pouca percepção! (Ver D&C 84:38.)

Não é de admirar que Paulo elogiasse Abraão, que “não duvidou (…) por incredulidade”. (Romanos 4:20) Ao contemplarmos as doutrinas da Restauração, corremos o risco de, “duvidar” diante de verdades tão ousadas e promissoras.

Tendo em vista essas revelações e traduções tão impressionantes, aceitemos, portanto, o conselho do rei Benjamim: “Acreditai em Deus; (…) acreditai que o homem não compreende todas as coisas que o Senhor pode compreender”. (Mosias 4:9)

Deus, que é Todo-Poderoso e capaz, permite que todos os mortais tenham liberdade de escolha. No entanto, quão gratos devemos ser pelo fato de Deus ter decidido há muito tempo resgatar e ressuscitar todos os Seus filhos por meio da Expiação de Seu Filho. Não obstante, alguns rejeitam essa e outras bênçãos divinas e muitos são indiferentes a elas, basicamente porque estão por demais preocupados com os cuidados do mundo. O Salvador lhes é estranho, estando longe de seus pensamentos e desígnios de seu coração. (Ver Mosias 5:13.)

Em meio à inacreditável vastidão do plano de Deus é incrível notarmos Sua natureza tão pessoal. Por exemplo: “(…) [Deus] observa todos os filhos dos homens e conhece todos os seus pensamentos e intenções.” (Alma 18:32; ver também Isaías 66:18.)

Já que somos absolutamente responsáveis perante Ele, no Dia do Juízo, não poderemos recorrer à quinta emenda da constituição americana, que nos isenta de acusarmos a nós mesmos!

Deixei por último a importante revelação que, na verdade, ocupa o primeiro lugar entre todas: As teofanias que mostram a realidade de Jesus Cristo ressuscitado, que é nosso Salvador! A partir do Bosque Sagrado, logo ocorreram outras aparições confirmadoras em locais pouco conhecidos, como Kirtland e Hiram, e toda a humanidade recebeu, nessas ocasiões, a confirmação de que necessitava desesperadamente.

Infelizmente, no mundo secular, Jesus é por muitos considerado um ser distante, na melhor das hipóteses; chegando até a ser negligenciado ou denegrido. Quão sublimemente especiais, portanto, são as revelações da Restauração que confirmam este fato universal: “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito”. (João 3:16)

Jesus, que realizou a “Expiação infinita”, sofreu infinitamente ao fazê-lo, e é um Salvador plenamente compreensivo, porque “desceu abaixo de todas as coisas” e “compreendeu todas as coisas”. (2 Néfi 9:7; D&C 88:6) Sim, como diz a letra daquele tocante spiritual do passado: “Ninguém conhece os problemas por que passei, ninguém a não ser Jesus”.

Irmãos e irmãs, os habitantes deste planeta para os quais as revelações e traduções são extremamente pertinentes incluem aqueles que, numa expressão conhecida, estão levando “uma vida de desespero silencioso”. (Ver Henry David Thoreau, Walden [1965], p. 7) A eles se somam agora os que levam uma vida de ruidosa e desenfreada liberalidade, buscando equivocadamente satisfazer sua capacidade de sentir, a ponto de acabarem perdendo toda sensibilidade, tornando-se pessoas “[sem] sentimentos”. (Ver Morôni 9:20; Efésios 4:19; 1 Néfi 17:45.) Portanto, eles lambem seu prato, em particular, numa desesperada busca por mais sensações. Essas pessoas, no entanto, ainda não constituem a maioria, mas, sim, a “minoria” do povo. (Ver Mosias 29:26–27.)

Sabemos que no último dia, o adversário não “apoiará” aqueles que o seguiram. (Ver Alma 30: 60.) Ele não pode fazê-lo. Jesus triunfará de modo majestoso e as astutas mentiras do adversário, que são “agradáveis à mente carnal”, serão derrubadas, “e sua queda [será] muito grande”. (Ver Alma 30:53; 1 Néfi 11:36.) Mesmo hoje podemos ver, na vida dos filhos pródigos que “tornam em si”, evidências de que as doutrinas do diabo são inúteis e que acabarão por ser descartadas. (Ver Lucas 15:17.) Muitos, tendo sentido a inutilidade e o vazio dos caminhos inferiores, estão “preparados para ouvir a palavra” e, neste momento, esperam para ser instruídos a respeito das revelações e traduções salvadoras. (Ver Alma 32:6.)

Irmãos e irmãs, não ousamos deixar de proclamar as verdades do evangelho restaurado! Não ousamos deixar de proclamar as revelações confirmadoras e as traduções verdadeiras de “coisas como realmente são e de coisas como realmente serão”. Essas coisas são tão necessárias para os que estão cansados e oprimidos por estarem sofrendo de anemia doutrinária, que pode ser melhor tratada com os glóbulos vermelhos da Restauração. (Ver Jacó 4:13.) Deixar de proclamar essas coisas restringiria o arrependimento e obscureceria o caminho espiritual que se tornará “belo como o sol e claro como a lua”. (Ver D&C 105:31.)

Enquanto isso não acontece, é de se esperar que muitos nos tratem com indiferença. Outros nos consideram equivocados ou estranhos. Suportemos a oposição e a zombaria daqueles que, ironicamente, descobrirão ao final, que o “grande e espaçoso edifício” não passa de um hotel de terceira classe, velho e lotado. (Ver 1 Néfi 8:31–33.) Não revidemos as ofensas nem façamos caso delas. (Ver D&C 31:9.) Em vez disso, usemos nossa energia para erguer o escudo da fé de modo a extinguir os dardos inflamados que virão, talvez com o auxílio de um toque de Teflon espiritual. (Ver 1 Néfi 15:24.)

Irmãos e irmãs, tendo em vista tudo o que foi mencionado, “que mais poderei dizer”, exceto “Hoje ao profeta rendamos louvores!”. (Jacó 6:12; “Hoje ao Profeta Louvemos”, Hinos, n.o 14.) Em nome de Jesus Cristo. Amém.