2000–2009
Posso Orar ao Pai Celestial a Qualquer Hora, em Qualquer Lugar

Posso Orar ao Pai Celestial a Qualquer Hora, em Qualquer Lugar

Sei que podemos orar ao Pai Celestial a qualquer hora, em qualquer lugar e sou tão grata por podermos fazê-lo.

Meus irmãozinhos e minhas irmãzinhas, conseguem lembrar da última vez que receberam resposta às suas orações? Foi quando perderam alguma coisa? Foi quando sentiram medo? Talvez estivessem doentes ou talvez alguém que vocês amavam estivesse doente. Eu também oro quando essas coisas acontecem.

Onde estavam na última vez que oraram? Já orei em muitos lugares: na praia, nas montanhas, na igreja, no parque de diversões. Oro em casa, em um avião e no hospital. Sei que posso orar ao Pai Celestial a qualquer hora, em qualquer lugar. Sei que Ele me ouve.

Deixem-me contar-lhes uma história a respeito de duas crianças — um menino, de mais ou menos seis anos de idade, e uma menina que acabara de fazer sete anos. Eles foram passear, num dia quente de verão com o pai, no jipe do avô. Dirigiram por uma hora e meia, então o jipe começou a fazer ruídos esquisitos. O motor morreu ao pararem em um posto de gasolina na cidade seguinte. “Podemos consertá-lo”, disse o frentista e indicou-lhes onde deveriam ir para comprar as peças de que precisavam. Uma vez dentro da loja, as crianças encontraram muitas coisas para olhar e não perceberam que o pai fora para os fundos da loja com o gerente. Tudo o que sabiam é que não conseguiam vê-lo. Elas olharam para fora e viram um homem andando pela rua que usava um chapéu como o do pai delas. Ele estava dobrando a esquina, então elas correram para alcançá-lo, gritando: “Papai! Papai!”

Quando perceberam que não era o pai, elas já estavam perdidas. Não conseguiam encontrar a loja, não sabiam onde estavam e não conheciam ninguém naquela cidade. A menina queria ir para este lado; o menino para aquele. Como iam conseguir encontrar o pai, ou pelo menos o jipe? Ela disse: “Precisamos orar”. Ele sentiu-se acanhado por orar em público, mas depois de orarem, ambos começaram a caminhar na mesma direção. Elas encontraram o posto de gasolina, subiram no banco de trás do jipe e esperaram. Em pouco tempo — mas que pareceu uma eternidade para eles — o pai chegou. Ele também tinha orado para que os encontrasse e para que os encontrasse rapidamente.

Nas escrituras existem muitas histórias sobre respostas às orações. Lembram-se destas? Foi ensinado a Néfi como construir um barco e onde encontrar alimento; Daniel orou pedindo proteção por causa dos leões; Enos orou dia e noite para que seus pecados lhe fossem perdoados; Ana orou para que pudesse ter um filho. Minha história favorita a respeito da oração é a de um garoto que queria saber uma coisa. Queria saber a qual Igreja deveria se filiar. Seus amigos e sua família estavam procurando igrejas para se filiarem. Ele simplesmente não sabia qual igreja era a certa. Tinha apenas 14 anos de idade.

Certo dia Joseph Smith estava lendo a Bíblia e leu o seguinte: “E se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada”. (Tiago 1:5) Essa escritura foi tão significativa para ele! Nunca antes havia orado em voz alta, mas precisava de uma resposta e acreditou na escritura. Humildemente foi até um bosque perto de sua casa, ajoelhou-se e começou a orar. Essa foi uma oração tão importante que os poderes das trevas ameaçaram destruir esse jovem lavrador, mas ele clamou a Deus pedindo ajuda. Ao fazer isso, uma luz desceu e a escuridão desapareceu. Joseph viu dois personagens em pé, nessa luz. Um deles disse-lhe, apontando para o outro: “Este é Meu Filho Amado. Ouve-O!” (Joseph Smith — História 1:17) Era Deus, o Pai e Seu Filho Jesus Cristo.

Quando penso nessa história, lembro-me de meus filhos. Todos eles serviram como missionários fora dos Estados Unidos. Cada um deles precisou aprender um idioma estrangeiro. Uma das coisas que aprenderam a compartilhar no novo idioma foi a história da oração de Joseph Smith. Por que eles aprenderam isso? Porque as pessoas a quem ensinavam precisavam saber que o Pai Celestial e Jesus escolheram Joseph Smith para ser o profeta que restauraria o evangelho e a Igreja de Jesus Cristo sobre a Terra uma vez mais. E as pessoas precisavam saber que assim como Joseph Smith recebera resposta à sua oração, eles poderiam orar ao Pai Celestial e receber resposta às orações deles. Ele responderá às suas orações, também. Sei que podemos orar ao Pai Celestial a qualquer hora, em qualquer lugar e sou tão grata por podermos fazê-lo.

Eis aqui meu testemunho nos dedos de minha mão:

  1. Sei que Deus é nosso Pai no Céu e que Ele nos ama.

  2. Jesus Cristo é Seu Filho, nosso Salvador e Redentor.

  3. Joseph Smith é um profeta de Deus. Ele traduziu o Livro de Mórmon pelo dom e poder de Deus.

  4. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a Igreja do Senhor aqui na Terra nos dias de hoje.

  5. O profeta vivo é o Presidente Gordon B. Hinckley.

Em nome de Jesus Cristo. Amém.