Lição 40

Daniel e as Iguarias do Rei

Primária 6: Velho Testamento


Propósito

Fortalecer, nas crianças, o desejo de guardar a Palavra de Sabedoria.

Preparação

  1. Em espírito de oração, estude:

  2. Estude a lição e decida como pretende ensinar às crianças as histórias das escrituras. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi, e “Ensinar Usando as Escrituras”, p. vii.) Escolha as perguntas do debate e as atividades complementares que mais ajudem as crianças a alcançarem o propósito da aula.

  3. Material necessário:

    1. Uma Bíblia e uma Doutrina e Convênios para cada criança.

    2. Opcional: uma ratoeira com um pouquinho de comida como isca ou uma linha de pesca com isca.

    3. Gravura 6–45: Daniel Recusa os Alimentos e o Vinho do Rei [Pacote de Gravuras do Evangelho (34730 059) – 114]

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Mostre às crianças uma ratoeira armada com isca, pronta para ser acionada.

Use um palito ou algo similar para acionar a ratoeira. (Em vez disso, você pode mostrar uma linha de pesca com isca e explicar como se pega um peixe com ela.) Pergunte-lhes o que os ratos fariam se entendessem o funcionamento da ratoeira e soubessem que tocar na isca é morte certa. Faça um debate a respeito da “isca” que Satanás usa para tentar persuadir-nos a desobedecer a Palavra de Sabedoria. Ajude-as a compreender que dar ouvidos à propaganda de coisas aparentemente desejáveis ou à pressão de outros é comparável a tocar na isca da ratoeira.

Diga às crianças que esta lição fala da coragem e autocontrole que Daniel teve quando recusou as iguarias e o vinho que o rei lhe designara e das bênçãos que recebeu por obedecer a lei de saúde do Senhor.

História das Escrituras

Ensine às crianças a história de quando Daniel recusou comer o alimento do rei de acordo com as escrituras relacionadas na seção “Preparação”. Use as gravuras quando for oportuno. (Para sugestões de como ensinar a história das escrituras, ver “Ensinar Usando as Escrituras”, p. vii.) Durante o debate, diga que Nabucodonosor, rei da Babilônia, havia vencido os judeus na guerra e tomado muitos deles como prisioneiros. Depois de retornar a seu país, ele mandou que alguns dos melhores jovens israelitas, príncipes e jovens da linhagem real fossem levados para morar no palácio. Entre esses jovens estavam Daniel, Sadraque, Mesaque e Abednego (todos israelitas).

Debate

Ao preparar a aula, estude as seguintes perguntas e referências de escrituras. Use as perguntas que mais ajudem as crianças a entender as escrituras e aplicar os princípios em sua vida. Ler e discutir as escrituras durante a aula irá ajudá-las a chegar a seus próprios pontos de vista a respeito do assunto.

• Quem o rei Nabucodonosor quis que fosse morar no palácio com ele depois de haver tomado Jerusalém e capturado muitos judeus? (Daniel 1:3–4) Quais eram as qualidades dos jovens que foram escolhidos? Como se chamavam os quatro judeus que foram escolhidos? (Daniel 1:6–7)

• O rei queria que esses rapazes viessem a servi-lo, o que ele fez para que eles fossem bem cuidados? (Daniel 1:5) O que Daniel e os amigos determinaram que fariam? (Daniel 1:8) Vocês acham que Daniel não tinha vontade de comer da comida do rei e beber de seu vinho? (Diga que, quando Moisés era o profeta, o Senhor deu uma lei que estipulava o que os filhos de Israel deveriam comer e beber. O alimento que o rei queria que Daniel e seus amigos comessem era proibido pela lei do Senhor. Hoje , temos uma lei de saúde que nos foi revelada e se chama Palavra de Sabedoria.) (Ver atividade complementar 1.)

• Se alguém lhes oferecesse algo que fosse contrário à Palavra de Sabedoria, o que você faria para seguir o exemplo de Daniel? (Ver atividade complementar 2.)

• Por que o chefe dos oficiais do rei ficou preocupado quando soube que Daniel não comeria nem beberia do que o rei havia determinado? (Daniel 1:10) qual foi a proposta de Daniel? (Daniel 1:12–13) Como a saúde dos rapazes mudou depois dos dez dias de experiência? (Daniel 1:15) (Ver atividade complementar 4.)

• Que outras bênçãos, além da saúde física, Daniel e seus amigos receberam? (Daniel 1:17, 20) Em sua opinião, por que a capacidade mental desses rapazes aumentou?

• O que podemos fazer para sermos abençoados da mesma forma que Daniel e seus amigos? Quais são as promessas do Senhor para aqueles que obedecerem à Palavra de Sabedoria? (D&C 89:18–21)

Atividades Complementares

Você pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como recapitulação, resumo ou desafio.

  1. Faça um debate sobre os alimentos saudáveis que são mencionados na Palavra de Sabedoria. (Ver D&C 89:11–12, 16.) Observe que são mencionados cereais e que os cereais estavam entre os legumes que Daniel e seus amigos queriam comer. Depois converse a respeito do que a Palavra de Sabedoria cita como sendo prejudicial para o corpo. (Ver D&C 89:5–9.) Explique-lhes que o Profeta Joseph Smith definiu as “bebidas quentes” como sendo o café e o chá preto. Outros profetas modernos incluíram as drogas, quando usadas de modo impróprio, na lista de substâncias nocivas.

    Leve figuras dos alimentos citados na Palavra de Sabedoria (ou papéis com o nome dos alimentos). Prepare um cartaz dizendo “Bom” e outro dizendo “Ruim”. Distribua as figuras ou os papéis e peça às crianças que se revezem colando-os sob o cartaz a que correspondem.

  2. Satanás tenta convencer-nos, por meio de propaganda e pressão de grupo, que desobedecer a Palavra de Sabedoria é divertido, estimulante e que não vai nos prejudicar. Debata com as crianças os métodos que podem ser usados para tentar convencê-las a fumar, beber, tomar café ou chá preto e a usar drogas. Algumas das idéias citadas pelas crianças podem ser: “Só um pouquinho não faz mal”, “Você vai gostar”, “Uma vez só não faz mal”.

    Escreva palavras como estas em papeizinhos: chá preto, cerveja, cigarro. Peça às crianças que tirem um papel e representem a reação que teriam se seu grupo de amigos fizesse pressão para que elas usassem aquela substância. Saliente que a resposta pode ser dada de várias maneiras, mas em todos os casos deve ser “Não!”

  3. Faça a brincadeira “O Chefe Mandou” citando movimentos que fazemos com o corpo. Por exemplo: “o chefe mandou ficar num pé só “ ou “o chefe mandou acenar com a mão direita”. Sempre que a ordem for precedida das palavras “o chefe mandou” as crianças devem obedecer, mas se você não disser “o chefe mandou” elas não devem obedecer. Após alguns minutos, converse com as crianças a respeito das coisas maravilhosas que podemos fazer com o corpo. Faça-as lembrar das coisas que o corpo faz o tempo todo e que nós nem notamos, como: respirar, bombear o sangue que circula pelas veias, combater doenças, mandar as mensagens do cérebro para os nervos, etc. Sugira às crianças que agradeçam ao Pai Celestial, em oração, pela bela dádiva que é o corpo. Incentive-as a demonstrarem gratidão pelo corpo que possuem obedecendo à Palavra de Sabedoria.

  4. Conte esta história para as crianças:

    Em 1919, Creed Haymond era um dos corredores que representaram sua faculdade num encontro esportivo em que competiam 1.700 homens. À noite, na véspera do encontro, o treinador disse-lhe: “Hoje vou dar um pouco de xerez para os rapazes e eu quero que você tome também.” [Obs.: xerez é um vinho forte, espanhol.]

    “Eu não posso tomar.”

    “Creed, eu não estou querendo que você passe a beber. Sei no que os mórmons acreditam. Eu quero que você tome o xerez como um fortificante.”

    O treinador continuou tentando induzi-lo a tomar um pouco do vinho, mas Creed não aceitou.

    Mas depois, Creed ficou pensando: “E se, amanhã, eu der vexame? O que eu vou dizer para o treinador?” Ele estaria competindo com os homens mais rápidos do mundo. Ele teria que dar o melhor de si. Seus colegas estavam obedecendo, pois acreditavam no treinador. Que direito ele tinha de desobedecer? Só um direito: acreditava na Palavra de Sabedoria. Ele orou pedindo que o Senhor aumentasse seu testemunho da Palavra de Sabedoria e depois foi dormir.

    De manhã, todos os rapazes da equipe estavam passando mal, menos Creed.

    Durante o encontro ficou claro que havia algo errado com a equipe. Todos os colegas de Creed, sem exceção, ficaram muito aquém do desempenho que tiveram anteriormente. Então a largada da corrida de 100 metros foi anunciada. Creed Haymond ia correr os 100 e os 200 metros.

    Foi dada a largada e todos saíram, menos Creed Haymond. O chão cedeu por causa de um buraco feito em uma das corridas anteriores e Creed caiu de joelhos. Mas num instante ele já estava em pé e, no último momento, ultrapassou o corredor que liderava a prova e venceu a corrida.

    Devido a uma falha de organização, as finais dos 200 metros foram realizadas em seguida das semifinais. Creed já havia participado de três corridas e mal tinha terminado as corridas classificatórias para as semifinais. Por isso, ele pediu ao juiz de largada que lhe desse um tempo para tomar fôlego, mas o juiz tinha ordens de começar a corrida e mandou que os rapazes se posicionassem.

    Dessa vez, Creed largou rápido como um raio à frente de todos os outros. Ele completou a prova em vinte e um segundos, quebrando o recorde mundial dos 200 metros. (Adaptado de: “I Can’t Do It, Coach”, in Inspiring Stories for Young Latter-day Saints, comp. Leon Hartshorn, 1975, pp. 123–128.)

    Faça um debate sobre as bênçãos que Creed Haymond recebeu por ter cumprido a Palavra de Sabedoria.

  5. Cante ou leia “Faze o Bem”. (Hinos, nº 147)

Conclusão

Testemunho

Expresse gratidão pela Palavra de Sabedoria e preste testemunho de que guardar a lei de saúde traz bênçãos tanto físicas quanto espirituais. Se desejar, conte uma ocasião em que você tenha sido abençoado por viver a Palavra de Sabedoria.

Sugestão de Atividade com a Família

Incentive as crianças a conversar com a família a respeito de uma parte específica da lição, como, por exemplo, uma história, pergunta ou atividade, ou ler a “Designação de Leitura Sugerida” em família.

Designação de Leitura Sugerida

Sugira às crianças que estudem, em casa, para recapitularem a lição.

Convide uma criança para fazer a última oração.