Lição 39

Primária 6: Velho Testamento


Propósito

Ajudar as crianças a terem fé e continuarem fortes nas épocas de provação.

Preparação

  1. Em espírito de oração, estude:

    • Jó 1—Jó perde seus bens e seus filhos, mas continua adorando a Deus.

    • Jó 2:1–12—Jó é ferido de úlceras.

    • Jó 19:13–29—Jó fala de suas aflições e testifica do Redentor.

    • Jó 22:5–10—Os amigos de Jó acusam-no de cometer pecados.

    • Jó 27:2–5—Jó afirma que é integro.

    • Jó 42:7–17—O Senhor castiga os amigos de Jó. Jó é abençoado com o dobro do que tinha antes.

  2. Estude a lição e decida como pretende ensinar às crianças as histórias das escrituras. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi, e “Ensinar Usando as Escrituras”, p. vii.) Escolha as perguntas do debate e as atividades complementares que mais ajudem as crianças a alcançarem o propósito da aula.

  3. Material necessário:

    1. Uma Bíblia para cada criança.

    2. Um lápis e uma jóia que tenha um diamante (se for possível).

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Mostre o lápis às crianças e diga que, no lápis, a parte que escreve é o grafite, que é um tipo de carbono. Peça-lhes que avaliem o preço do grafite do lápis. Depois, mostre-lhes o diamante (ou descreva um diamante) e diga que os cientistas acreditam que os diamantes formaram-se há milhões de anos, quando o carbono foi submetido a um calor e pressão intensos. Os diamantes são muito valiosos porque são a substância natural mais dura que existe, por sua beleza e porque a indústria os usa para cortar e afiar. Se quiser, peça às crianças que avaliem o preço do diamante. Fale de como o diamante é muito mais valioso do que o grafite do lápis, apesar de serem feitos do mesmo elemento (carbono). Pergunte-lhes o que aconteceu com o diamante para que ele se tornasse tão valioso.

Compare os problemas e provações da vida com o calor e a pressão a que o carbono é submetido para que os diamantes sejam formados. Explique-lhes que o “calor” e a “pressão” das nossas provações irão nos tornar fortes como um diamante, se permanecermos fiéis ao Pai Celestial. Peça às crianças que prestem atenção à história de um homem que passou por muitas provações, mas nunca perdeu a fé em Deus.

História das Escrituras

Ensine às crianças a história de Jó de acordo com as escrituras relacionadas na seção “Preparação”. (Para sugestões de como ensinar a história das escrituras, ver “Ensinar Usando as Escrituras”, p. vii.) Durante o debate, ajude as crianças a compreenderem que Jó era um homem justo e perfeito que foi abençoado com grande riqueza. O Senhor permitiu que Satanás tentasse e provasse a Jó para que Jó pudesse provar sua fidelidade.

Debate

Ao preparar a aula, estude as seguintes perguntas e referências de escrituras. Use as perguntas que mais ajudem as crianças a entender as escrituras e aplicar os princípios em sua vida. Ler e discutir as escrituras durante a aula irá ajudá-las a chegar a seus próprios pontos de vista a respeito do assunto.

• Que tipo de homem era Jó? (Jó 1:1) Quantos filhos e quantas filhas ele tinha? (Jó 1:2) O que Satanás achou que aconteceria se Jó perdesse seus bens e família? (Jó 1:11)

• O que aconteceu aos filhos e bens de Jó? (Jó 1:13–19) Qual foi a reação de Jó a essas perdas? (Jó 1:21–22) Diga que “nem atribuiu a Deus falta alguma” quer dizer que ele não culpou Deus por suas provações. Por que não devemos culpar Deus por nossas provações? (Ver atividade complementar 1.)

• O que Satanás achou que aconteceria se Jó passasse por sofrimentos físicos? (Jó 2:5) Que sofrimento físico o Senhor permitiu que Satanás infligisse a Jó para prová-lo? (Jó 2:7)

• Qual foi a reação dos amigos, da família e dos servos de Jó quando ele passou por essas provações? (Jó 19:13–9) Como devemos reagir quando vemos outra pessoa sofrer? Mesmo depois de sofrer muito, tanto mental quanto fisicamente, a respeito de quem Jó continuou a testificar? (Jó 19:25–27) De que forma somos fortalecidos por continuar prestando testemunho do Salvador quando passamos por provações?

• Os amigos de Jó pensavam que ele estava sofrendo por ter pecado. Que pecados eles achavam que Jó tinha cometido? (Jó 22:5–9) Diga que às vezes o sofrimento é fruto de nossos pecados, mas que em muitos casos, como no de Jó, isso não é verdade. Por que tanto os justos quanto os iníquos passam por provações? (Ver atividade complementar 2.)

• O que Jó decidiu que faria não importando o que lhe acontecesse? (Jó 27:4–5) Como uma decisão desse tipo nos ajuda a lidar com as provações diárias?

• O que o Senhor disse aos amigos de Jó depois que eles o acusaram de ser iníquo? (Jó 42:7–9) Que bênçãos Jó recebeu do Senhor por ter permanecido fiel nas provações que passou? (Jó 42:10–17) Que bênçãos podemos receber do Senhor se formos fiéis nas provações? (Ver atividade complementar 4.) De que forma suas provações podem ser uma bênção para vocês?

Atividades Complementares

Você pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como recapitulação, resumo ou desafio.

  1. Explique às crianças que quando os filhotes de pássaros estão para nascer, bicam a casca para conseguirem sair do ovo. O que aconteceria se ficássemos com pena do pássaro e quebrássemos a casca para ele? Diga que ele poderia até morrer. Bicar a casca dá aos pássaros a força que precisam para viver depois de saírem do ovo. Faça um debate sobre como as provações podem fortalecer-nos para conseguirmos voltar a viver com o Pai Celestial.

  2. Conte esta história e faça um debate a seu respeito:

    O Presidente Spencer W. Kimball, que foi o décimo segundo Presidente da Igreja, disse que uma senhora lhe perguntou: “Por que as pessoas que menos se empenham na construção do reino parecem ser as que mais prosperam? (…) Nós guardamos o dia do Senhor e freqüentamos as reuniões, eles vão jogar golfe, caçar, pescar e divertir-se. (…) Empregamos muito dinheiro para pagar o dízimo e outras ofertas da Igreja, eles podem gastar tudo o que ganham, que não é pouco, no que bem quiserem. (…) Parece-me que não vale a pena viver o evangelho se quem prospera são as pessoas orgulhosas e que quebram os convênios.” O Presidente Kimball explicou que, um dia, colheremos o que semeamos. Ele disse: “O dia do ajuste de contas é tão certo quanto o passar do tempo e a chegada da eternidade. Todos os que vivem, um dia estarão diante do tribunal de Deus para serem julgados de acordo com suas obras. A sentença final decretará recompensas e punições de acordo com o tipo de vida que tiveram na Terra. (…) O acerto de contas não é diário, mas será feito quando chegar a colheita.”

  3. Prepare papéis com estas palavras, ou outras de sua escolha: olhos, pão, livro, árvore, cavalo, nadar. Diga às crianças que você vai ensinar-lhes um jogo chamado Vinte Perguntas. Chame uma criança à frente e peça-lhe que escolha um dos papéis, sem mostrá-lo às outras crianças. Os outros membros da classe devem revezar-se fazendo perguntas que possam ser respondidas com um “sim” ou um “não” para tentar adivinhar qual é a palavra do papel. Por exemplo: “É de comer? É um animal? É uma parte do corpo?” Se a resposta for sim, a criança que escolheu o papel deve olhar fixamente para a turma, se for não ela deve piscar. (Esse era o único meio de comunicação que a garota da história abaixo tinha para comunicar-se.) Elas podem fazer vinte perguntas para tentar adivinhar o que está escrito no papel. (Provavelmente, não haverá tempo para repetir o jogo.)

    Conte a história de uma menina chamada Heather Erickson. Ela quase não tinha controle do próprio corpo devido a uma doença muito séria. Só havia um meio de comunicar-se: a família fazia-lhe perguntas. Se a resposta fosse “sim”, ela encarava quem tivesse feito a pergunta, se fosse “não” ela piscava. Heather e a família tornaram-se muito hábeis nesse tipo de comunicação. Apesar de suas deficiências, quando se comunicava, freqüentemente, ela expressava o amor especial que sentia por Jesus. Um dia, o fonoaudiólogo que tratava Heather perguntou-lhe qual era sua música predileta. Ela ficou agitada, ansiosa para dizer ao terapeuta qual era a música de que mais gostava. Finalmente, após três dias de pesquisas e perguntas, identificaram a música: “Minha Alma Hoje Tem a Luz”. (Hinos, nº 151)

    A parte favorita de Heather eram os versos que, na letra em inglês, dizem : “E Jesus, atento, pode ouvir / As canções que eu não posso cantar”. O terapeuta perguntou-lhe: “É isso Heather? É isso que gosta nessa música? É o que queria que eu soubesse? Que Jesus está atento e ouve as canções que você não pode cantar?” Heather levantou a cabeça e olhou bem nos olhos do terapeuta com uma expressão que mesclava emoção e alívio no rosto. Ela havia prestado testemunho. [Adaptado de: Bruce e Jyce Erickson, When Life Doesn’t Seem Fair (Quando a Vida Parece Injusta), 1995, pp. 49–55.]

    Faça um debate com as crianças a respeito da atitude positiva e fé em Jesus que Heather tinha, apesar de não poder falar nem controlar o corpo. Discuta as provações que as crianças podem ter de enfrentar e como podem manterse fiéis nessas provações.

  4. Diga para as crianças imaginarem um fio de lã tão comprido que se fosse enrolado em torno da Terra daria várias voltas. Esse fio representa a eternidade. Depois diga-lhes para imaginarem meio centímetro do fio. Essa pequena parte da lã representa o tempo que vivemos na Terra. Leia Doutrina e Convênios 121:7–10 e discuta a brevidade da vida quando a comparamos à eternidade. Se suportarmos nossas provações e permanecermos fiéis, seremos abençoados por toda a eternidade.

  5. Cante ou leia “Oração de Uma Criança” (Músicas para Crianças, p. 6).

Conclusão

Testemunho

Fale às crianças de como foi fortalecido quando passou por provações e se manteve fiel ao Pai Celestial.

Sugestão de Atividade com a Família

Incentive as crianças a conversar com a família a respeito de uma parte específica da lição, como, por exemplo, uma história, pergunta ou atividade, ou ler a “Designação de Leitura Sugerida” em família.

Designação de Leitura Sugerida

Sugira às crianças que estudem, em casa, Jó 27:2–5 para recapitularem a lição.

Convide uma criança para fazer a última oração.