Lição 34

“Retende os Preceitos, como Vo-los Entreguei”

O Novo Testamento: Manual do Professor de Doutrina do Evangelho


Objetivo

Ajudar os alunos a reconhecerem a importância de viver em conformidade com as doutrinas do evangelho e de receber as ordenanças do sacerdócio.

Preparação

  1. Leia e pondere as seguintes escrituras e ore a respeito delas:

    1. I Coríntios 11:1–3, 11–12. Paulo ensina a respeito do relacionamento entre marido e mulher e o Senhor.

    2. I Coríntios 11:17–29. Paulo ensina que o sacramento é um emblema do sacrifício do Salvador e deve ser tomado em lembrança Dele.

    3. I Coríntios 12–14. Paulo ensina que existem muitos dons espirituais e que todos são importantes para a Igreja. Ele ensina que a caridade é mais importante que qualquer outro dom ou qualidade. Ele ensina que os dons espirituais devem ser usados para o benefício de todos.

    4. I Coríntios 15. Paulo ensina que graças a Jesus Cristo, todos ressuscitaremos. Ele também fala do batismo pelos mortos e os três graus de glória.

  2. Leitura adicional: 3 Néfi 18:1–14; Morôni 7:44–48; 10:8–18; Doutrina e Convênios 46:1–26; 76:50–119; 88:27–32, 95–102.

  3. Se houver gravuras disponíveis para ilustrar o tema caridade utilize-as durante a lição.

  4. Sugestão didática: Para ensinar o evangelho com eficácia, os professores necessitam ter o dom de possuir um coração compreensivo. Para compreender melhor as necessidades dos alunos, os professores precisam ter caridade e ser guiados pelo Espírito Santo. Os professores precisam ponderar em espírito de oração as necessidades de cada aluno e a maneira de atender a essas necessidades. (Ver Ensino — Não Há Maior Chamado, pp. 25–26.)

Sugestão para o Desenvolvimento da Lição

Atividade Motivadora

Se for adequado, utilize a seguinte atividade ou uma de sua escolha para começar a lição.

Pergunte aos alunos se eles sabem o que é um desvio numa ferrovia. Desenhe um no quadro-negro (conforme mostrado na página seguinte) e diga que um desvio é um ponto da ferrovia em que o trem pode ser desviado de um trilho para outro.

Conte a seguinte experiência relatada pelo Élder Gordon B. Hinckley:

“Há muitos anos, trabalhei no escritório central de uma das ferrovias de nosso país. Certo dia, recebi um telefonema de um colega de trabalho de Newark, New Jersey, avisando que um trem de passageiros havia chegado sem o vagão de bagagem. Os passageiros estavam muito zangados.

Descobrimos que o trem havia chegado sem problemas a Oakland, Califórnia, e seguira para St. Louis, de onde deveria ter sido levado para seu destino na costa leste. Contudo, no pátio de manobras de St. Louis, um funcionário distraído havia deslocado uma peça de metal, desviando-a menos de dez centímetros de sua posição original. Essa peça de metal era um desvio, e o vagão que devia ter ido para Newark, New Jersey, tinha ido parar em New Orleans, Louisiana, que ficava a mais de dois mil quilômetros de distância.” (Conference Report, outubro de 1972, pp. 106–107; ou Ensign, janeiro de 1973, p. 91.)

Ao terminar de contar a história, mostre o desvio desenhado no quadro-negro e faça as seguintes perguntas:

• De que modo uma mudança aparentemente tão pequena teve uma conseqüência tão significativa no destino de um trem? Quais são alguns dos desvios que encontramos na vida? (As respostas podem incluir acontecimentos, decisões, novas informações ou qualquer coisa que mude a direção de nossa vida. Os desvios podem ser negativos se nos afastarem da verdade, ou positivos se nos puserem de volta no caminho correto.)

Os últimos capítulos da primeira epístola de Paulo aos coríntios menciona quatro desvios de doutrina por meio dos quais os coríntios tinham-se afastado da verdade. Diga que ao estudarmos os ensinamentos de Paulo contidos nesses capítulos, fortaleceremos nossa determinação de seguir pelo caminho da retidão que nos levará até a presença do Pai Celestial.

Discussão e Aplicação das Escrituras

Ao ensinar as seguintes passagens das escrituras, discuta como elas podem ser colocadas em prática na vida diária. Incentive os alunos a contarem experiências que estejam relacionadas com os princípios encontrados nas escrituras.

1. O relacionamento entre o marido, a mulher e o Senhor.

Leia e discuta I Coríntios 11:1–3, 11–12.

• A que relacionamentos Paulo se refere em I Coríntios 11:3? Por que acham que Paulo agrupou esses relacionamentos num só? Que qualidades existem no relacionamento entre Jesus Cristo e Seu Pai? (Ver João 5:20; 8:29; 17:21–22.)

Como podemos desenvolver essas qualidades em nosso relacionamento com Jesus Cristo? Como o marido e a mulher podem desenvolver essas qualidades em seu relacionamento?

• O que significa dizer que “nem o homem é sem a mulher, nem a mulher sem o homem, no Senhor”? (I Coríntios 11:11) Por que o relacionamento entre marido e mulher é tão importante no reino de Deus? O que isso nos ensina a respeito de como o marido e a mulher devem tratar um ao outro?

O Presidente Marion G. Romney ensinou: “[Marido e mulher] devem ser um em harmonia, respeito e consideração mútua. Não devem jamais planejar ou seguir um curso de ação independente. Devem consultar-se mutuamente, orar e tomar juntos as decisões. (…) Lembrem-se de que nem a esposa é escrava do marido, nem o marido escravo da esposa. Marido e mulher participam em igualdade de condições”. (“À Imagem de Deus”, A Liahona, setembro de 1978, pp. 2, 4.)

Se você utilizou a atividade motivadora, discuta como esses relacionamentos podem funcionar como desvios positivos ou negativos em nossa vida.

2. O propósito do sacramento

Leia e discuta I Coríntios 11:17–29. Explique-lhes que muitos dos santos de Corinto não estavam cumprindo com o propósito do sacramento. Em vez de concentrarem-se na ordenança do sacramento, contendiam uns com os outros e comiam e bebiam em excesso. (I Coríntios 11:18–22)

• Qual é o propósito principal da reunião sacramental? (Ver a Tradução de Joseph Smith de I Coríntios 11:20, que declara que o propósito é partilhar da ceia do Senhor.)

O Élder Jeffrey R. Holland ensinou: “Com tantas coisas em jogo, essa ordenança que celebra nossa fuga do anjo das trevas deve ser levada mais a sério do que o é algumas vezes. Deve constituir-se em um momento vigoroso, de reverência e reflexão. Deve encorajar sentimentos e impressões espirituais. Como tal, não deve ser feita às pressas. Não se trata de algo de que queiramos nos livrar, se quisermos compreender o verdadeiro propósito da reunião sacramental. Esse é o propósito real da reunião”. (A Liahona, janeiro de 1996, p. 74.)

• De acordo com Paulo, quais são os propósitos do sacramento? (Ver I Coríntios 11:23–26; ver também Lucas 22:19–20.) O que podemos fazer para manter a mente e o coração mais voltados para Jesus ao tomar o sacramento?

• O que Paulo ensinou a respeito da importância de sermos dignos para tomar o sacramento? (Ver I Coríntios 11:27–29.) O que significa tomar o sacramento indignamente? Por que esse exame de consciência é uma parte importante do sacramento?

• De que maneira vocês foram abençoados por tomar o sacramento? Como podemos fazer com que essa ordenança seja mais significativa em nossa vida?

Se você usou a atividade motivadora, discuta como nossa atitude para com o sacramento pode ser um desvio em nossa vida.

3. A importância de todos os dons espirituais.

Discuta I Coríntios 12–14. Peça aos alunos que leiam alguns versículos em voz alta. Diga que a carta de Paulo sugere que os santos de Corinto deram importância excessiva ao dom das línguas. (I Coríntios 14:2–14, 27–28) Nos capítulos 12–14, Paulo explica que todos os dons do Espírito são importantes, mas os santos devem procurar os dons que serão benéficos a todos.

• Que são dons espirituais? (As bênçãos ou capacidades espirituais concedidas pelo Espírito Santo. Ver I Coríntios 12:7–11; D&C 46:11.) Por que Deus nos concede dons espirituais? (Ver D&C 46:26.)

• Que dons do Espírito vocês já receberam ou testemunharam? (Relacione e discuta alguns dos dons espirituais revelados em I Coríntios 12:8–10, Morôni 10:8–17 e D&C 46:13–25.) Como esses dons abençoaram sua vida ou a de outras pessoas?

• Por que acham que Paulo comparou os membros da Igreja a diferentes partes do corpo? (I Coríntios 12:12–25. Para mostrar que todo membro é importante para os outros membros e para a Igreja como um todo.) Como podemos aplicar essa comparação aos diversos dons do Espírito?

• As escrituras aconselham-nos a buscar os dons espirituais. (I Coríntios 12:31; D&C 46:8) Quais devem ser os motivos pelos quais buscamos dons espirituais? (Ver I Coríntios 14:12; D&C 46:9. Se necessário, diga que edificar significa construir, instruir, melhorar e esclarecer.)

• Qual Paulo ensinou ser o maior de todos os dons espirituais? (Ver I Coríntios 13. Defina cada um dos atributos da caridade mencionados nos versículos 4–7 e discuta como podemos colocá-los em prática em nossa vida. Escreva os atributos no quadro-negro.) Por que a caridade é mais importante que qualquer outro dom espiritual? (Ver I Coríntios 13:1–3, 8–13.)

• Como vocês foram abençoados por outra pessoa que lhes demonstrou caridade? Como podemos desenvolver maior caridade? (Ver Morôni 7:44–48.)

Se você usou a atividade motivadora, discuta como a caridade pode funcionar como um desvio em nossa vida.

4. A Ressurreição e os graus de glória.

Leia e discuta alguns versículos de I Coríntios 15. Explique-lhes que muitos dos coríntios começaram a questionar a realidade da Ressurreição. (I Coríntios 15:12)

• Que testemunhas da Ressurreição foram citadas por Paulo? (Ver I Coríntios 15:5–8.) Por que acham que Paulo citou tantas testemunhas da Ressurreição? (Ver II Coríntios 13:1.) Por que as testemunhas são tão importantes para vocês?

• Qual a relação ensinada por Paulo entre a Queda de Adão e a Ressurreição? (Ver I Coríntios 15:20–23.)

• Como Paulo usou a doutrina do batismo pelos mortos para ensinar a respeito da Ressurreição? (Ver I Coríntios 15:29. A ordenança do batismo pelos mortos seria inútil se não houvesse a Ressurreição.)

• O que Paulo ensinou a respeito dos reinos de glória? (Ver I Coríntios 15:35–44. Seremos ressuscitados em diferentes reinos de glória: o celeste, o terrestre ou o teleste. Ver também D&C 88:27–32.) Como seu conhecimento da Ressurreição e dos reinos de glória influencia seu modo de vida?

Conclusão

Preste testemunho da importância de seguirmos as doutrinas que nos levarão de volta a nosso Pai Celestial. Se usou a atividade motivadora, peça aos alunos que examinem sua própria vida em busca de desvios: atitudes ou ações que, se seguidas, podem mudar a direção de nossa vida. Incentive-os a escolher rumos que afetarão sua vida de modo positivo.

Outras Sugestões Didáticas

Sugere-se o seguinte material para complementar a aula. Você pode usar uma ou mais dessas sugestões como parte da lição.

1. Deus não é Deus de confusão” (I Coríntios 14:33)

Peça aos alunos que leiam I Coríntios 14:33. Depois faça as seguintes perguntas:

• Quais são alguns assuntos a respeito dos quais existe muita confusão e controvérsia no mundo? Por que acham que existe tanta confusão no mundo? Em que sentido Deus é um “Deus (…) de paz”?

2. Atividade para os jovens

Antes da aula, pense em várias situações da vida diária dos jovens em que terão a oportunidade de demonstrar caridade. (Por exemplo: ver uma pessoa que precisa de ajuda na escola, discordar de um irmão ou irmã, ou ter um amigo que esteja se sentindo solitário ou desprezado.) Apresente essas situações aos jovens e pergunte como podem usar os atributos da caridade, conforme ensinados por Paulo em I Coríntios 13, para melhorar a situação.