Aquietai-vos, e Sabei Que Eu Sou Deus

Devocional do SEI para Jovens Adultos • 4 de maiode 2014 • San Diego, Califórnia


 

Meus queridos jovens irmãos e irmãs, sinto-me feliz por falar a vocês de San Diego, Califórnia. É muito bom estar aqui neste devocional do SEI desta noite. Damos as boas-vindas nesta noite a todos os jovens adultos, inclusive vocês, alunos do último ano do ensino médio. Somos gratos por estarem aqui conosco. Também damos as boas-vindas aos ex-missionários. A Igreja e o Senhor são gratos por seu serviço maravilhoso!

Por fim, damos as boas-vindas a vocês que são missionários em perspectiva. O Senhor precisa de moças e rapazes justos para ajudá-Lo a coligar Israel e a preparar o mundo para Sua Segunda Vinda.

Quero que saibam que o Senhor os ama e confia em vocês. A Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos acreditam em vocês e oram por vocês com frequência. Vocês são o futuro da Igreja, e o Senhor tem muitas bênçãos maravilhosas para vocês.

Deixem-me repetir e salientar esse ponto — vocês vão liderar a Igreja daqui a 20 ou 30 anos. Alguns de vocês vão servir como bispos, presidentes de estaca, presidentes de missão, presidentes da Primária, das Moças e da Sociedade de Socorro, e presidentes e diretoras de templos. Sim, ao alcance da minha voz nesta noite estão aqueles que muito provavelmente se tornarão líderes de comunidades e nações, membros da presidência geral das mulheres ou até Setenta Autoridade Geral ou talvez membro do Quórum dos Doze Apóstolos.

Hoje, vocês não sabem que futuro extraordinário os aguarda!

Líderes da Igreja

Ouvi dizer que algumas pessoas acham que os líderes da Igreja vivem dentro de uma “bolha”. O que eles esquecem é que somos homens e mulheres experientes, que já vivemos em muitos lugares e trabalhamos com muitas pessoas de diversas histórias de vida. Nossa designação atual literalmente nos faz percorrer o mundo inteiro, onde conhecemos líderes políticos, religiosos, empresariais e humanitários do mundo. Embora tenhamos visitado a Casa Branca, em Washington D. C. e líderes de nações do mundo inteiro, também visitamos os lares mais humildes da Terra, onde conhecemos pessoas pobres e ministramos a elas.

Quando ponderarem cuidadosamente sobre nossa vida e nosso ministério, é bem provável que concordem que vimos e vivenciamos o mundo de uma maneira que poucos fazem. Compreenderão que vivemos menos em uma “bolha” do que a maioria das pessoas.

Outros dizem que somos velhos demais. Bem, é verdade que nove de nós têm mais de 80 anos de idade! Tenho 85 anos.

Contudo, há algo sobre a sabedoria individual e combinada das Autoridades Gerais que deve proporcionar-lhes algum consolo. Vivenciamos de tudo, inclusive as consequências de diferentes leis e normas públicas, desapontamentos, tragédias e falecimentos em nossa própria família. Não estamos fora de contato com sua vida.

Deixem-me também observar que nenhum dos Doze é uma pessoa tímida. Cada um de nós tem uma personalidade bem forte. Então, quando somos unânimes em relação a uma decisão, podem estar seguros de que nos aconselhamos e chegamos a essa decisão após muitas orações e após nos concentrarmos em muitos debates.

Meus netos até acham que eu sou “muito maneiro”, usando uma expressão deles. Ouvi dizer que alguns jovens adultos solteiros dizem que eu sou “irado”. Espero que signifique algo bom ser “irado”!

Somos jovens no coração, e o Senhor nos abençoa para que levemos Sua obra adiante de modo extraordinário. Nesta noite, vou abordar com vocês três assuntos importantes: um, vamos conversar sobre o uso da tecnologia; dois, gostaria de falar sobre o combate à pornografia; e três, quero falar sobre a doutrina do casamento—três assuntos muito importantes com que temos que lidar hoje em dia.

1.  Uso da Tecnologia

O primeiro é o uso da tecnologia. Em 2007 e 2008, discursei para os alunos que se formavam nas universidades BYU–Havaí e BYU–Idaho. Nessas ocasiões, eu disse: “Não podemos ficar de lado assistindo, enquanto outros, inclusive nossos críticos, tentam definir o que a Igreja ensina”.1 Naquela ocasião, pedi aos formandos que usassem os avanços tecnológicos para participar de conversas sobre a Igreja no mundo inteiro. Achei que estava bem atualizado quando sugeri que compartilhassem seus pontos de vista em blogs. De lá para cá, conheci o Facebook, o Twitter, o Pinterest, o YouTube, o Google+, o Instagram e agora minha secretária me falou um pouco sobre o Snapchat. Uau! Parece que o mundo da tecnologia não consegue ficar parado nem por uns poucos minutos.

Meu celular é impressionante! Os smartphones são realmente inteligentes! Eles nos proporcionam muitas oportunidades maravilhosas, inclusive o acesso às informações, as orientações em um mapa, o compartilhamento de fotos e mensagens e até de vez em quando conseguimos realmente conversar com alguém.

O mundo moderno em que hoje vivemos está sempre mudando, o que em alguns aspectos é bom, e em outros não tão bom assim.

Diferenças entre o Passado e o Presente

Desde a época de Adão e Eva até os dias de Joseph e Emma Smith, o mundo mudou de modo relativamente lento de uma geração para outra.

As pessoas que viviam no passado desfrutavam de uma abundância de luz celestial natural e de confortável escuridão, sem luzes nas ruas, faróis de carros e poluição luminosa que se encontra em todas as nossas cidades do mundo inteiro. Nas cidades de hoje, é quase impossível ver o céu noturno, como Abraão, Moisés, Rute, Isabel, Jesus e os antigos santos dos últimos dias viam.

Também desfrutavam um silêncio natural, com poucos sons artificiais que interrompiam seus dias e especialmente suas noites. O ruído moderno de carros, de aviões e de algo que alguns de vocês chamam de música afogou completamente o mundo natural. (Vocês têm que entender que o que eu considero música e o que vocês consideram música é algo totalmente diferente.) Não é mais possível ir a um restaurante sem que haja música de fundo sendo tocada. Mesmo nas remotas florestas do mundo, o silêncio é quebrado com frequência pelo voo de um jato no céu.

Por fim, as pessoas do passado vivenciavam a solidão de algumas maneiras que nem conseguimos imaginar em nosso mundo atarefado e superpopuloso. Mesmo quando estamos sozinhos hoje em dia, podemos sintonizar nossos dispositivos móveis, laptops e televisores para manter-nos entretidos e ocupados.

Como Apóstolo, faço-lhes uma pergunta: Vocês separam algum tempo para ficar em silêncio? Pergunto-me se os que viveram no passado tinham mais oportunidades do que temos hoje de ver, sentir e vivenciar a presença do Espírito em sua vida.

Aparentemente, à medida que nosso mundo se torna mais brilhante, mais barulhento e mais atarefado, temos mais dificuldade em sentir o Espírito em nossa vida. Se sua vida carece de momentos serenos, vocês começariam a buscá-los hoje mesmo?

Conselho Profético

É importante aquietar-nos, ouvir e seguir o Espírito. Simplesmente temos distrações demais que chamam nossa atenção, como nunca na história do mundo.

Todos precisam de tempo para meditar e contemplar. Até o Salvador do mundo, durante Seu ministério mortal, encontrou tempo para isso: “E, despedida a multidão, subiu ao monte para orar, à parte. E, chegada já a tarde, estava ali só”.2

Todos precisamos de tempo para fazer perguntas a nós mesmos ou para realizar uma entrevista pessoal com nós mesmos. Com frequência estamos tão atarefados e o mundo é tão ruidoso que nos é muito difícil ouvir as palavras celestiais: “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus”.3

Os dispositivos móveis, como os smartphones, são uma bênção, mas também podem distrair-nos de modo que não nos permite ouvir a “voz mansa e delicada”. Esses dispositivos precisam nos servir, e não nos dominar. Por exemplo: se mais tarde nesta noite você compartilharem pensamentos inspiradores deste devocional nas mídias sociais, seu smartphone é seu servo. Se vocês navegam aleatoriamente pela Internet, seu smartphone é seu mestre.

Lembrem-se do que Elias, o profeta, aprendeu: O Senhor não estava no vento, (…) o Senhor não estava no terremoto: (…) o Senhor não estava no fogo”, mas o Senhor falou com uma “voz mansa e delicada”.4

Nosso Uso da Tecnologia

Outra pergunta: Honestamente, quanto tempo vocês passam por dia em seu celular ou tablet, sem incluir o trabalho da escola ou da Igreja?

Seu uso é adequado, e eles são uma bênção. Contudo, quando os smartphones começam a interferir em nosso relacionamento com amigos e familiares — e ainda mais importante, com Deus — precisamos fazer algumas mudanças. Para alguns de vocês, o ajuste será discreto; para outros, pode ser significativo.

Estou também preocupado com o uso demasiado das mensagens de texto, do Facebook, do Twitter e do Instagram, que estão substituindo as conversas — uma conversa direta um com o outro e a conversa em oração com nosso Pai Celestial, pensando nas coisas que mais importam na vida.

Muito frequentemente, os jovens se encontram na mesma sala com familiares ou amigos, mas estão ocupados comunicando-se com alguém que não está presente, perdendo assim a oportunidade de conversar com os que estão próximos. Quando isso acontece, às vezes é preciso sair da sala e enviar uma mensagem de texto para eles, a fim de atrair a atenção deles!

A maneira que mais aprendi na vida foi ouvindo as pessoas que tinham muita experiência, as que tinham vivido mais tempo e aprendido muitas coisas importantes que eu precisava saber. Por favor, aproveitem a oportunidade de conversar e de falar com seus pais, seus tios e tias, e seus avós, enquanto eles ainda estão com vocês.

Também me preocupa o fato de que alguns de vocês verificam sua conta de e-mail, Facebook, Twitter ou Instagram ou enviam mensagens de texto durante a reunião mais importante da Igreja restaurada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias: nossa sagrada reunião sacramental. Nessa importante reunião, devemos concentrar-nos no Senhor por meio da oração, dos hinos e dos emblemas de Seu corpo e sangue, em vez de conectar-nos a nossos dispositivos multimídia. Não podemos conectar-nos ao Espírito durante o sacramento se estivermos vendo ou enviando mensagens pelo smartphone ou tablet. Essa conexão exige a Luz de Cristo, proveniente de sua mente para seu coração, com ardente amor e devoção.

Sei que muitos de vocês têm suas escrituras e outros recursos da Igreja em seu celular ou tablet. E eu até ouvi falar que alguns pais e líderes da Igreja estão preocupados com essas tecnologias modernas, mas eu não estou.

A Igreja sempre adotou os avanços tecnológicos para ajudar a fazer o trabalho do Senhor progredir. Começamos enviando nossos missionários em navios a vela, na década de 1830, mas adotamos os avanços oferecidos pelos navios a vapor, na década de 1860. E então adotamos as linhas aéreas como o melhor meio de enviar nossos missionários a suas designações no mundo inteiro, na década de 1960.

A história se repete de maneiras muito interessantes. No passado, Israel preservava as palavras dos profetas em rolos de pergaminho. Em algum momento, os antigos cristãos adotaram o códice, a versão antiga do livro moderno.

Aqui estamos dois mil anos depois, e vocês jovens estão lendo suas escrituras em smartphones ou tablets — lendo-as da mesma forma que Jesus fazia quando lhe deram um rolo de pergaminho de Isaías para ler, em Nazaré. Vocês também podem “rolar o texto”5 — mas por favor, não façam isso durante a apresentação do sacramento. Sem dúvida, durante aqueles poucos minutos, vocês podem concentrar-se na Expiação do Salvador buscando o Espírito do Senhor para abençoá-los na semana seguinte. E considerem deixar o smartphone ou tablet no modo avião durante todas as reuniões de domingo. Vocês ainda terão as escrituras, os discursos da conferência geral, o hinário e os manuais, mas não serão distraídos pela chegada de mensagens de texto ou notificações.

Refúgio da Tempestade

Além de encontrar tempo para contemplação e meditação, também precisamos encontrar um lugar, como mencionado em Doutrina e Convênios, que será “uma defesa e (…) um refúgio contra a tempestade”.6

Precisamos de um lugar especial de refúgio no qual possamos afastar-nos das distrações de nossos dispositivos eletrônicos, desligando-os, para que possamos conectar-nos ao Espírito de Deus.

Um dos melhores lugares para nos conectarmos ao Espírito o templo: a Casa do Senhor. Evidentemente, o mesmo pode ser dito de nossos edifícios consagrados da Igreja, incluindo as salas de aula do seminário e do instituto e outras salas dos edifícios. Podemos encontrar refúgio em nossa casa ou apartamento quando simplesmente decidimos desligar as coisas, aquietar-nos e conhecer as coisas de Deus.

Para ajudar-nos a descobrir o mundo em que Adão e Eva, Abraão e Sara, e José e Maria encontraram Deus, e para ajudar-nos a encontrar um lugar para sentir e ouvir a voz do Senhor hoje, convido-os a ir ao templo. Frequentem-no o máximo que puderem, desliguem seus smartphones antes de entrarem no terreno do templo.

Em todas as ordenanças da Casa do Senhor, ouvirão bela linguagem, palavras e promessas concedidas pelo Senhor a Seus filhos. É o único lugar em que vocês podem ouvir essas palavras belas e inspiradoras.

Se ainda não se qualificam para uma recomendação para o templo, visitem o terreno do templo. Deixem-me salientar um ponto muito importante, caso ainda não o tenham ouvido antes: Nada nos impede de visitar o terreno do templo. O Senhor quer que vocês se preparem para ser dignos de uma recomendação para o templo e para que frequentem o templo assim que puderem. Ao caminhar pelo jardim do templo, isso lhes plantará no coração o desejo de receber uma recomendação e de frequentar o templo regularmente.

Satanás, por outro lado, não quer que vocês frequentem o templo ou que sequer se coloquem sob a sombra de um templo. Ele quer que vocês se abstenham até de chegar perto do templo, porque o templo é a Casa do Senhor.

Asseguro a cada um de vocês que quando vão ao templo ou visitam seus jardins, vocês vão caminhar em terreno sagrado e santo, assim como os antigos patriarcas e matriarcas fizeram há muito tempo no passado. Eles se concentraram em sua jornada eterna e nas coisas importantes da vida. Tal como eles, vocês também podem concentrar-se em sentir o poder e a presença do céu.

Se assim decidirem, podem ouvir a voz mansa e delicada do Espírito no templo ou em seu terreno sagrado, de maneiras que jamais ouvirão no shopping, nos restaurantes ou em locais públicos. Na verdade, vocês verão que o templo é um lugar maravilhoso para receber respostas para suas orações.

Recentemente, o Presidente Thomas S. Monson dedicou o Templo de Gilbert Arizona. Durante a oração dedicatória, ele pediu ao Senhor: “Que Teu Santo Espírito habite aqui, e que sua influência seja sentida por todos que adentrarem estas paredes”. Ele também orou: “Que esta, a Tua casa, seja um santuário de serenidade, um refúgio contra as tempestades da vida e do ruído do mundo. Que ela seja uma casa de serena contemplação concernente à natureza eterna da vida e Teu divino plano para nós”.7

Todos os templos dedicados ao Senhor são “um santuário de serenidade, um refúgio contra as tempestades da vida e do ruído do mundo (…) [e] uma casa de contemplação”.

A Oposição

O mundo em que vivemos está movendo-se rapidamente para longe dos ensinamentos de Cristo em suas leis e em seus costumes. Como resultado, Satanás está trabalhando arduamente para confundir os filhos e as filhas de Deus e para afastar os próprios eleitos do cumprimento de seu dever e do recebimento da plenitude das bênçãos do Senhor.

Satanás quer que vocês parem de praticar os bons hábitos que aprenderam em casa, no seminário e instituto, e em sua missão — tais como estudar as escrituras diariamente, orar diariamente, tomar o sacramento dignamente todas as semanas e prestar serviço sincero e genuíno. Ele também quer que fiquem de lado nas batalhas importantes e cruciais de nossos dias.

Lembrem-se, queridos jovens, estamos numa guerra — mas não uma guerra com balas e fuzis. Ainda assim, a guerra é real, com incontáveis baixas humanas. A guerra é, na verdade, uma continuação daquela que teve início na existência pré-mortal.

Paulo nos convidou a vestir “toda a armadura de Deus”. Ele disse: “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”.8

Como Apóstolo do Senhor Jesus Cristo, eu convido a todos que me ouvem, neste vasto mundo em que agora vivemos, a vestir “toda a armadura de Deus” e unir-se à batalha de hoje, tal como os filhos de Helamã fizeram há tantos anos. Não esperem até se casarem, darem início à sua carreira profissional ou ficarem mais velhos. A Igreja precisa de nossos jovens agora mesmo. O Senhor precisa de vocês agora!

Devem lembrar que os dois mil jovens guerreiros “fizeram convênio de lutar pela liberdade dos nefitas”.9 A Igreja precisa de modernos jovens guerreiros que tenham feito o convênio de “servir de testemunhas de Deus em todos os momentos e em todas as coisas e em todos os lugares”.10

O Livro de Mórmon descreve da seguinte forma aqueles jovens guerreiros:

“Eram todos jovens (…) e muito valorosos quanto à coragem e também vigor e atividade; mas eis que isto não era tudo — eles eram (…) fiéis em todas as ocasiões e em todas as coisas que lhes eram confiadas.

Sim, eles eram homens íntegros e sóbrios, pois haviam aprendido a guardar os mandamentos de Deus e a andar retamente perante ele.11

Vocês, rapazes e moças, são os modernos filhos e filhas de Helamã. Que seja dito de vocês o mesmo que foi dito deles: “Tornaram-se também, nessa ocasião, (…) um grande apoio”.12

2.  Combater a Pornografia

A segunda coisa que desejo falar-lhes é que vocês devem juntar-se a nós nesta batalha contra a pornografia. Ela é uma praga terrível que está se espalhando pelo mundo. Peço-lhes que me ouçam enquanto explico um exemplo da sabedoria do Senhor.

Há mais de 180 anos, o Senhor revelou Sua lei de saúde, incluindo uma advertência sobre o uso do tabaco.13 Milhões de pessoas deram ouvidos ao Senhor, porém, muitas mais não o fizeram. Ninguém sabia naquela época ou mesmo quando eu tinha a sua idade quais eram os efeitos a longo prazo do fumo. Hoje em dia, após décadas de pesquisas científicas, sabemos o efeito que o fumo tem sobre o câncer do pulmão e sobre outras doenças fatais. A Palavra de Sabedoria do Senhor é uma bênção protetora.

De modo semelhante, em nossos dias, o Senhor advertiu-nos sobre os efeitos da pornografia. Milhões de pessoas seguem fielmente o conselho do Senhor, embora incontáveis outras não seguem. Não temos que esperar, meus amigos, 180 ou nem mesmo 10 anos para descobrir os efeitos devastadores da pornografia porque as pesquisas científicas atuais revelaram que a pornografia prejudica os jovens adultos de várias maneiras e envenenam suas chances de um dia ter um relacionamento conjugal amoroso e duradouro.

As pesquisas também mostraram que o uso frequente da pornografia pode levar a condutas obsessivas e que podem reconfigurar o cérebro, confinando a pessoa à prisão do vício.

As pesquisas também confirmaram que a pornografia promove expectativas irreais e transmite ensinamentos distorcidos e perigosos em relação à intimidade humana sadia.

De forma mais insidiosa, a pornografia condiciona a pessoa a ver os outros como objetos que podem ser descartados e desrespeitados tanto emocional quanto fisicamente.

Outro aspecto da pornografia é que em geral se trata de uma atividade “secreta”. Os usuários geralmente ocultam seu uso ou ao menos o minimizam para todos, inclusive seus parceiros românticos e cônjuges. Os estudos descobriram que quando as pessoas se envolvem nesse tipo de ocultação — quando fazem coisas das quais não se orgulham e mantêm essas coisas em segredo para seus familiares e amigos isso não apenas prejudica seu relacionamento e os deixa sentindo-se solitários, mas também os torna mais vulneráveis à depressão, à ansiedade e à baixa autoestima. Os segredos prejudicam a confiança.

Inicialmente, precisamos abster-nos do uso da pornografia porque ela é fatal. Ela mata os ternos e genuínos relacionamentos humanos, destruindo casamentos e famílias. Ela destrói o espírito das pessoas que a consome, tão seguramente quando o mais mortal veneno mata o corpo e a mente.

Meus queridos jovens, não se deixem enganar. Não pensem que depois que forem para a missão ou depois que se casarem conseguirão parar essa conduta de vício. Se estiverem envolvidos com isso agora, se estiverem presos nessa prática, consigam ajuda espiritual agora mesmo. Vocês são capazes de vencer a pornografia com a ajuda do Salvador. Não esperem! Rogo-lhes que larguem essas coisas! Há muitos recursos no site LDS.org que podem ajudar a apagar a escuridão das imagens pornográficas.

Estes são dias desafiadores — porém não mais desafiadores do que os dias de Helamã e seus jovens guerreiros, que tiveram que defender suas famílias e a Igreja. Esta é sua hora de dar um passo à frente e unir-se às fileiras de rapazes e moças dedicados e justos, no combate à pornografia. Devemos vencer essa batalha e vocês também têm de vencê-la em sua própria vida.

3.  A Doutrina do Casamento

Quero conversar com vocês sobre o terceiro assunto rapidamente. E desejo que entendam a posição da Igreja em relação ao casamento conforme estabelecido pelo Pai Celestial por meio das escrituras e da “A Família: Proclamação ao Mundo”. Esse documento inspirado declara: “A família foi ordenada por Deus. O casamento entre o homem e a mulher é essencial para Seu plano eterno. Os filhos têm o direito de nascer dentro dos laços do matrimônio e de ser criados por pai e mãe que honrem os votos matrimoniais com total fidelidade”.14

Os Apóstolos têm o encargo de ser atalaias na torre para ver e ensinar as doutrinas de Cristo. Todos vocês sabem que a definição tradicional do casamento está sob ataque hoje em dia. Há pessoas que estão estruturando o debate em termos de direitos civis. A Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos explicaram a posição e a doutrina da Igreja sobre o propósito e o plano de Deus para Seus filhos espirituais vivenciarem na mortalidade, que é algo essencial para nossa vida eterna.

Suponho que muitos de vocês talvez não tenham lido a declaração publicada no começo deste ano. Vou citar um trecho dessa declaração e peço-lhes que ouçam atentamente:

“Mudanças na lei civil não mudam, e realmente não podem mudar, a lei moral que Deus estabeleceu. Deus espera que apoiemos e guardemos Seus mandamentos, independentemente de opiniões divergentes ou tendências na sociedade. Sua lei da castidade é clara: as relações sexuais só são lícitas se forem entre um homem e uma mulher que sejam legal e legitimamente casados um com o outro. Nós os incentivamos a examinar e a ensinar aos membros da Igreja a doutrina contida em ‘A Família: Proclamação ao Mundo’”.

A declaração continua:

Assim como aqueles que promovem o casamento entre pessoas do mesmo sexo têm o direito a um tratamento respeitoso, também aqueles que se opõem a ele o merecem. (…)

Como membros da Igreja, somos responsáveis por ensinar o evangelho de Jesus Cristo e a explicar que grandes bênçãos fluem quando obedecemos aos mandamentos de Deus, bem como as consequências inevitáveis que se seguem caso os ignorarmos. Nós os convidamos a orar para que as pessoas de toda parte tenham o coração enternecido para as verdades do evangelho, e para que a sabedoria seja concedida àqueles que forem chamados para decidir sobre questões fundamentais para o futuro da sociedade”.15

Sei que vocês amam e apoiam o Senhor e apoiam Seus profetas, mas também sei que alguns de vocês talvez estejam confusos sobre as muitas implicações da decisão da Igreja de apoiar o plano revelado de Deus para Seus filhos.

Também sei que alguns de nossos jovens se debatem para entender como explicar a doutrina referente à família e ao casamento e ainda permanecer bondosos, gentis e amorosos em relação aos que não concordam com isso. Vocês podem ter medo de que serão rotulados de preconceituosos ou intolerantes.

Talvez conheçam alguém que tem problemas com a atração por pessoas do mesmo sexo ou que tenha tomado a decisão de assumir um relacionamento com uma pessoa do mesmo sexo. Seu amor por essa pessoa como filho ou filha de Deus pode criar um conflito interno ao tentarem amar e apoiar essa pessoa e ainda defender o plano eterno de felicidade do Senhor.

Deixemos bem claro, nesta noite, que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias acredita que “o fato de sentir atração por pessoas do mesmo sexo é uma realidade complexa para muitas pessoas. A atração por si só não é um pecado, mas colocá-la em prática, sim. Mesmo que as pessoas não escolham ter tais atrações, elas escolhem como vão agir em relação a elas. Com amor e compreensão, a Igreja estende a mão para todos os filhos de Deus, inclusive [os que sentem atração por pessoas do mesmo sexo]”.16

A Igreja não ensina nem defende o ostracismo ou outras ações anticristãs. Devemos amar e nos esforçar por ajudar as pessoas a entender que ninguém deve ignorar ou desprezar os mandamentos de Deus.

Testemunho e Advertência

Por fim, em “A Família: Proclamação ao Mundo”, a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos declararam: “Advertimos que as pessoas que violam os convênios de castidade, que maltratam o cônjuge ou os filhos, ou que deixam de cumprir suas responsabilidades familiares deverão um dia responder perante Deus pelo cumprimento dessas obrigações. Advertimos também que a desintegração da família fará recair sobre pessoas, comunidades e nações as calamidades preditas pelos profetas antigos e modernos”.17

Sou um dos que participaram da elaboração dessa advertência. Como atalaia na torre, sou responsável por “tocar a trombeta e avisar o povo”.18 Nesta noite, fui bem claro e ergui a voz de advertência. Faço isso porque os amo e quero que compreendam que teremos que encarar o Senhor e guardar Seus mandamentos. Esse é o meu dever.

As Boas Novas

Nosso Pai Celestial sabia das consequências de vivermos num mundo decaído e, por isso, providenciou um Salvador, um “Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” para Seus filhos.19 No evangelho de João, aprendemos que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.20

Lembrem-se de que o evangelho representa as “boas novas”. É uma mensagem de esperança. Se estiverem em dificuldades agora, procurem ajuda. O Senhor é misericordioso e compassivo.

O Apóstolo Paulo ensinou:

“Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? (…)

Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.

Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,

Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”.21

Graças a Jesus Cristo, a paz pode substituir a culpa. Os relacionamentos sadios podem ser restaurados. Os vícios podem ser sobrepujados.

Precisamos fazer com que nossos familiares e amigos conheçam esta verdade: Deus é amor, “e convida todos a virem a ele e a participarem de sua bondade; e não repudia quem quer que o procure”.22

Precisamos, meus amados jovens adultos da Igreja, que vocês participem do trabalho de salvação antes, durante e após sua missão.

Usar a Tecnologia para Abençoar Vidas

O Senhor os convida a envolverem-se e a fazerem uso das plataformas de mídia social que preferirem para compartilhar o evangelho e serem os modernos filhos e filhas de Helamã nas grandes batalhas dos últimos dias. Ele quer que vocês se tornem os modernos jovens guerreiros que são fortes e unidos na defesa da verdade. Ele quer que vocês sejam corajosos e destemidos diante dos avanços do inimigo. Sabemos que no final o Senhor vencerá, e que Satanás será derrotado.

Por meio de várias plataformas de mídia social, vocês podem conversar a respeito do evangelho com familiares, amigos e, para os ex-missionários, até mesmo com seus antigos pesquisadores e recém-conversos. Vocês podem ser testemunhas da verdade e defender o reino.

Defender o Reino

Sei que alguns de vocês se preocupam com a possibilidade de serem mal compreendidos, ridicularizados ou até maltratados ao defender o Pai Celestial e o Senhor Jesus Cristo e a Igreja. Compreendo suas preocupações.

Servi na Missão Britânica após o término da Segunda Guerra Mundial como jovem missionário. Naquela época, os mórmons eram “objeto de escárnio e opróbrio”,23 e os missionários eram ridicularizados e escarnecidos. As pessoas até cuspiam e jogavam coisas em nós. Contudo, não recuamos, mas continuamos a prestar nosso testemunho e a compartilhar o evangelho. Tal como Abinádi, não recuamos; tal como Paulo, não recuamos; e tal como o Salvador, não recuamos. Naquela época não podíamos ter imaginado a repercussão de nossos labores. Tínhamos 14 distritos e nenhuma estaca. Hoje, há 46 estacas de Sião nas ilhas britânicas.

Meus queridos jovens amigos, não se preocupem com os que estão no grande e espaçoso edifício. Néfi disse que eles zombariam e apontariam “o dedo para aqueles que haviam chegado e comiam do fruto”.24 Não sejam como aqueles que “haviam experimentado do fruto ficaram envergonhados, por causa dos que zombavam deles, e desviaram-se por caminhos proibidos e perderam-se”.25

Vocês são uma grande e importante geração, e esta é uma excelente época para se viver! Seu futuro é brilhante. Digam para vocês mesmos nesta noite: “Estou ajudando o Senhor ao esforçar-me para compartilhar meu testemunho e para ensinar as verdades que Deus revelou nesses últimos dias”.

Agora, vocês terão a oportunidade de usar toda essa mídia social sabiamente, para compartilhar o que aprenderam talvez nesta noite mesmo. Lembrem-se de que há um momento e um local adequados para utilizar a mídia social e compartilhar seus pensamentos e testemunho das coisas que estão aprendendo e sentindo é um desses momentos.

Testemunho

Que o Senhor os abençoe com sabedoria por muitos e muitos anos, que vocês percebam que estamos nesta batalha e que devemos permanecer unidos, tanto jovens quanto idosos. Oro para que o Pai Celestial os proteja e os abençoe. Espero que saibam o quanto nós os amamos. Peça ao Pai Celestial que abençoe cada um de vocês, em qualquer lugar deste mundo, que esteja ouvindo este devocional nesta noite com a paz do Senhor em seu coração, com o sereno testemunho e a certeza de que Jesus Cristo vive, que Ele é o Filho de Deus e que esta é a Sua Igreja. Que essa paz e esse poder estejam com vocês. Que o Pai Celestial zele por vocês. Que vocês nunca se esqueçam, nesta jornada que estão trilhando, que são preciosos, cada um de vocês, para o futuro e a preparação do mundo para o dia em que Jesus Cristo dirá “Basta” e retornará e reinará como o Salvador, o Senhor dos senhores, o Reis dos reis, o Redentor do mundo, de quem eu testifico e sei que vive. Falamos sobre as coisas que são importantes para Ele nesta noite. Que deixemos esta reunião repletos de amor pelo Senhor e com o desejo de servi-Lo. Esta é minha humilde oração, no sagrado e amado nome do Senhor Jesus Cristo. Amém.

© 2014, Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos reservados. Aprovação do inglês: 3/14. Aprovação da tradução: 3/14. Tradução de Be Still, and Know That I Am God. Portuguese. PD50053655 059

Notas